Defesa de Lula alega suspeição de procurador no caso Atibaia

Procurador que atuará contra Lula no TRF-4 é primo do membro do MPF que trabalhou na acusação do ex-presidente na primeira instância

Foto: Ricardo Stuckert

Por Tadeu Rover

Do Conjur

A defesa do ex-presidente Lula alegou suspeição do procurador Mauricio Gotardo Gerum, para quem foi distribuído o recurso da ação penal do sítio de Atibaia. Ele deve apresentar o parecer da Procuradoria Regional da República após as contrarrazões da defesa de Lula.

Lula foi condenado em 1º grau a 12 anos de prisão na ação do sítio de AtibaiaRicardo Stuckert
Segundo os advogados, Gerum é primo do também procurador Diogo Castor de Mattos, um dos responsáveis pela denúncia, e ainda com o advogado Rodrigo Castor de Mattos, irmão de Diogo, que atuou na delação dos ex-marqueteiros João Santana e Mônica Moura.

No documento, a defesa de Lula lembra que o casal de ex-marqueteiros do PT foi ouvido como testemunha de acusação na ação. Segundo a defesa, os depoimentos deles foram “expressamente utilizados” para embasar a sentença que condenou Lula a 12 anos de prisão.

O pedido foi feito pelos advogados do Teixeira Martins Advogados e do José Roberto Batochio Advogados Associados.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora