STF também pediu ao Instituto Butantan reserva de vacinas contra a Covid-19

Corte fez o mesmo pedido à Fiocruz. Em ambos oficios, tribunal solicita 7 mil doses dos imunizantes, antecipadamente, para os servidores da casa e do CNJ 

Foto: AFP

Jornal GGN – O Supremo Tribunal Federal (STF) também recorreu ao instituto Butantan para “reserva” de 7 mil doses da vacina contra a Covid-19, a Coronavac, desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac. A Corte fez o mesmo pedido à Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), só que relacionado ao imunizante desenvolvido pela farmacêutica europeia AstraZeneca.

Nos documentos, o STF busca garantir antecipadamente os imunizantes contra a covid-19 para os servidores da Corte e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). 

Segundo informações da Folha de S. Paulo, o ofício foi enviado ao diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, no mesmo dia em que também foi encaminhado pedido à Fiocruz, em 30 de novembro. O número de doses solicitadas é o mesmo. 

De acordo com a reportagem, o tribunal alega nos ofícios que os trabalhadores de ambas as casas “desempenham papel fundamental no país e têm entre suas autoridades e colaboradores uma parcela considerável de pessoas classificadas em grupos de risco”.

Além disso, a Corte diz que a realização da campanha pelos seus servidores seria uma forma “de contribuir com o país nesse momento tão crítico da nossa história, pois ajudará a acelerar o processo de imunização da população e permitirá a destinação de equipamentos públicos de saúde para outras pessoas, colaborando assim com a Política Nacional de Imunização”.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

4 comentários

  1. As vezes nos perguntamos como o corpo da justiça se deixou envolver nesse jogo sujo de destaque e poder. A vaidade indisfarçável mais algumas ambições incompatíveis com ordenamento jurídico deve ter abalado e transformado seu conceito de confiança e credibilidade. Dai, quem já foi exemplo de correção e hoje se vê decaindo de forma irreconhecível precisaria reagir e se provar para nação. Porém, não demora muito e … mais outra bomba é explodida por um de seus próprios órgãos, como de costume. Tá ficando repetitivo e inconveniente.

  2. No país em que os idiotas perderam a vergonha de serem idiotas (Kakay), os pequenos déspotas e os áulicos que os rodeiam seguem igual caminho. Impressiona como o atraso da sociedade no traz termos em desuso, arcaicos e anacrônicos, mas, sempre a mão quando pedidos. A linguagem anda de mãos dadas com a prática social se mostrando atemporal?
    Afinal, nada mais preciso do que déspota e áulico para descrever algumas pessoas hoje.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome