Copom não indica os próximos rumos para a Selic

O Comitê de Política Monetária (COPOM) do Banco Central decidiu não apresentar as possíveis definições para a taxa Selic. De forma geral, os membros do comitê acreditam que o cenário da inflação continuará em baixa, se não ocorrer nenhuma eventualidade na economia brasileira.

 

Conforme o item 24 da ata da reunião, divulgada na última terça-feira (7) pelo Banco Central: “Todos avaliaram que, na ausência de choques adicionais, o cenário inflacionário deve revelar-se confortável. Entretanto, o maior nível de incerteza da atual conjuntura gera necessidade de maior flexibilidade para condução da política monetária, o que recomenda abster-se de fornecer indicações sobre os próximos passos da política monetária.”

 

No dia 1º de agosto, foi anunciado que a Selic se manteria em 6,5% ao ano, continuando com o menor percentual desde o início da série histórica do Bacen, em 1986. Esta situação continua dificultando o rendimento da poupança, portanto o investidor brasileiro precisa buscar melhores aplicações para o seu dinheiro.

 

Algumas das alternativas são os investimentos de renda fixa. Essa modalidade podem ser ofertada por instituições financeiras, como empresas de financiamento, bancos ou até mesmo o governo.

 

O investidor que aplica dinheiro na renda fixa, de certa forma, estará emprestando dinheiro para essas instituições, que utilizam o dinheiro para financiar suas atividades. Em troca, o investidor recebe de volta o valor aplicado acrescido dos juros.

 

Além de serem opções práticas, investir em renda fixa também permite ter a mesma segurança da poupança, pois vários títulos são assegurados pelo Fundo Garantidor de Créditos (FGC). Ou seja, caso o banco que emitiu o título quebre, o investidor possui a garantia de receber o dinheiro de volta, desde que o valor ressarcido esteja no limite de R$250 mil reais por CPF e por instituição financeira, mas com limite de R$1 milhão a cada 4 anos.

 

Os títulos de renda fixa mais conhecidos no mercado são:

  • CDB

  • Tesouro Direto

  • LCI e LCA

 

CDB

A sigla CDB significa Certificado de Depósito Bancário e é um dos investimentos de renda fixa mais conhecidos do mercado. Esses títulos são emitidos por bancos como forma de captação de recursos com o objetivo de financiar suas atividades. Em troca, o investidor recebe seu dinheiro de volta, acrescido dos juros, no prazo combinado.

Existem 3 tipos de títulos do CDB: prefixado, pós-fixados e híbridos.

  • Prefixado: Para esses títulos, o valor a ser resgatado ao final do investimento é estabelecido no momento da compra.

  • Pós-Fixado: Já neste tipo de título, a remuneração é atrelada a um indexador da economia, que em muitos casos é o CDI.

  • Híbrido: Esses títulos possuem um percentual fixo somado à variação de um indexador econômico.

 

Tesouro Direto

O Tesouro Direto é um investimento de renda fixa muito conhecido pela sua segurança e liquidez. Isto quer dizer que é possível resgatar o dinheiro aplicado a qualquer momento.

 

Quando o governo precisa financiar as dívidas internas e precisa de dinheiro, então é disponibilizado no mercado os títulos do Tesouro. O investidor que realizar a compra desses títulos estará emprestando dinheiro para o governo, recebendo em troca o capital inicial acrescido de juros.

 

Essa relação com o governo é bastante segura, pois a chance de haver um calote é muito baixa. Além da segurança, os títulos públicos também oferecem rentabilidades interessantes, mesmo com o desconto do Imposto de Renda.

 

LCI e LCA

A Letra de Crédito Imobiliário (LCI) e a Letra de Crédito do Agronegócio (LCA) são investimentos de renda fixa emitidos por bancos ou corretoras. Quando o investidor compra um título desta natureza, ele está emprestando dinheiro para a instituição financeira utilizar em financiamentos no ramo de imóveis ou agropecuário.

 

O que chama bastante atenção nas Letras de Crédito é a isenção no Imposto de Renda para pessoas físicas. No entanto, não é interessante utilizar esta vantagem como único fator decisório na escolha do investimento.

 

Além desses 3 investimentos citados acima, existem outros que possuem ótimas rentabilidades. No entanto, o investidor precisa sempre alinhar suas expectativas e objetivos financeiros na hora de construir uma carteira de investimentos diversificada.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora