Japonês da Federal é condenado a pagar multa de 200 mil e perde cargo

24 pessoas, envolvidos em um esquema de facilitação de contrabando pela fronteira Brasil-Paraguai, foram condenadas na ação cível pela Operação Sucuri

Jornal GGN – O agente da Polícia Federal Newton Hinedori Ishii, mais conhecido como Japonês da Federal pelo seu trabalho na força-tarefa da Lava Jato, foi condenado de facilitar contrabando pela fronteira Brasil-Paraguai, em Foz do Iguaçu. O esquema foi revelado pela Operação Sucuri, deflagrada em 2003. Agora, o agente deve pagar de 200 mil e perder seu cargo na PF.

do Blog Luciana Pombo

Por Nalu Pombo

24 pessoas condenadas na ação cível pela Operação Sucuri

O juiz Sérgio Luis Ruivo Marques, da 1ª Vara da Justiça Federal de Foz do Iguaçu, condenou o agente da Polícia Federal (PF) Newton Hinedori Ishii, de 65 anos, conhecido como Japonês da Federal por sua atuação na Operação Lava Jato pela PF, acusado de facilitar contrabando.

Em 2003, a PF identificou 28 federais – sendo 22 deles agentes da PF, 4 servidores da Receita Federal e 2 policiais rodoviários federais – envolvidos em um esquema de facilitação de contrabando pela fronteira Brasil-Paraguai, em Foz do Iguaçu. Na Operação Sucuri, dos 28 réus, 24 foram condenados, doi foram excluídos e dois absolvidos.

O Japonês da Federal foi condenado a perder sua função na PF e a pagar uma multa civil de 40 vezes a renda média autodeclarada, perfazendo um valor de R$ 200 mil. “Há que se ressaltar que o réu Newton Hidenori Ishii é determinado, quando o assunto é cobrar propina para facilitar o contrabando/descaminho. No caso, Newton Japonês escolheu o tipo de mercadoria que aceitaria facilitar e, ainda, fixou o preço da propina a ser cobrada pela omissão na atribuição de combater o crime que lhe foi conferida pelo Estado”, diz trecho da sentença.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora