Catarina e Jarirí – uma paixão sobre-humana

Entoncis, sô Jair, Vardí, Tuxo i Jarirí insistiram tanto qui tudos eiles résórveru aceitá u pidido deiles. Quando chegassi a noite, sô Jair, Vardí, Jarirí, Tuxo i Cascatim, partiriam pá ciudadi pá conversá cum aquelis qui eiles pricisavam passá a mensaji. I eiles tavam cum sórti purque a noite siria muito iscura, coá a lua recolhida na solidão déila. Mestre Bódim inté versejou: “Lua perdida na imensidão, fora do alcance das mias mãos.” I Vardí, qui tumém tava inspirado, anssim emendô: “Noite iscura de tropeçar, vórta lua a nos iluminar.” I mestre Bódim, adispois di tumá um bão gole di pinga com ovo di jacaré, prósseguiu: “Noite Noite, Lua Lua, móstra a tua formosura.”

Indaí, Néja lembrô di qui eiles iriam viajá muitas léguas i qui pricisariam jantá purque saco vazio num para in pé.

– Ieu vo prepará uma boa janta prucêis, cum muito legume i pexe assado. Di sobremesa, um doce di leite cum quejo.

– Tá me dano água na boca, Néja. Ieu num vejo a hóra di cumê éissa iguaria.

– Ieu seio, Vardí, qui ucê ié muito exijente cum o paladar. Ucê num pérde por isperá, tenho célteza di qui ucê vai cumê cumu um príncipe isfomeado.

– Ieu num duvido nem um poquinho sobre uilsso, Néja.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome