Bolsonaro e Guedes pregam a solução final, por Gilberto Maringoni

Temos um genocida em potencial no terceiro andar do Planalto cercado por uma quadrilha de psicopatas fascistas

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Bolsonaro e Guedes pregam a solução final

por Gilberto Maringoni

A barbaridade externada por Paulo Guedes em Washington tem toda lógica nos dias que correm. Não se trata apenas de uma viúva de Pinochet quem fala. Trata-se de uma declaração de guerra. Ela está intimamente ligada ao projeto ultraliberal de segunda onda.

As marcas essenciais dessa segunda onda são:

1. É muito mais agressiva que a primeira, nos anos 1990. Ali ainda havia alguma hipocrisia ao se dizer que privatizações e entregas de ativos estatais tinham por objetivo aumentar a eficiência dos serviços públicos e que o dinheiro arrecadado iria para Saúde e Educação. Agora, a entrega é total, incluindo Saúde e Educação, além de petróleo, saneamento, Casa da Moeda etc. Tudo é liquidável.

2. Por sua agressividade e gravíssimas consequências sociais, a nova onda precisa eliminar a democracia. O descontentamento é subversivo. A busca pelo lucro não se importa em financiar uma máquina de moer carne humana. A segunda onda necessita de repressão aberta, com licença para matar, uso de milícias e leis restritivas. Movimento social é classificado como terrorista e pode ser eliminado sem dó.

Para que a segunda onda se implantasse foi essencial dinamitar a economia nacional e aumentar absurdamente o desemprego. Instaurou-se o pânico entre as pessoas e buscou-se quebrar a resistência dos de baixo. Esse foi o fertilizante para o avanço da extrema-direita.

Mas ainda há tempo. A América Latina nos mostra isso. Bolsonaro tem de ser detido. Temos um genocida em potencial no terceiro andar do Planalto cercado por uma quadrilha de psicopatas fascistas.

4 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Augusto César de Oliveira Rosa

- 2019-11-27 17:05:04

Concordo com vc. Já pensei tbm nisso. O problema é o povo que tem medo de aderir. A começar pelas contas de luz e água. Depois ipva. Internet, tv por assinatura e etc.

peregrino

- 2019-11-27 00:22:57

O que mais me preocupa é que eles não estão nem aí ou que estão cagando solenemente para o desgaste político... isso é coisa de quem tem toda a vontade de mandar matar para se sentir seguro ou se recuperar dos desgastes políticos. ou de quem tem garantias, forças e métodos de combate particulares não se espantem se a parte boa da federal estourar um grande depósito particular de armas ou se espantem muito ao olhar da portaria para dentro

Jair Oliveira

- 2019-11-27 00:05:23

A economia não paga as tarifas atuais. Se aumentar, então não vão mais pagar nem as atuais e o governo vai colapsar. Se o povo fazer greve de impostos, esse governo cai em um mês. Só o governo não, cai todos os poderes, inclusive os militares. Não precisa de greve. É só para de pagar todos os impostos que eles tomam jeito na cara.

José Eduardo de Camargo

- 2019-11-26 19:59:11

Quando a gigantesca bolha financeira estourar "lá em cima" não haverá regime totalitário que resistirá. Mas antes disso o tarifaço previsto para janeiro será certamente o estopim por aqui como ocorreu no Equador e no Chile.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador