Brasil entrou em recessão no primeiro trimestre de 2020, aponta FGV

Devido aos efeitos da pandemia, o mercado projeto que a queda no segundo semestre será de quase 10%

Jornal GGN – O Codace (Comitê de Datação de Ciclos Econômicos), órgão ligado ao Ibre/FGV (Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas), divulgou estudo nesta segunda (29), apontando que o Brasil entrou em recessão no primeiro trimestre de 2020.

No primeiro trimestre de 2020, o PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro caiu 1,5% na comparação com os três meses passados, segundo dados do IBGE. Devido aos efeitos da pandemia, o mercado projeto que a queda no segundo trimestre será de quase 10%.

Outro levantamento do Ibre/FGV mostrou ainda que apesar de a confiança de consumidores e empresários ter apresentado dois meses seguidos de recuperação, o indicador brasileiro encontra-se em uma situação desfavorável em relação à maioria dos países.

“O comitê foi criado em 2004 pela Fundação Getulio Vargas com a finalidade de determinar uma cronologia de referência para os ciclos econômicos brasileiros, estabelecida pela alternância entre datas de picos e vales no nível da atividade econômica”, anotou a Folha desta segunda.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Decotelli cede à pressão e deixa o MEC

2 comentários

  1. Sempre comentei por aqui que a economia do Brasil já estava na merda antes da pandemia e que o virus fez apenas o que faz com seres humanos; jogou na UTI.
    Agora a conversa fiada do guedes é que o Brasil irá surpreender. Como assim? Afinal de onde não se espera nada não vem nada mesmo.
    Por fim, de onde espremem a tal “confiança de consumidores e empresários”? Fake too?

  2. e pior, esperaram passar o carnaval para divulgar isso. como são incompetentes, estão botando a culpa no vírus que já circulava aqui desde o COMEÇO DE FEVEREIRO. a imprensa botou o dinheiro no bolso e o publico brasileiro se ferrou e vai se ferrar mais ainda.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome