Bolsonaro “está rodeados de cobras” que querem que Mourão assuma, disse Zambelli a Moro

Relatório da Polícia Federal sobre conversas e Zambelli com Moro no WhatsApp registra a desconfiança da deputada em relação aos interlocutores do governo

Jornal GGN – Em troca de mensagens no WhatsApp no dia 23 de abril de 2020, a deputada federal Carla Zambelli disse ao então ministro da Justiça, Sergio Moro, que não confiava nas pessoas que articulavam a permanência do ex-juiz no governo Bolsonaro, em meio à disputa pelo comando da Polícia Federal.

“O PR [Jair Bolsonaro] está rodeado de cobras. Que querem vê-lo cair para Mourão assumir”, disse ela. “Não confio nos que estão conversando lá. O senhor confia em mim?”, perguntou Zambelli.

A conversa de deu na noite em que Bolsonaro assinou a exoneração de Maurício Valeixo da diretoria-geral da PF. Moro era frontalmente contra a demissão. Zambelli tentou a todo custo conversar com o presidente para evitar que Moro abandonasse o barco junto com Valeixo. Para ela, Moro era um dos “pilares” de sustentação do governo.

Zambelli quis saber de Moro se, diante da saída de Valeixo, o então ministro gostaria de emplacar no lugar o delegado Fabiano Bordignon. Moro não confirmou nem negou.

Depois, com a decisão de Bolsonaro já tomada, a deputada tentou convencer o ex-juiz a aceitar a nomeação de Alexandre Ramagem, amigo dos filhos de Bolsonaro. Segundo ela, a delegada Erika Marena, que atuou na Lava Jato com Moro, achava Ramagem “ótimo”.

Ao final, Moro disse que só ficaria no cargo se Bolsonaro anulasse a exoneração de Valeixo, o que não ocorreu. Na manhã do dia 24 de abril, o ex-juiz chamou a imprensa para anunciar sua demissão. Ele acusou o presidente da República de ter mexido na Polícia Federal com a intenção de obter informações privilegiadas e interferir em investigações contra seus aliados.

No mesmo relatório, consta conversa entre Moro e Bolsonaro que deixa claro que o presidente não fazia questão de manter o então ministro no governo.

Em 12 de abril, Bolsonaro envia a Moro uma matéria do Valor cujo título é: “Moro diz que polícia pode prender quem descumprir isolamento” na pandemia. O presidente então comentou: “Se esta matéria for verdadeira: Todos os ministros, caso queira [sic] contrariar o PR, pode fazê-lo, mas tenha dignidade para se demitir. Aberto para a imprensa.” Moro respondeu apenas: “O que existe é o art. 268 do CP. Não falei com imprensa”.

Em outra mensagem entre Zambelli e Moro, a deputada diz que Bolsonaro não queria o ex-juiz fora do governo. Em conversas anteriores, porém, o presidente demonstrou descontentamento com o fato de Moro ser “desarmamentista” e contrariá-lo em outras posições.

Segundo o relatório da PF, o motivo de Bolsonaro querer intervir na PF precisa ser melhor esclarecido. Já da parte de Moro, o documento enfatiza que o ex-ministro não recebeu promessa nem demonstrou que aceitaria um cargo no Supremo Tribunal Federal para continuar no governo.

Em mensagem à Zambelli, Moro escreveu que gostaria de ficar no governo, mas precisava de “condições de trabalho” para isso.

Confira o relatório abaixo:

Moro WhatsApp

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora