Fora de Pauta

O espaço para os temas livres e variados.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Os diálogos imaginários entre Deltan e Janot, por Luis Nassif

4 comentários

  1. O Greenwald arrumou o que fazer: aparar os excessos do nariz do Pinóquio sempre que esse nariz crescer, e ele não pára nunca. O Moro mente tanto que nem as galinhas acreditam nele. Ele lança grãos de milho para as galinhas e elas não os catam, por não acreditarem que seja milho de verdade

  2. Posso ter cometido um descuido formal eh meu zovo, tu cometeste muitos ilícitos materiais também

    Se foi um descuido formal, isso não configura crime, exceto se cometido de a-fe. Então porque essa angústia e esse temor?

  3. Procurador aposentado da Lava Jato nega diálogos com Moro e diz que pedirá indenização na JustiçaPor Inácio Aguiar, 18:21 / 15 de Junho de 2019 ATUALIZADO ÀS 18:29
    Carlos Fernando Dos Santos Lima classificou como “mentiras da intercept”, as conversas reveladasprocurador
    De acordo com o site Intercept, o juiz Sergio Moro teria sugerido aos procuradores, por meio de Carlos Fernando, emitir uma nota contra pontos que ele (Moro) considerou “contradições” no depoimento de Lula.
    Foto: Isanelle Nascimento
    O ex-decano da Lava Jato, procurador aposentado Carlos Fernando Dos Santos Lima disse, na tarde deste sábado (15), que deve acionar a Justiça pedindo indenização ao site Intercept Brasil pelo vazamento de “supostos” diálogos “obtidos de forma criminosa”, nas palavras dele. Jogado no olho do furacão da crise pela divulgação e conversas entre procuradores da Lava Jato e o juiz Sérgio Moro, Carlos Fernando contestou, em duas postagens nas suas redes sociais, a reportagem divulgada na noite de sexta-feira (15) e reforçou as críticas em entrevista exclusiva ao Sistema Verdes Mares.

    Neste domingo (16), a edição impressa do Diário do Nordeste traz entrevista completa com o procurador Carlos Fernando Dos Santos Lima, que esteve em evento na Associação Cearense do Ministério Público.
    Nas redes, ele classificou como “mentiras da intercept”, as conversas reveladas. Já, em entrevista, questionado se os diálogos seriam falsos, respondeu o seguinte: ” não há que se discutir o teor de supostas mensagens obtidas por crime. Além disso, não tinha o aplicativo quando do ataque”.

    O site Intercept Brasil divulgou supostos diálogos que sugerem que em maio de 2017, após o primeiro depoimento do ex-presidente Lula no processo que investigava o caso do Triplex do Guarujá, o então juiz Sergio Moro teria sugerido aos procuradores, por meio de Carlos Fernando, emitir uma nota contra pontos que ele (Moro) considerou “contradições” do ex-presidente.

    Os diálogos revelam ainda que os procuradores discutiram entre si a possibilidade e também com os profissionais da Assessoria de Comunicação da Força-Tarefa. Ao fim, eles decidem emitir a nota que teria sido sugerida por Sérgio Moro.

    O procurador disse ainda, ao Sistema Verdes Mares, que já foi vítima do mesmo expediente no Escândalo do Banestado, ocorrido na década de 1990, no Paraná. Na ocasião, Carlos Fernando foi um dos procuradores na investigação de remessas ilegais de divisas pelo sistema financeiro público brasileiro aos Estados Unidos por meio do Banco do Estado do Paraná. Na ocasião, o doleiro Alberto Youseff – condenado na Lava Jato – foi um dos investigados. “Já me aconteceu isso e eu ganhei todos na época do Banestado”, encerrou.

    https://diariodonordeste.verdesmares.com.br/editorias/politica/online/procurador-aposentado-da-lava-jato-nega-dialogos-com-moro-e-diz-que-pedira-indenizacao-na-justica-1.2111899

  4. Queda de general não tem nada a ver com a Terra pRana ou com o astrólogo ter razão. Tem a ver com a “ração” mensal de R$ 400 mil que o FIOFÓsofo pretende “terrapRanar” do Erário para suas FIOFÓsofices.

    Santos Cruz bloqueou dinheiro para Olavo → https://arepublica.com.br/politica/santos-cruz-bloqueou-dinheiro-para-olavo

    Militares com assento no Palácio do Planalto afirmam que o ex-ministro Carlos Alberto Santos Cruz, demitido da Secretaria de Governo, vinha recebendo pressão cada vez maior de Carlos Bolsonaro. Segundo essas fontes, na primeira reunião de Cruz com Fábio Wajngarten, secretário de Comunicação da Presidência (Secom), próximo de Carlos Bolsonaro, este apresentou ao ministro o projeto de pagar 320 mil reais por mês ao escritor Olavo de Carvalho para que ele tivesse um programa de TV veiculado na EBC, TV Escola e em plataformas digitais do governo. Além disso, Wajgarten propôs a Cruz colocar um olavista em cada uma das secretarias de comunicação dos ministérios. Cruz disse não.
    A ideia foi reapresentada uma segunda vez. O valor passou de 400 mil. Cruz disse não, de novo.
    O confronto com Olavo e a recusa a ceder dinheiro ou emprego ao escritor e seus seguidores foi a onda que se avolumou contra o ministro, tornando-se um problema para o presidente Jair Bolsonaro, que o tem como um amigo. “Foi um momento constrangedor para nós”, disse ele. “O governo segue aberto, mas [ele] não demonstrou interesse [em continuar].”
    Embora seja militar, Cruz não estava no governo na cota dos militares, e sim na do próprio Bolsonaro, de quem é próximo desde que o defendeu na sua exclusão da ativa, quando o hoje presidente ainda era capitão. Por essa proximidade, Cruz era dos poucos que, dentro do governo, acreditava ter cacife para confrontar o presidente e impedir erros – incluindo o avanço do olavismo.
    PETISTAS PRESERVADOS

    Outra crítica que se ouvia dentro do governo a respeito de Cruz era o fato de que ele tinha travado todas as contratações. O governo tem 22 mil cargos comissionados, isto é, nos quais pode mexer, por não se tratarem de funcionários de carreira. Esses cargos continuam a ser ocupados por gente que entrou com o PT. Foram conservados pelo presidente Michel Temer, em troca de passagem para os projetos do governo no Congresso.
    Com isso, o governo federal continuou e continua aparelhado pelo PT e partidos de suporte ao governo Dilma Rousseff. O ministro da casa Civil, Onyx Lorenzoni, optou por demitir num único dia, no início do governo, todos os comissionados dentro de sua pasta. Já Cruz decidiu mantê-los – e observar a “prata da casa”.
    Na prática, além de manter no governo gente que Bolsonaro se propunha a trocar, Cruz acabou se tornando um empecilho para a negociação de cargos com o Congresso, que tanto Onyx quanto Bolsonaro pretendem soltar, para facilitar o trâmite das reformas. Embora o governo não admita publicamente, é uma concessão feita ao que Bolsonaro chamou de “velha política”, para poder avançar com as medidas sem as quais o governo permanecerá paralisado.
    Enquanto Cruz relutava em reocupar cargos, os filhos de Bolsonaro e o ministro da Economia, Paulo Guedes, passaram a indicar nomes e foram ocupando o espaço político que lhe caberia. A trégua pública que Bolsonaro pediu a Olavo de Carvalho durou pouco.
    Cruz saiu do posto sem comentários públicos contra o presidente. Escreveu uma carta pública de agradecimento a Bolsonaro (“saúde, felicidade e sucesso”). Contudo, queixou-se a gente mais próxima da pressão do olavismo e da troca ideológica na administração, que lhe pareceu uma tendência inevitável, mas com a qual não podia concordar.
    Para o lugar de Cruz, Bolsonaro já apontou o general Luiz Eduardo Ramos Baptista Pereira, comandante militar do Sudeste. A nomeação de um oficial da ativa significa que o presidente não quer fazer parecer que os militares estão abandonando seu governo. A troca seria, dessa forma, uma mera reposição.
    Resta saber como o novo ministro da Secretaria de Governo lidará com as pressões que Cruz já vinha recebendo, em especial de Carlos Bolsonaro, cuja ação já havia colocado por terra outro ministro, antes de Cruz: Gustavo Bebianno, da Secretaria Geral da Presidência. Sem mencionar o próprio Olavo, que no governo Bolsonaro parece ser como o bambu do provérbio chinês: dobra-se ao vento, mas não quebra – volta a ficar em pé.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome