Ao contrário da Lava Jato, MP-RJ segurou dados contra os Bolsonaro até passar a eleição

Quando caso Queiroz veio a público, MP tinha informações sobre movimentações superiores aos R$ 1,2 milhão divulgados, e sabia de elo com miliciano

Matéria originalmente publicada em 06 de maio de 2020, às 19h22

 

Jornal GGN – O Ministério Público do Rio de Janeiro, que hoje investiga o esquema das rachadinhas de Flávio Bolsonaro, sabia, antes da eleição de 2018, que o ex-assessor Fabrício Queiroz havia movimentado mais que 1,2 milhão de reais em transações financeiras suspeitas.

Antes do pleito eleitoral, MP possuía ainda informações que ligavam o miliciano Adriano Nóbrega – um dos suspeitos pela morte de Marielle Franco – ao gabinete de Flávio, pois o nome de Raimunda Veras Magalhães, mãe de Adriano, constava já no primeiro relatório do Coaf que tratava das movimentações de Queiroz e outras dezenas de assessores parlamentares, entre janeiro de 2016 e janeiro de 2017.

Era 3 de janeiro de 2018 quando as 420 páginas que formam o relatório número 27746 foram enviadas “espontaneamente” pelo Coaf ao MP estadual e ao Ministério Público Federal no Rio.

Mas os brasileiros só souberam da existência desse relatório em 6 de dezembro de 2018, quando o Estadão divulgou a primeira reportagem sobre Queiroz. Àquela altura, Jair Bolsonaro era o próximo presidente, Eduardo, o deputado federal mais votado da história, e Flávio, senador eleito.

Ao contrário da Lava Jato em Curitiba, no caso Queiroz, o segredo de Justiça foi levado a sério. Não houve vazamentos seletivos à imprensa e a família Bolsonaro conseguiu atravessar o período eleitoral sem grandes abalos sísmicos. Enquanto isso, Sergio Moro, ainda juiz, vazava delação premiada de Antonio Palocci na tentativa de prejudicar a candidatura do PT.

Procurado pelo GGN, o MP-RJ não quis comentar a postura destoante dos colegas de Curitiba. Em nota ao Conjur, o órgão manifestou que “a maior prova de sua neutralidade política [em relação a Flávio Bolsonaro] foi não ter divulgado o documento [relatório do Coaf] à imprensa como forma de influenciar as eleições de 2018.”

A força-tarefa da “rachadinha” não quis falar ao GGN sobre outros relatórios parciais que solicitou ao Coaf ao longo das investigações iniciais.

Leia também:  TV GGN: O fim do modelo Lava Jato e da força tarefa do MPF, com Hindemburgo Diniz

A reportagem apurou que além do relatório 27746, o 34670 também chegou às mãos dos promotores antes da eleição, em agosto de 2018. O documento mapeava créditos de 411 mil reais nas contas de Queiroz e saques em espécie de mais 190 mil reais, entre novembro de 2017 a junho de 2018.

Por meio da assessoria de imprensa, o MP-RJ alegou sigilo processual para não responder nenhuma das questões enviadas pela redação, embora boa parte das informações do Coaf já tenha vazado na mídia. Já é de conhecimento público, por exemplo, que Queiroz movimentou cerca de 7 milhões de reais no intervalo de três anos.

(Sergio Moro é a pauta do novo projeto jornalístico do GGN.
Saiba mais clicando aqui)

OS RELATÓRIOS DO COAF

As primeiras informações sobre Queiroz e outros ex-assessores de Flávio Bolsonaro chegaram ao setor de inteligência do MP-RJ em janeiro de 2018, no relatório 27746. Ele dizia respeito às movimentações financeiras de 2016 a 2017. No caso Queiroz, essas transações chegavam a 1,2 milhões de reais. Neste relatório, foi constatado também o cheque de R$ 24 mil para Michelle Bolsonaro.

O próprio Coaf, ao encaminhar o relatório 27746 ao MP-RJ e MPF, dividiu os suspeitos em 22 grupos. Queiroz e os outros funcionários do gabinete de Flávio ficaram no grupo 20.

O MPF no Rio, à época, conduzia no âmbito da Lava Jato uma investigação decorrente da operação Cadeia Velha. O relatório do Coaf serviu para corroborar delações premiadas contra assessores e deputados estaduais que viraram alvo da fase seguinte, a Furna da Onça, deflagrada em novembro de 2018.

Ao GGN, o coordenador da Lava Jato no Rio, procurador Carlos Alberto Gomes de Aguiar, explicou que Flávio Bolsonaro não foi arrastado para Furna da Onça porque o MPF não encontrou vínculo entre seu gabinete e o objeto específico daquela investigação, a “organização criminosa composta por Sérgio Cabral e Picciani.”

Leia também:  Multimídia do dia

Coube exclusivamente ao MP-RJ conduzir os procedimentos relacionados às rachadinhas.

Em 9 de março, o GAOCRIM, grupo de investigação subordinado ao procurador-geral de Justiça, Eduardo Gussem, recebeu o relatório do Coaf, já com análises feitas pelo setor de inteligência do MP-RJ.

O GAOCRIM instaurou PICs (Procedimentos Investigatórios Criminais) para cada um dos 22 grupos suspeitos no relatório do Coaf. A portaria registrando a instauração do PIC sobre Queiroz e colegas de gabinete foi lavrada em 30 de julho de 2018.

Para “complementar informações” do primeiro relatório, o 27746, o MP-RJ pediu novos dados ao Coaf, todos “pertinentes a personagens identificados no núcleo nº 20”, ou seja, o de Queiroz.

O procurador Carlos Aguiar explicou à reportagem que, neste caso, é de praxe o Coaf remeter as informações apenas ao órgão solicitante. Ou seja, apenas o MP-RJ teria acesso aos demais relatórios que

Os quatro novos relatórios acessados pelo MP-RJ foram:

1) Relatório 34670 – Contém dados sobre novembro de 2017 a junho de 2018, com créditos de 411 mil reais e saques em espécie de 190 mil.

2) Relatório 38484 – Contém informações sobre saques em espécie que totalizaram 324 mil reais, entre janeiro e março de 2017, relacionados a Queiroz. É neste relatório que consta a informação de 48 depósitos de 2 mil reais (total de 96 mil reais) na conta de Flávio Bolsonaro, entre junho e julho de 2017. Inclui ainda dados de um ex-assessor de Flávio que depositou 90 mil reais na conta da própria mãe, em março de 2018, sem ter renda compatível com os recursos.

3) Relatório 39127 – O GGN não encontrou detalhes, e solicitou informações (período analisado e total movimentado) ao MP-RJ, que alegou segredo de Justiça sobre os autos e impossibilidade de responder.

Leia também:  Xadrez dos Bolsonaro e da expansão das milícias do Rio de Janeiro para Angra, por Luis Nassif

4) Relatório 40698 – Contém dados sobre transações imobiliárias que têm impacto sobre os negócios de Flávio Bolsonaro, como negócio feito por Glenn Dillard, um investidos que vendeu ao ex-deputado dois imóveis com 30% de deságio.

Menção a cada um dos cinco relatórios do Coaf que o MP-RJ usou no caso Queiroz encontra-se em petição encaminhada pelos promotores à Justiça, para pleitear a quebra de sigilo de Flávio, seus ex-assessores e sócios na loja de chocolates e outros empreendimentos, em abril de 2019.

Além dos cinco relatórios parciais, e antes da quebra do sigilo de Flávio e aliados, o MP-RJ ainda chegou a pedir ao Coaf um relatório “ampliado”, de 2007 a 2018. O pedido foi feito no dia 14 de dezembro de 2018, às vésperas de Flávio ser diplomado senador, em 18 de dezembro.

Alegando sigilo, o MP-RJ também não confirmou quando Flávio aparece oficialmente como investigado no processo. Mas há informações em petição analisada pelo GGN indicando que teria sido após uma investigação sobre seus negócios imobiliários ter sido desarquivado por ordem de Gussem e anexado ao PIC sobre Queiroz, em meados de fevereiro de 2019.

A defesa de Flávio insurgiu-se contra seu status no processo e o uso de dados do Coaf sem autorização judicial. Requereu, ainda, foro privilegiado. Conseguiu suspender as investigações por alguns meses, mas não garantiu o “elevador processual”.

O GGN tem um post detalhado sobre a evolução do caso Queiroz, desde o recebimento do primeiro relatório do Coaf até as últimas movimentações importantes. Confira abaixo:

Reconstituindo a investigação das “rachadinhas” contra Flávio Bolsonaro e Queiroz

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

10 comentários

  1. Quando a justiça decide entrar na política é impossível que ela não saiba que vai se sujar, que vai se degradar e que vai perder a sua credibilidade.

  2. Pela enésima vez, ao se comentar, mais uma vez, o caso Queiroz, o que aconteceu em toda Alerj é mencionado. Eu não entendo o pq.

  3. MP e PF…
    duas das 4 principais raízes podres de um Brasil que já não se aguenta em pé

    mas ainda há quem acredite que o Brasil vai se recuperar de 4 golpes de Estado seguidos

  4. MP e PF…
    duas das 4 principais raízes podres de um Brasil que já não se aguenta em pé

    mas ainda há quem acredite que o Brasil vai se recuperar de 4 golpes de Estado seguidos

  5. Pois é, aos poucos vão chegando novas informações sobre toda a fraude que beneficiou a dupla Boçal/Mourão na eleição de 2018 e prejudicou Haddad e isto me faz bater na tecla que insistentemente tenho batido: NÃO FOSSE A COVARDIA (OU SERIA CAFAJESTICE?) DE MINISTROS DO TSE E ESSA CHAPA JÁ TERIA SIDO CASSADA. Só que é preciso haver cobranças contundentes de todos os blogs como este, assim como de deputados e senadores e até do capeta, pois senão aqueles ministros continuarão prevaricando, fingindo que não é com eles… Afinal, por que perder tempo com querer o impeachment do boçal se no lugar dele vai ficar um vice até pior (já que seu último artigo no Estadão mostrou o nível calhorda de seus mentirosos argumentos, um vice, aliás, que provavelmente acabaria se aliando novamente ao criminoso sergio moro…. Mas fica a pergunta: POR QUÊ TENHO ESCRITO SOZINHO SOBRE A NECESSIDADE DE COBRAREM HONESTIDADE DOS MINISTROS DO TSE, OS QUAIS VIVEM CASSANDO PREFEITINHOS SEM EXPRESSÃO PELO BRASIL AFORA MAS SE ACOVARDAM NA HORA DE TOCAREM CELEREMENTE O PROCESSO DE CASSAÇÃO DE CHAPA DE BANDIDOS? Afinal, essa cobrança tem que ser diária, se possível de hora em hora, até ver se os togados tomam vergonha na cara. Afinal, não foram só os disparos de fake news financiados por empresas privadas contra Haddad, mas agora se revela também a malandragem da PF avisando flavio boçalnaro do esquema da rachadinha e ajudando a eleger o pai cafajeste…..ACORDEM ARTICULISTAS, ACORDE NASSIF, CUTUQUE OS OUTROS BLOGS PARA NÃO DAREM SOSSEGO AOS VAGABUNDOS QUE NÃO JULGAM O CRIME ELEITORAL QUE ELEGEU BANDIDOS…..

  6. Pois é, aos poucos vão chegando novas informações sobre toda a fraude que beneficiou a dupla Boçal/Mourão na eleição de 2018 e prejudicou Haddad e isto me faz bater na tecla que insistentemente tenho batido: NÃO FOSSE A COVARDIA (OU SERIA CAFAJESTICE?) DE MINISTROS DO TSE E ESSA CHAPA JÁ TERIA SIDO CASSADA. Só que é preciso haver cobranças contundentes de todos os blogs como este, assim como de deputados e senadores e até do capeta, pois senão aqueles ministros continuarão prevaricando, fingindo que não é com eles… Afinal, por que perder tempo com querer o impeachment do boçal se no lugar dele vai ficar um vice até pior (já que seu último artigo no Estadão mostrou o nível calhorda de seus mentirosos argumentos, um vice, aliás, que provavelmente acabaria se aliando novamente ao criminoso sergio moro…. Mas fica a pergunta: POR QUÊ TENHO ESCRITO SOZINHO SOBRE A NECESSIDADE DE COBRAREM HONESTIDADE DOS MINISTROS DO TSE, OS QUAIS VIVEM CASSANDO PREFEITINHOS SEM EXPRESSÃO PELO BRASIL AFORA MAS SE ACOVARDAM NA HORA DE TOCAREM CELEREMENTE O PROCESSO DE CASSAÇÃO DE CHAPA DE BANDIDOS? Afinal, essa cobrança tem que ser diária, se possível de hora em hora, até ver se os togados tomam vergonha na cara. Afinal, não foram só os disparos de fake news financiados por empresas privadas contra Haddad, mas agora se revela também a malandragem da PF avisando flavio boçalnaro do esquema da rachadinha e ajudando a eleger o pai cafajeste…..ACORDEM ARTICULISTAS, ACORDE NASSIF, CUTUQUE OS OUTROS BLOGS PARA NÃO DAREM SOSSEGO AOS VAGABUNDOS QUE NÃO JULGAM O CRIME ELEITORAL QUE ELEGEU BANDIDOS…..POIS ATÉ O KIM, DO MBL ESTÁ PEDINDO NOVA ELEIÇÃO……ACORDEM…

  7. Caraca, se a gente não conhecesse o GGN diria que o título é do Globo ou Folha. Dá a entender que a lava-jato não segurou dados contra os Bolsonaros até passar a eleição.

  8. É a “nova politica”…

    Está tudo no powerpoint da lava jato. O presidencialismo de coalizao vinha muito bem, obrigado, até que apareceu o PT, PT, PT e desgraçou tudo. Quem nao entender (ou aceitar) que essa chacrinha toda foi feita com base em uma “tioria” politica que esses concurseiros em massa engoliram, vai ter uma surpresa por dia.

    Se trata da ESTRUTURA básica da aquisição e do exercício do PODER. O financiamento empresarial era A LEI. Depois de perderem uma, duas, três, quatro vezes seguidas para o PT, PT, PT, melaram o jogo. Os representantes da direita (que alguns teimam em chamar de “centro”) sabiam muito bem como se fazia campanha eleitoral e coalizões no Brasil. Os concurseiros, ora, nem os cientistas nem os analistas políticos falam as coisas pra eles, vão pegar “tioria” de onde? Da midia, ora, ora.

  9. Até que ponto o juiz de Curitiba influenciou o MPF do Rio para não soltar? Pois com isso estava em um jogo ganha-ganha. Ganha divulgando o do Palocci e ganha não divulgando o do Queiroz. Bretas também estaria no meio?

  10. GGN fazendo jornalismo, como de hábito. Matéria consistente baseada em fatos, documentada e com fontes que comprovam a veracidade do reportado. É isso que diferencia o GGN da imprensa panfletária e do jornalismo medíocre e mal intencionado.

    Esta matéria, além do mais, é oportuna. Veja a matéria publicada na Folha de hoje, com a entrevista de Paulo Marinho apontado como responsável por conectar Bolsonaro com o setor empresarial na campanha de 2018.

    Manchete e matéria da primeira página, “PF avisou Flávio Bolsonaro de que pegaria Queiroz, afirma ex-aliado” foi reproduzida por todos os veículos, inclusive o GGN. Logo, o artigo denunciando os arbítrios e abusos cometidos pela Lava Lato faz o contraponto e leva à comparação com comportamento da mídia corporativa aliada de sempre aos golpes no Brasil, muito bem representado pela entrevista com Marinho.
    Alis se faz sérias acusações envolvendo Bolsonaro, seu filho Flávio, Queiroz, a Polícia Federal e um de seus delegados. Não apresentando um indício sequer de comprovação além de deu próprio testemunho, do finado Bibiano e de advogados obrigados ao silêncio e não é confrontado com isso pelo jornal. A Folha reproduz a fala, na mesma base dos press releases da Lava Jato, como verdade inquestionável. Essa é a razão do “afirma ex-aliado”É, onde, buscando eximir-se, escancara a falta de qualidade jornalística, a falta de ética e o uso do tema para manipulação política da informação. É mais do mesmo daquilo que foi usado contra Lula, Dilma, PT e a esquerda nos últimos anos.

    Não se pode dizer que aqui há digitais de Moro. Mas, é o mesmo método. Indiretamente, inclusive, o beneficia. Enfraquece Bolsonaro e o que enfraquece o presidente, nestas circunstâncias, fortalece Moro. A acusação acopla-se ao tema do inquérito instaurado pela denúncia feita por Moro de interferência de Bolsonaro na PF. Tomada como verdadeira a entrevista reforça a denúncia de Moro. Para seus efeitos futuros é, sem dúvida, uma tentativa de assentar mais um tijolo na construção da pré candidatura de Moro para 2022. O mote principal da publicação não é esse, é bater em Bolsonaro batendo em Flávio e reavivando o assunto Queiroz, mas, como se diz, trata-se de unir o útil ao agradável, dando uma no ferro e outra na ferradura.

    Em que pese o que são Bolsonaro e seu governo, cuja inadequação dispensa adjetivos, é inaceitável tolerar, quanto mais apoiar esse tipo de atitude, de tática. A narrativa de Marinho pode até ser verdadeira – é crível que o seja. Porém, também é evidente seu uso oportunista em prol de objetivos políticos. Só vem à tona por Bolsonaro ficou tóxico para os grupos de poder que se pretendem democráticos, mas, para quem os fins justificam os meios. É a mentalidade e a praxis que catalizaram essa virada à direita derrubando um governo por não desejá-lo e por nada mais. Fortaleceu o fascismo, mas agora temem a barbárie que se avizinha. Melhor dizendo, temem um ambiente político e social que não possam controlar.

    É frustrante constatar, nas reações e desdobramentos imediatos causados pela matéria, o seu uso pela esquerda nacional para atacar Bolsonaro e seu governo. Ver no campo progressista lideranças, militantes e imprensa agir com um oportunismo que valida mais essa manipulação é desalentador. Devemos opor-nos com toda a força contra esse governo, mas, sem perder a perspectiva que Bolsonaro é o encarregado de manter em marcha o que foi iniciado em 2016. Encargo para o que se mostra capaz. Todo esse movimento vindo da direita, de sua ala racional e pragmática, tem como único objetivo manter o seu projeto de poder em pé. Aceitar suas táticas por simples e aparente conciliação de interesses é auxiliar na manutenção do status quo.

    Em suma, aceitar práticas de manipulação, aceitar o uso político de instituições e acolher a manipulação da informação por conveniência, é replicar a Lava-Jato. É permitir que tudo o aquilo que é denunciado se perpetue.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome