Causos musicais

São especiais os saraus com a presença do meu amigo negão Almeida. Em parte pelo repertório que conhece, muito pelos causos dos quais se lembra.

Ontem lembrou-se de um particularmente engraçado, do qual nem me lembrava. Nos anos 70, Luiz Gonzaga foi se apresentar no Colégio Equipe, ali vizinho da Brigadeiro Luiz Antonio – onde minha mulher, a Ica, lecionava. Aliás, acho que ainda morávamos em uma quititene na Monsenhor Passalácqua, vizinho do Equipe.

Ficamos perto do palco e o negão começou a acompanhar o ritmo no pandeiro ou em algum instrumento que sempre levava em um saco de pão.

Quando terminou a primeira parte, Luiz Gonzaga olhou divertido para ele e agradeceu:

– Queria agradecer o ritmo de macumba que o amigo ali imprimiu ao baião.

O negão ficou branco e tratou de guardar o instrumento, mas a risada larga de Gonzaga o acalmou:

– É brincadeira, pode continuar!

Falou muito, também, do grande Paulinho de Viola, que ele costumava ciceronar pelas noites paulistanas. Lembrou que ele tinha sido do Partidão e que «Sinal Fechado», uma de suas principais músicas, foi feita pensando no encontro no trânsito com um colega que estava na clandestinidade. 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora