Catarina e Jarirí – uma paixão sobre-humana

Adispois di umas duas hóra, mestre Bódim résórveu ir pra casa, eiles pudiam tá préucupados cum eile. Anssim qui chegô, viu qui a turma toda tava assustada. Tuxo tinha saído pá tentá incontrá eile. Jarirí, entonces, já foi falanu:

– Adondi ucê foi, mestre? Quasi qui ocê mata nóis du córação, faizi tempo qui Tuxo saiu pá tentá incontrá ucê.

– Ieu tava mi aventurano pur otros mundos, à caça di réspósta pá nóssas indagaciones.

– Qui mundo ocê tá falanu? U mundo du além?

– Ucê acertô, ieu tava na bera du rio sentado num trono cuandu recebí a visita dum casar di ispritos. Eiles vinheru pá nos ajudá a résorvê os nuósso póbremas.

– Éira ispritos di jiente cunhicida sua, qui já si foro daqui pá mélhór? I qui trono ié ieisse? Bacio di cagá?

– Não, num ié bacio di cagá não. Ié um esplendoroso trono qui a natureza iscurpiu numa pedra grandi.

– Conta tudo pá nósis, mestre. Ucê tá matanu nósis di curiósidade.

Indaí, mestre Bódim cumessô a relatá tudo o qui tinha si passado. Adispois duma meia hóra, tudos eiles tava coszói arregalado i boquiabértos pur causa di tudo aquilo qui u mestre tinha contadu. Néja, indaí, falô:

– Bão, entoncis nósis vamu tê di ir pá ciudadi hoji memo. Nósis temos muito u qui fazê.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome