Em meio à polêmica, Bolsonaro vai assinar decreto para facilitar importação e transporte de armas

A medida também vai flexibilizar as regras para posse, registro e comercialização de armas e munição para aqueles que têm a autorização do Exército

da RFI

Em meio à polêmica, Bolsonaro vai assinar decreto para facilitar importação e transporte de armas

por Raquel Miura, correspondente da RFI em Brasília

Os críticos dizem que é mais um passo para armar a população numa visão equivocada sobre segurança pública. Os defensores afirmam que é facilitar a vida de quem é autorizado por lei a ter armas. Em meio a esse debate, o presidente Jair Bolsonaro vai assinar nesta terça-feira (7) um decreto que permite que os CACs – colecionadores, atiradores esportivos e caçadores – levem as armas, em geral de suas casas para os locais de treino, já carregadas com munição.

A medida também vai flexibilizar as regras para posse, registro e comercialização de armas e munição para aqueles que têm a autorização do Exército, visando ainda desburocratizar e baratear a importação desse material. O porta voz da presidência Otávio Rego Barros disse que os detalhes do texto ainda estavam sendo fechados na noite dessa segunda-feira (6).

Finalizando detalhes

“Os detalhes estão sendo definidos. Foi fruto de um estudo envolvendo os ministérios da Defesa, Justiça e a Casa Civil. O decreto vai regulamentar a lei sobre registro, porte, posse e comercialização. Trata também da desburocratização, comercialização e importação. Contempla a facilitação do transporte e aumento na munição, entre outros”, afirmou Barros.

O porta-voz disse que a assinatura do decreto pelo presidente Bolsonaro será às 16h, horário de Brasília, e que o Planalto aguarda um evento com forte presença política. “O governo espera contar com grande número de parlamentares nessa cerimônia”, disse Barros.

Leia também:  Atos contra cortes de Bolsonaro na educação e contra a reforma reúne 1,5 milhão em 204 cidades

Grupos com afinidade no tema

Os CACs têm hoje mais de 250 mil licenças no país, número que cresceu muitos nos últimos anos. Esses grupos pressionavam o governo, com quem têm afinidade no tema, por novas regras. Foi o próprio presidente Bolsonaro quem antecipou o evento em que vai anunciar as novas regras quando cumprimentava turistas em Brasília, na saída do Palácio da Alvorada, no domingo. Um eleitor perguntou se o governo iria adotar medidas para atender os CACs.

“Vamos anunciar na terça-feira. Não vai ter quantidade limite de munição. E vai poder transportar arma municiada. E estamos quebrando o monopólio também”, disse o presidente.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

5 comentários

  1. Na verdade não liberou mas representa a flexibilização da posse de arma de fogo. E tambem a quebra do monopólio da Taurus e da CBC Abrindo caminho para a Glock onde os filhotes de Bozo são Lobbystas Mas na verdade atiradores esportivos e Club de Tiro sao de classe média Bozo precisa arma o Cabaré dos trópicos.

  2. A famiglia Metralha age para garantir que os malditos pobres miseráveis que não morrerem por envenamento com uma salada (aqui no blog ver recorde de liberação de agrotóxicos) sejam mortos a tiros quando tentarem pegar um alface não contaminado no sitiozinho do sinhô.

  3. Ganham as milícias, perdem os policiais que não se submeterem à familícia. O general Villas Boas deu um golpe de estado para colocar Bolsonaro no pode pensando que assim evitaria uma guerra civil. O pupilo dele já está criando as condições para a guerra que o Exército não desejava. Quando os tiros de canhão começarem a zunir as casas dos generais serão poupadas?

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome