Sem título

Aonde iria dar, em algum louco?

Em algum misógino? Em um fantasma delirante?

Em um alucinado amante? ou, pior, em um gozador?

Ou em um cético contaminado

pelas libações da Internet,

(como aquele médico pirado de Floripa,

que exercitou as armas da conquista…

E, depois, simulou a própria morte,

deixando-a perdida entre o real e a fantasia).

E o que viu a deixou mais intrigada.

Quem era aquele desbocado

que inesperadamente

lhe fazia confidências doloridas?

que usava as mensagens reservadas,

não para corte ou cantadas,

ou trepadas virtuais em malcomidas,

mas para confissões de vida?

Aceitou de pronto a proposta.

E, montando em conjunto a conspirata,

criou-se total cumplicidade,

entre os dois tipos mais trocistas da sala.

Primeiro, matricular-se no curso de inglês

onde a mulher preenchia sua vida vazia

dando aulas comedidas.

Depois, insinuar-se junto a ela,

falar dessa nova invenção que

permitia

a quem buscava, encontrar,

ao romântico, romancear,

ao incuravelmente travado

destravar a declaração reprimida.

(continua)

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora