A voz de Consuelo de Paula frente aos desafios dos nossos tempos no Sesc Belenzinho, em São Paulo

Em “Maryákoré”, a artista se torna “Marielle da maré” por meio da voz e violão. Apresentação acontece no dia 24 de janeiro, às 21h

Capa do novo álbum de Consuelo de Paula, “Maryákoré”. | Imagem: Divulgação

Jornal GGN – A origem do feminino, na profundeza de suas raízes, ganha tom com o sétimo álbum de Consuelo de Paula. O álbum “Maryákoré” mergulha nos mais diversos brasis de nossa terra e ganha o palco do Sesc Belenzinho no dia 24 de janeiro, às 21h. 

Consuelo, que traz no primeiro nome “Maria”, se torna “Maryákoré” para assinar a nova obra. O título une as palavras “maryá” (Maria) , “koré” (flecha na língua paresi-haliti, família Aruak), “oré” (nós em tupi-guarani) e “yakoré” (nome próprio africano).

Para Consuelo, desde o nome, o trabalho “traduz uma arte guerreira e amorosa, que se alimenta da força dos ventos, das brisas e das tempestades; nasceu entre o dia e a noite, entre a cidade e as matas, entre raios e trovões”.

O refrão da canção de título homônimo ao álbum, não deixa negar o significado do lançamento quando diz  “Sou a fumaça que sobe na mata na hora mais quente / a fogueira no quintal da minha gente / sou maryákoré, katxerê, marielle da maré / sou a lua, a luta e os nossos olhos brilhando horizontes”.

No palco, Consuelo interpreta toda obra por meio da voz, violão e percussão, acompanhada por Carlinhos Ferreira também na percussão e de Ana Rodrigues no piano. A apresentação acontece em dois movimentos e a artista promete surpresas ao público. 

“Farei um tema popular dos canoeiros do Vale do Jequitinhonha e cantarei uma música de César Isella e Armando Tejada Gómez, que já foi interpretada por Mercedes Sosa”, disse a artista, que também vai interpretar canções essenciais de seus CDs anteriores. “São composições que conversam com Maryákoré”, contou. 

Consuelo assina todas as letras do novo CD,  que conta com duas parcerias: uma com Déa Trancoso e outra com Rafael Altério. A artista também é responsável pela direção, arranjos, todos os violões e por algumas percussões de Maryákoré.

Consuelo de Paula. | Foto: F. de Cabral/Divulgação

O violão, instrumento de composição de Consuelo, ganha destaque neste trabalho ao se tornar parte fundamental do corpo. A artista gravou juntos o violão e a voz, ao vivo, no estúdio Dançapé do músico Mário Gil.

Para Consuelo, o espetáculo musical “Maryákoré” pode se tornar uma experiência única. “São gestos, ventos que impulsionam ciclos, são lutas internas e externas que foram trazendo o disco e apontando o rumo das canções”, revelou.

Serviço:

Consuelo de Paula lança “Maryákoré”

Local: Teatro I do Sesc Belenzinho (396 lugares)

Endereço: Rua Padre Adelino, 1000.

Leia também:  Uso de ‘laranjas’ corre risco de se repetir nas eleições municipais

Quando: 24 de janeiro, sexta-feira, às 21h

Ingressos: R$ 30,00 (inteira); R$15,00 (aposentado, pessoa com mais de 60 anos, pessoa com deficiência, estudante e servidor da escola pública com comprovante) e R$9,00 (credencial plena do Sesc – trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo credenciado no Sesc e dependentes).

*Ingressos disponíveis pelo portal Sesc SP a partir de 14 de janeiro, às 12h, e nas bilheterias das unidades a partir do dia 15 de janeiro, às 17h30. Limite de 2 ingressos por pessoa.

Duração: 90 minutos. Recomendação etária: 12 anos.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome