CRISE: A VOLTA DOS CABEÇAS DE PLANILHA

 ORTODOXIA DELIRA E AMEAÇA O PAíS

“Para recuperar credibilidade, BC pode subir Selic em 0,75 ponto” (Valor, 23/02; sobre a reunião do Copom na próxima semana).

A taxa de juro no Brasil , 11,25%, é a maior do mundo: atrai capitais especulativos, valoriza o Real, incentiva importações, encarece exportações, aprofunda o déficit em contas correntes (US$ 50 bi em 12 meses), destrói cadeias produtivas locais pela concorrência externa e explode o gasto público mais deletério, o pagamento de juros da dívida pública, que atingiu o valor recorde de R$ 190 bilhões no ano passado — 15 anos de Bolsa Família.  A idéia de combater  ameaças inflacionárias –reais, mas em grande parte decorrentes da especulação externa nas bolsas de commodities– subindo ainda mais a Selic atende às necessidades do país ou à ganância rentista? Leia nesta pág  artigo do economista Fernando Ferrari que discute alternativas à rota de colisão entre  os interesses do mercado financeiros e os do Brasil.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome