Bolsonaro manda indicar cloroquina para gestantes e crianças no dia em que EUA revogam uso da droga

O Ministério da Saúde vai atualizar nota informativa divulgada em 20 de maio sobre a cloroquina para incluir crianças e gestantes em grupo de risco

Jornal GGN – No mesmo dia em que os Estados Unidos revogaram a permissão para uso de hidroxicloroquina em pacientes com coronavírus, o Ministério da Saúde do governo Bolsonaro decidiu estender a recomendação para crianças e gestantes com sintomas leves de covid-19.

Segundo informações do Estadão, o Ministério vai atualizar nota informativa divulgada em 20 de maio sobre a cloroquina. “O documento não é um protocolo, ou seja, não dita regras no SUS nem passa a autorizar procedimentos antes proibidos, mas tem forte poder político.”

Para ser protocolo, a hidroxicloroquina deveria provar cientificamente sua eficácia contra coronavírus, o que ainda não aconteceu.

Ainda de acordo com o jornal, a Secretária de Gestão do Trabalho e da Educação do Ministério da Saúde, Mayra Pinheiro, afirmou que gestantes e crianças foram incluídas na recomendação porque são do “grupo de risco”.

Ela também minimizou a decisão da Food and Drug Administration (FDA), a agência reguladora dos Estados Unidos que revogou a autorização emergencial para uso da hidroxicloroquina em pacientes com covid-19. A FDA informou que “é improvável que a cloroquina e a hidroxicloroquina sejam eficazes no tratamento da covid-19 ” e alertou para os riscos.

A secretária disse que nos EUA, a droga é usada apenas em casos graves e que, no Brasil, a introdução do medicamento ocorre nos primeiros sintomas, e assim ele demonstra maior eficácia.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

3 comentários

  1. O presidente irresponsável que não entende de economia, mas é um grande médico e sanitarista, aliás é o candidato que recebeu mais votos dos médicos e então se sente no direito de clinicar e indicar medicação. Estranho para o sanitarista que acredita que brasileiro precisa ser estudado, pois vive no país do esgoto a céu aberto e não pega nada.
    Pelo menos temos agora nesta crise o que comemorar

    https://twitter.com/mariabopp/status/1272669877124374528

  2. “A secretária disse que nos EUA, a droga é usada apenas em casos graves e que, no Brasil, a introdução do medicamento ocorre nos primeiros sintomas, e assim ele demonstra maior eficácia”.
    Interessante… Se é assim, por que eles lá suspenderam o uso e não apenas mudaram o protocolo, para usar também na fase inicial da doença?
    E, depois da cloroquina, já se começa a falar em ivermectina, o ivomec do Mandetta que, pelo jeito, entende mais de boi que de gente.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome