CUCA E OUTROS MAIS

Antes do jogo, o cartola colocou Cuca em cima do telhado; depois do jogo, a vaia da torcida, o derrubou de vez. Era só uma questão de tempo, todos sabiam, inclusive o ex-treinador do Flamengo para que o vendaval de paixões o varresse da Gávea.

Ainda outro dia, no Arena, Cuca foi franco ao responder-me que, sim, os técnicos de futebol neste país vivem na corda bamba e por isso mesmo, por via das dúvidas, preferem jogar fechadinhos, o que enfeia o espetáculo e contraria visceralmente nossa forma de jogar bola.

Isso dissemina por todos os clubes, torcidas, mídia, cartolas, o diabo a quatro, uma irritação crônica, coletiva, que, a qualquer resultado considerado negativo, a bomba explode no colo do treinador, aquele que é mais fácil de ser removido.

Pelas minhas contas, sempre imprecisas mas próximas do real, já foram detonados treze (ô numerozinho cabalístico!) técnicos em treze rodadas do Brasileirão. Pelas estatísticas, um a cada rodada.

E têm mais na fita. Um deles, que atende pelo apelido de Tite, apesar de todas as juras dos cartolas do Inter.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora