Independência do Banco Central sugerida por Guedes é “em relação a quem?”, questiona Haddad

Haddad usa o lobby para exemplificar as controvérsias da medida do ministro da economia de Bolsonaro

Reprodução

Jornal GGN – A mudança estrutural proposta pelo ministro da Economia de Bolsonaro, Paulo Guedes, a independência do Banco Central é questionada pelo político e professor, Fernando Haddad, em sua coluna desta sábado, 31, publicada na Folha de S. Paulo. 

Haddad aponta que a proposta de Guedes “vai justamente ao encontro do que deseja a honrada casa de lobby que ele ataca, a Febraban”. 

Guedes, durante uma audiência pública no Congresso, sugeriu que a casa de lobby dos bancos, a Febraban, estaria financiando estudos “para favorecer o ministro fura-teto-de-gastos, seu desafeto, Rogério Marinho”. 

No entanto, Haddad lembrou que uma apuração do UOL, o tal estudo “não aponta estouro de gastos e apoia a política liberal do governo”. Sendo assim, “como se vê, o ministro da Economia está perdido”, escreveu o professor. 

Para Haddad, “a ciência política já havia notado que o lobby no Brasil é, num certo sentido, impossível” e lembrou que a modalidade “pressupõe uma diferenciação entre a esfera pública e privada que aqui não existe. À indiferenciação dessas esferas dá-se o nome de patrimonialismo, grande entrave a qualquer projeto de desenvolvimento”. 

Sendo assim, questiona sobre o Banco Central: “ independência em relação a quem?”. 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora