Coronavírus: Vacina de Oxford é segura, produz reação imune e tem poucos efeitos colaterais

Candidata a vacina causa poucos efeitos colaterais e treina o sistema imunológico para produzir anticorpos e glóbulos brancos capazes de combater vírus

Sarah Gilbert, de Oxford. Crédito da Foto: John Lawrence

The Independent

A candidata a vacina contra coronavírus desenvolvida pela AstraZeneca e pela Universidade de Oxford induz uma forte resposta imune e parece ser segura, de acordo com os resultados preliminares dos testes. [A última fase de testes da vacina de Oxford será realizada no Brasil em parceria com a Fiocruz.]

O estudo em estágio inicial, que envolveu 1.077 pessoas, descobriu que a vacina treina o sistema imunológico para produzir anticorpos e glóbulos brancos capazes de combater o vírus. Também causa poucos efeitos colaterais.

A professora Sarah Gilbert, coautora do estudo da Universidade de Oxford, descreveu os resultados como promissores, mas disse que “ainda há muito trabalho a ser feito antes que possamos confirmar se nossa vacina ajudará a gerenciar a pandemia de Covid-19 “.

Os resultados foram obtidos quando o Reino Unido garantiu 90 milhões de doses de outras vacinas promissoras do Covid-19, enquanto os ensaios clínicos de um novo tratamento por coronavírus inalado mostraram que reduziu significativamente o número de pacientes hospitalizados que necessitam de tratamento intensivo.

Boris Johnson, o primeiro ministro da Reino Unido, disse que os resultados foram “muito positivos” ao parabenizar a equipe de cientistas que trabalhavam na vacina.

“Não há garantias, ainda não estamos lá e mais testes serão necessários – mas este é um passo importante na direção certa”, afirmou ele no Twitter.

Matt Hancock, o secretário de saúde também disse aos parlamentares que o vírus estava “no pé traseiro” na Grã-Bretanha, à medida que o número de novos casos e internações hospitalares continuam a cair.

Em pesquisa publicada na segunda-feira na revista Lancet, os cientistas disseram que a vacina produzia uma resposta imune dupla em pessoas de 18 a 55 anos de idade – provocando uma resposta de células T dentro de 14 dias após a vacinação e uma resposta de anticorpos após 28 dias.

Mais ensaios serão necessários para determinar quanto tempo essas células duram dentro do corpo. Também não está claro se a vacina pode impedir as pessoas de adoecer ou diminuir os sintomas do Covid-19.

Os pesquisadores disseram que a vacina causou efeitos colaterais menores com mais frequência do que um grupo controle, mas alguns deles podem ser reduzidos com o uso de paracetamol, sem nenhum evento adverso grave da vacina.

Os dados incluídos no artigo cobriram os primeiros 56 dias do julgamento e estão em andamento.

Os estudos de fase dois e três avaliando a eficácia da vacina foram expandidos além do Reino Unido para a África do Sul, Brasil e EUA, onde as taxas de infecções ainda são altas, para permitir que os pesquisadores avaliem se ela pode bloquear ou limitar a transmissão entre grandes populações.

“Além de continuar testando nossa vacina na fase três dos testes, precisamos aprender mais sobre o vírus – por exemplo, ainda não sabemos quão forte é a resposta imune que precisamos provocar para proteger efetivamente contra a infecção por Sars-CoV-2”, Acrescentou o professor Gilbert.

Os autores do estudo também observaram que são necessárias mais pesquisas para confirmar os achados em diferentes grupos de pessoas – incluindo grupos etários mais velhos, pessoas com outras condições de saúde e populações étnicas e geograficamente diversas.

A vacina, chamada AZD1222, é produzida a partir de um vírus geneticamente modificado que causa o resfriado comum nos chimpanzés.

Foi enfraquecido para garantir que não desencadeia nenhuma doença em humanos e é modificado para expressar a proteína de pico observada no Sars-CoV-2 – a ferramenta usada pelo vírus para invadir células humanas.

Quando esse material genético entra no corpo humano, “ajuda a ensinar o sistema imunológico a reconhecer o vírus Sars-CoV-2”, de acordo com o co-autor professor Andrew Pollard.

A Universidade de Oxford fez parceria com a AstraZeneca para produzir a vacina globalmente, com o gigante farmacêutico já comprometido em fazer dois bilhões de doses.

O Reino Unido encomendou 100 milhões de doses da vacina, enquanto vários outros governos ao redor do mundo, incluindo EUA, França e Alemanha, entraram em acordos de fornecimento com a empresa, caso o candidato se mostre eficaz e obtenha aprovação regulatória.

A AstraZeneca afirmou que não buscará lucrar com a vacina durante a pandemia.

“Se nossa vacina é eficaz, é uma opção promissora, pois esses tipos de vacina podem ser fabricados em larga escala”, disse o professor Gilbert.

“Uma vacina bem-sucedida contra o Sars-CoV-2 pode ser usada para prevenir infecções, doenças e mortes em toda a população, com populações de alto risco, como trabalhadores de hospitais e idosos priorizados para receber a vacinação”.

O Global Justice Now, que faz campanhas sobre questões de comércio, saúde e justiça no mundo em desenvolvimento, disse que “a alegação da AstraZeneca de que venderá a vacina sem lucro durante a pandemia não é boa o suficiente”.

Heidi Chow, gerente sênior de políticas, disse ao The Independent : “Ele precisa divulgar totalmente seus custos e preços para que isso possa ser verificado. A empresa também deixou a porta aberta para os aproveitadores desta vacina com financiamento público após a pandemia, quando a necessidade de vacinação ainda pode existir.

“Esta vacina foi paga pela bolsa pública e, se provar ser segura e eficaz, deve ser um bem público global e licenciado abertamente”.

A vacina da AstraZeneca está entre os principais candidatos atualmente em desenvolvimento, com cerca de uma dúzia de outras nos estágios iniciais de testes em humanos ou prestes a começar, principalmente na China, EUA e Europa.

A empresa americana de biotecnologia Moderna, com sede em Massachusetts, foi a primeira a anunciar que seu candidato a vacina havia produzido uma resposta imune nas pessoas .

A empresa disse em maio que os níveis de anticorpos desenvolvidos pelos participantes do seu primeiro estágio espelhavam os observados em pacientes que se recuperaram do vírus.

A BioNtech e a Pfizer também entregaram resultados positivos de testes iniciais em sua vacina baseada em MRNA.

Uma vacina ideal contra o Sars-CoV-2 deve ser eficaz após uma ou duas vacinações e funcionar em populações-alvo, incluindo adultos mais velhos e pessoas com outras condições de saúde, dizem os pesquisadores.

Eles acrescentam que ela deve conferir proteção por um período mínimo de seis meses e reduzir a transmissão do vírus para os contatos.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora