Covid-19, a tragédia do Rio de Janeiro de Wilson Witzel

O que comprova que. aquele que tem tanto desprezo pela vida na periferia, a ponto de comandar o maior genocídio contemporâneo, também não tem respeito pelas vidas em jogo com a pandemia.

Não bastasse a eleição de um governador com políticas genocidas e envolvido em suspeitas de corrupção, o Rio de Janeiro entra na fase mais decisiva da pandemia praticamente sem comando e com os piores dados do país.

Dentre os estados com maior população, é de longe o pior.

Em relação ao número de óbitos per capita, é o quinto estado do país, acima de estados como Amapá, Roraima e Acre, que estão no centro da pandemia amazônica.

Em relação ao aumento de óbitos nos últimos 30 dias, é o 5o estado, com 233,1%, em cima de uma base ampliada. Explico: quando a base de óbitos é pequena, digamos 10, um saldo para um acumulado de 30 significa 200% de aumento. O problema do Rio é que o aumento se dá em cima de uma base elevada, de segundo estado em número de óbitos.

 

 

Tomando o crescimento diário da média móvel semanal, o número de óbitos no Rio está em 47%, em bases mensais. É nesse cenário que o governador WItzel tem para flexibilizar o isolamento. O que comprova que. aquele que tem tanto desprezo pela vida na periferia, a ponto de comandar o maior genocídio contemporâneo, também não tem respeito pelas vidas em jogo com a pandemia. Que sirva de lição para os eleitores cariocas.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

1 comentário

  1. Pela falta de ética, respeito à vida e desprezo pela sociedade, um ex-funcionário público, no papel de magistrado deveria ter seus casos revistos. Muita não corretibilidade pode haver

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome