Sabe com quem está falando?

Por Zeca Peixoto

Arrogância, desrespeito e abuso de autoridade. Hoje 11, por volta das 17h50, após fazer compras no supermercado da Rede Mix situado na Rua Coronel Arthur Gomes de Carvalho, na Pituba, percebi que a saída do meu veículo estava sendo impedida pelo Fiat UNO de placa OLD 6253. Não só o meu como os de outras pessoas. 

Após aproximadamente 10 minutos, o proprietário do UNO se aproximou com uma criança no colo. Ante as legítimas reclamações, o referido cidadão, após abrir a porta do seu carro e insinuar pegar uma arma, disparou olhando pra mim: “O que é? Você sabe com quem está falando? Não quero falar com ninguém, não! Sou delegado de polícia. Quer levar um tiro?” Sim, me ameçou dar um tiro à frente do próprio filho, um garoto entre 3 e 4 anos. Ameaça feita também na presença da minha filha de quatro anos, que estava comigo. Desrespeito, sobretudo, às crianças.

Não respondi ao meliante pago pelo Estado. Neste momento, não. Mas ao emparelhar o carro com o dele, abaixei a vidro e disse: vou te denunciar. E vou! O discurso desse marginal denota o que há de mais putrefo, de mais psicopata que pode existir. Imagino que milhões desses perfis seguiram ordens de um Fuhrer do mesmíssimo naipe para instalar uma indústria da morte. Com razão que Reich afirma ser o fascismo fenônome universal. Sempre há alguns deles à espreita e basta o mais simples impulso, leve faísca, para que a combustão facínora venha à baila. Não, o ato desse canalha não ficará impune. A Corregedoria da Polícia Civil deverá tomar conhecimento, sim. E se não der em nada? Isso é o que menos importa. 

Já é passado o momento de não mais se tolerar jactâncias deploráveis do tipo “sabe com quem está falando?” Tem que reagir. E esse verme terá que ser responsabilizado.

 

*Jornalista, mestre em História Social, pesquisador de História da mídia e blogueiro – Zeca Peixoto

******

Lei também! No Observatório da Imprensa

 

A interferência do poder econômico e político na ética jornalística e o interesse público. A credibilidade de A Tarde, do Correio, da Tribuna da Bahia e demais veículos no país. A distribuição gratuita dos jornais impressos, o fim do jornal impresso no Brasil com o advento do jornalismo online, o jornalismo de mercado, as posturas mais antiéticas cometidas pelas grandes empresas de comunicação brasileira com relação ao profissional de mídia e a veiculação da informação, a participação cidadã na qualidade informativa, a morte do Estadão e outros assuntos num diálogo com o jornalista, mestre em História Social, pesquisador de História da mídia e blogueiro Zeca Peixoto.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora