Guedes liga novo auxílio emergencial a calamidade pública

Extensão seria mais “focalizada” e atenderia menos da metade das 67,9 milhões de pessoas que receberam o benefício em 2020

Ministro da Economia, Paulo Guedes FOTO: EDU ANDRADE/Ascom/ME (via fotospublicas.com)

Jornal GGN – O ministro da Economia, Paulo Guedes, ligou uma nova rodada de pagamento do auxílio emergencial a um novo estado de calamidade pública, e que o valor esteja enquadrado no orçamento federal.

Guedes reuniu-se nesta quinta-feira (04/02) com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco. Segundo a Agência Brasil, o ministro afirmou que a extensão seria mais “focalizada” e atenderia 32 milhões de pessoas, menos da metade dos 67,9 milhões contemplados com a ajuda financeira em 2020.

“É possível. Nós temos como orçamentar isso, desde que seja dentro de um novo marco fiscal. Se o Congresso aciona o estado de calamidade, temos condição de reagir rapidamente. Mas é muito importante que seja dentro de um quadro de recuperação das finanças. Estamos preparados para fazer as coisas dentro das proporções”, declarou Guedes.

Dentre os critérios usados para chegar nos 32 milhões, Guedes excluiu os inscritos no programa Bolsa Família e se concentraria apenas nos cidadãos que não são atendidos por nenhum programa social. Além disso, a recriação do auxílio deverá ter previsões de recursos no orçamento, com o remanejamento de outras despesas e com a ativação do estado de calamidade.

 

Leia Também
“Tem gente que só tem R$ 14 mil para sobreviver”, diz Bolsonaro
Guedes dá “condição” ao Congresso para pagar metade do auxílio emergencial à população
Com alta da inflação e sem auxílio, famílias cortam itens essenciais da alimentação

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome