Para reduzir desigualdades a reforma deveria ser outra, por Cesar Locatelli

Ao contrário de combater privilégios, a “economia” contida nessa reforma, aceita ontem pelos deputados, virá dos trabalhadores mais baixa renda

Por Cesar Locatelli

No dia seguinte a aprovação pela Câmara da reforma da Previdência, o jornal Valor Econômico traz um artigo de quatro economistas, ‘A quem interessa aumentar a desigualdade?’, o celebrado Thomas Piketty entre eles, que afirma que para reduzir desigualdades a reforma deveria ser outra.

“O Brasil discute uma reforma da previdência que tende a aumentar desigualdades, embora sua propaganda aluda ao combate de privilégios. O país também se prepara para debater uma reforma tributária de modo independente da previdência. Se a redução das desigualdades fosse finalidade das reformas, as mudanças na previdência deveriam ser outras. E ambas as reformas deveriam ser debatidas conjuntamente”, afirmam Thomas Piketty, Marc Morgan, Amory Gethin e Pedro Paulo Zahluth Bastos.

Ao contrário de combater privilégios, a “economia” contida nessa reforma, aceita ontem pelos deputados, virá dos trabalhadores mais baixa renda. Afirmam eles:

“Nas projeções do governo para a proposta original, no entanto, a suposta ‘justiça fiscal’ com o aumento das alíquotas de contribuições de funcionários públicos representa 1% da economia, enquanto 91% (R$ 4,1 trilhões em 20 anos) viria da assistência social e do regime geral, onde 90% dos aposentados recebem até 2 salários-mínimos.”

Como o debate e a votação agora se encaminha para o Senado, ainda há tempo de salvar o sistema da destruição e encaminhar uma reforma que, de fato, combata privilégios.

“Ainda é tempo de debater com honestidade como combater privilégios e reduzir desigualdades. Porém, levar adiante a reforma da previdência nos termos atuais tornaria o Brasil um exemplo mundial de como destruir um sistema solidário de previdência e aumentar a desigualdade”, concluem os economistas.

Leia também:  Incêndios já tomam quase metade das terras indígenas no Pantanal

Caro leitor do GGN, estamos em campanha solidária para financiar um documentário sobre as consequências da capitalização da Previdência na vida do povo, tomando o Chile como exemplo. Com apenas R$ 10, você ajuda a tirar esse projeto de jornalismo independente do papel. Participe: www.catarse.me/oexemplodochile

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

1 comentário

  1. Concordo plenamente. O que me aborrece é o fato de a oposição não ter apresentado uma proposta para de fato combater as desigualdades. Acho que é por causa do corporativismo. A esquerda não mexe nos privilégios da monarquia estatal.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome