Download grátis: cartilha ensina como conversar com crianças sobre violência sexual

Projeto "Eu Me Protejo" disponibiliza material com linguagem adequada para instruir a criança a se proteger de abusos e denunciar

Jornal GGN – Na noite de segunda (17), a TV GGN promoveu uma discussão sobre o caso da menina de 10 anos no Espírito Santo que precisou passar por um aborto depois de ter engravidado do tio, que a violentava sexualmente desde os 6 anos. Participou desse debate a pesquisadora Ana Laura Prates Pacheco, que é psicanalista especialista em infância, sexuação e feminilidade.

Ana Laura falou sobre a importância de não tentar abafar os casos de abuso envolvendo crianças. Ao contrário disso, a informação é o melhor caminho. “Quanto mais isso é silenciado, quanto mais se torna um tabu, quanto menos você pode falar sobre esse assunto, proporcionalmente é muito maior o risco da criança sofrer o abuso recorrente, sem pedir ajuda, de uma maneira absolutamente solitária.”

No final da entrevista, Ana Laura deu a dica da cartilha do premiado projeto “Eu Me Projeto”, do qual ela faz parte. Realizado por voluntários, especialistas em diversas áreas, o projeto tem a intenção de equipar os “protetores” de crianças (pais, cuidadores, parentes, professores e outros profissionais) com material com linguagem adequada para conversar com esse público sobre um assunto tão sério e delicado.

O site também traz informações de boas práticas e estatísticas alarmantes: no Brasil, 1 em cada 4 meninas é vítima de abuso sexual, e 1 entre 13 meninos também enfrenta esse tipo de violência até os 18 anos. Quase 30% dos agressores são amigos da família. Outros 30% são familiares bem próximos, como pai, mãe, irmão, avô, tio, etc. Mais de 70% dos casos acontecem na própria cada da criança. E quando a vítima é aliciada por um parente próximo, em 54% dos casos o abuso é recorrente.

Clique aqui para ler a cartilha em pdf.

Clique aqui para conhecer o site do projeto e outros formatos da cartilha.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora