Geografia é Deus, matemática é Deus, história é Deus: MEC tem nova secretária no nível Damares

"As declarações de Iolene seriam pitorescas se não fossem catastróficas, e se não representassem tão vivamente o fundamentalismo religioso e a abissal ignorância que se vê em tantos setores e níveis do governo", escreveu Cora Rónai após assistir a um vídeo com a secretária executiva do MEC

Jornal GGN – O Ministério da Educação ganhou uma nova secretária executiva de encher a pastora Damares Alves de orgulho. Iolene Lima é também a protagonista de um vídeo que percorre as redes sociais nos últimos dias, no qual ela diz que o ensino escolar deve ser dado aos alunos sob a ótica cristã.

Isso significa que as crianças devem aprender que “Deus foi o maior matemático”, que a geografia é Deus. O clima é Deus. A história é Deus. Os livros de ciência? Precisam ser reescritos para que Deus caiba em todas as coisas.

“Não encontro palavras publicáveis para descrever minha reação ao vídeo da senhora Iolene”, escreveu Cora Rónai, em O Globo, após assistir Iolene.

Segundo Ionele:

“Uma educação baseada em princípios é uma educação baseada na palavra de Deus. Onde a geografia, onde a história, a matemática vai ser vista sobre a ótica de Deus, numa cosmovisão cristã. Então o aluno vai aprender que o autor da história é Deus. O realizador da geografia é Deus. Deus fez as planícies, Deus fez os relevos, Deus fez o clima. O maior matemático foi Deus. Ele começa a palavra lá em Gênesis, no primeiro dia, no segundo dia, no terceiro dia… Então para os alunos, por exemplo os menores, de primeiro ano, todo o contato que eles têm com a matemática já é no Livro de Gênesis. Então é toda a disciplina do currículo escolar organizada sobre a ótica das escrituras.”

“As declarações de Iolene seriam pitorescas se não fossem catastróficas, e se não representassem tão vivamente o fundamentalismo religioso e a abissal ignorância que se vê em tantos setores e níveis do governo.”

Rónai ainda lembrou que Iolene talvez não seja chancelada pela Casa Civil de Bolsonaro. Mas o que assusta mesmo não é o posto que ocupa, mas o fato de que já trabalha no MEC desde janeiro, como “como diretora de capacitação técnica, pedagógica e de gestão de profissionais na Secretaria de Educação Básica.”

Leia mais aqui.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora