Preço dos combustíveis impulsiona prévia da inflação oficial

IPCA-15 ficou em 0,30% no mês de julho, afetado pela alta de 1,11% no grupo Transportes; Vestuário e Alimentação registram queda

Jornal GGN – O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15) subiu 0,30% no mês de julho, bem acima do resultado de 0,02% registrado em junho, segundo dados divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Com o resultado, o IPCA-15 acumula alta de 0,67% e, nos últimos 12 meses, a variação acumulada foi de 2,13%, acima dos 1,92% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores. Em julho de 2019, a taxa foi de 0,09%.

O destaque do período ficou com o grupo Transportes, que teve alta de 1,11% no período e exerceu o principal impacto sobre o indicador. O avanço foi puxado pela alta da gasolina (4,47%), que interrompeu quatro meses consecutivos de queda.

Os preços de outros combustíveis também subiram no período: o etanol subiu 4,92%; o óleo diesel, 2,50% e o gás veicular, 0,01%. No geral, a alta dos combustíveis chegou a 4,40%. Dentro do grupo Transportes, também houve aumento nas tarifas de metrô (2%). Por outro lado, o transporte por aplicativo (-11,98%) e as passagens aéreas (-4,16%) ficaram mais baratos.

Já os custos em casa (Habitação) ficaram mais altos (0,50%) por conta do aumento das tarifas de energia elétrica (1,03%) em seis regiões metropolitanas, variando de 0,28% em Porto Alegre até 5,15% em Fortaleza. Além disso, a taxa de água e esgoto subiu 0,13%. Porém, o gás encanado caiu 0,08%.

O grupo Vestuário apresentou o menor resultado (-0,91%) e o impacto negativo mais intenso (-0,04 ponto percentual) em julho. Tanto as roupas femininas (-1,32%) quanto as masculinas (-1,18%) e as infantis (-0,59%) e, ainda, os calçados e acessórios (-0,88%) tiveram queda.

O grupo Alimentação e bebidas apresentou queda de -0,13% em julho, interrompendo quatro meses de altas. A alimentação no domicílio caiu 0,20%, influenciada pela redução nos preços de alguns tubérculos, raízes e legumes (-15,76%), como o tomate (-22,75%), a batata-inglesa (-20,70%), a cenoura (-18,60%) e a cebola (-7,09%).

Leia também:  "Recuperamos a democracia na Bolivia", diz Luiz Arce, provável vencedor das eleições

Além disso, o frango inteiro (-1,22%) e o ovo de galinha (-1,82%) registraram quedas mais intensas na comparação com junho (-0,67% e -0,68%, respectivamente). No lado das altas, os destaques foram o leite longa vida (3,61%), o arroz (2,58%) e as carnes (2,20%).

A alimentação fora do domicílio (0,03%) desacelerou em relação ao resultado de junho (0,26%). Enquanto o lanche passou de 0,82% para 0,20%, a refeição ficou praticamente estável, passando de 0,00% em junho para alta de 0,02% no IPCA-15 de julho.

 

Leia Também
Brasil deve investir mais e melhor na saúde, diz diretor da OCDE
Coluna Econômica: as discussões bizantinas em torno da reforma fiscal
Reforma Tributária de Guedes fará pobre pagar mais imposto do que rico
Por um programa de garantia de empregos no Brasil

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome