Europa confirma primeiros casos de coronavírus

Ministério de Saúde da França afirma que três pessoas estão sendo tratadas pela doença que se originou na China, onde já matou 41. Autoridades dos EUA registram a segunda infecção em solo americano

Da DW Brasil

O Ministério da Saúde da França confirmou nesta sexta-feira (24/01) três casos de pessoas infectadas pelo mesmo coronavírus que gerou um surto de uma misteriosa doença respiratória na província de Hubei, na China.

A ministra francesa da Saúde, Agnes Buzyn, alertou que, além desses dois casos, os primeiros registrados na Europa, novas infecções ainda poderão surgir no país.

Dois pacientes, que são parentes próximos, estão internados em um hospital em Paris e o outro, na cidade de Bordeaux. Todos eles estiveram recentemente na região da China onde o surto teve início.

A ONG SOS Medicins afirmou que seus médicos trataram uma pessoa de origem chinesa em Bordeaux que demonstrava sintomas semelhantes aos da doença.

Segundo Buzyn, o homem de 48 anos retornou há dois dias de uma viagem que incluiu a cidade de Wuhan, considerada o epicentro do surto. “Ele foi colocado em um quarto isolado para evitar contato com o mundo exterior e está bem”, disse a ministra.

Nos Estados Unidos, o Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC, na sigla em inglês) confirmou o segundo caso de infecção pelo coronavírus de Wuhan no país. Uma mulher de idade acima dos 60 anos, que retornou da China para Chicago no dia 13 de janeiro, buscou cuidados médicos após apresentar os sintomas dias mais tarde. Segundo o CDC, ela está em isolamento e em condição estável.

As autoridades americanas trabalham para identificar as pessoas com quem ela esteve em contato desde que retornou ao país. Nos EUA, ao menos 50 pessoas em 22 estados estão sendo monitoradas por suspeita de terem contraído o coronavírus.

O primeiro caso em solo americano foi confirmado pelas autoridades na última terça-feira. O paciente é um homem de 30 anos que havia retornado a Seattle após uma passagem por Wuhan.

Leia também:  Twitter apaga postagens de Allan ‘Terça Livre’ dos Santos

As autoridades continuam a realizar exames em passageiros que chegam de voos da província de Hubei, apesar de mais de uma dezena de cidades na região terem sido colocadas sob quarentena, deixando milhões de pessoas isoladas.

As primeiras infecções pelo novo coronavírus, batizado provisoriamente de 2019-nCoV pela Organização Mundial da Saúde (OMS), foram detectadas na cidade chinesa de Wuhan no final do ano passado e remontam a um mercado de animais selvagens e peixes, que agora foi fechado. O vírus pode ter sido transmitido através do contato direto entre humanos e animais, ou simplesmente através do ar.

O primeiro alerta foi emitido pela OMS em 31 de dezembro de 2019, após autoridades chinesas notificarem casos de uma misteriosa pneumonia em Wuhan. Desde então, 41 pessoas morreram em razão da doença e quasmais de mil estão infectadas.

O Comitê Nacional de Saúde do país informou que duas das três pessoas que contraíram o vírus na Tailândia se curaram, assim como uma no Japão. Também foram registrados casos na Coreia do Sul, Cingapura, Taiwan Vietnã e Austrália.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome