Ministério da Saúde já recebeu 45 pedidos para furar a fila da vacinação

De produtores rurais a aeronautas, categorias profissionais querem passar a frente na ordem da imunização estabelecida pelo Plano Nacional de Imunização

Foto: Reprodução

Jornal GGN – O Ministério da Saúde já recebeu 45 requerimentos para mudar a ordem da vacinação determinada pelo Plano Nacional de Imunização (PNI).

Os grupos que fizeram a solicitação são dos mais variados, como a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), a Associação dos Diabéticos e Amigos do Médio Paraíba e até o Ministério da Economia, além de personal trainers, trabalhadores dos Correios, passando por burocratas das agências de regulação e dentistas, segundo levantamento divulgado pelo jornal O Globo.

Os professores também pediram antecipação na vacinação – o PNI estabelece que eles estão na terceira etapa de vacinação, mas a demora sobre o pedido de mudança levou a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) a aumentar o lobby estadual e municipal.

Contudo, o processo não deve ser fácil: o ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou a liminar do Podemos para incluir pessoas com deficiência entre os mais prioritários, a partir de iniciativa do senador Romário (Podemos-RJ), que alegou que o objetivo não é a busca de um privilégio, mas de proteger pessoas mais vulneráveis.

 

Leia Também
A escola e a pandemia, por Dora Incontri
África do Sul suspende vacina de Oxford, por proteção limitada contra variante
“Auschwitz é para a guerra o que Manaus é para crise sanitária”, analisa Pedro Serrano

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora