Trump demite John Bolton, assessor de Segurança Nacional dos EUA

Saída de Bolton vem em meio a tentativas do presidente norte-americano de buscar 'aberturas diplomáticas' com a Coreia do Norte e o Irã

John Bolton | Foto: Gage Skidmore/ Flickr

do Opera Mundi

Trump demite John Bolton, assessor de Segurança Nacional dos EUA

O presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou pelo Twitter no começo da tarde desta terça-feira (10/06) que demitiu o assessor de Segurança Nacional, John Bolton. Trump não explicou o motivo da decisão.

“Informei John Bolton na noite passada que os serviços dele não eram mais necessários na Casa Branca. Discordei fortemente de muitas de suas sugestões, assim como outros no governo, e, por isso, pedi a John sua renúncia, que foi me entregue nesta manhã. Agradeço muito a John por seu serviço. Nomearei um novo assessor de Segurança Nacional na semana que vem”, escreveu Trump.

Segundo o jornal New York Times, a saída de Bolton vem em meio a tentativas do presidente norte-americano de buscar “aberturas diplomáticas” com a Coreia do Norte e o Irã, dois países que a administração Trump entrou em conflito ao longo do mandato.

Ex-secretário de Estado e ex-embaixador dos EUA na ONU durante o mandato de George W. Bush, Bolton foi responsável por diversas políticas hostis com relação ao Oriente Médio e a América Latina durante o governo Trump.

Bolton foi responsável por interromper diversas medidas de aproximação diplomática entre EUA e Cuba, implementadas na gestão do ex-presidente Barack Obama. Durante sua administração, o governo norte-americano ainda ativou o título III da lei Helms-Burton, endurecendo o bloqueio contra Cuba e a tentativa de asfixiar a economia cubana.

A intervenção do assessor na América Latina também foi flagrante na Venezuela, quando Bolton empenhou seus esforços no apoio ao deputado de direita Juan Guaidó e o plano golpista de sua autoproclamação como presidente interino do país.

Ainda de acordo com o New York Times, Trump ficou “desencantado” com as falhas de Bolton na derrubada do presidente venezuelano Nicolás Maduro. Parte da oposição venezuelana, apoiada por Washington, realizou diversas tentativas ilegais para corromper militares do Exército venezuelano e incitar um golpe de Estado contra Maduro, todas fracassadas.

Irã e Coreia do Norte

Leia também:  “Gente estranha tirou a vida do meu pai”, diz Aikyry Wajãpi

Tensões entre as visões de Bolton e Trump com relação ao governo iraniano e a Coreia do Norte marcaram a gestão do agora ex-assessor de Segurança Nacional.

Outro episódio evidenciando um conflito de posturas foi quando o presidente norte-americano contrariou a posição de Bolton e disse que os EUA não buscavam uma “mudança de regime” no Irã.

Encontro com Bolsonaro

Em novembro, o presidente Jair Bolsonaro recebeu John Bolton em sua casa no Rio de Janeiro. O encontro do então presidente eleito com o assessor de Trump ficou marcado pela continência que Bolsonaro prestou a Bolton.

Após a reunião, Bolton disse ter apreciado “a discussão ampla e muito produtiva com o presidente eleito do Brasil Bolsonaro e sua equipe de segurança nacional”.

O GGN prepara uma série de vídeos explicando a interferência dos EUA na Lava Jato. Quer apoiar esse projeto? Acesse www.catarse.me/LavaJatoLadoB e saiba mais.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

8 comentários

  1. O Pepe Escobar está falando há meses que boa parte do problema era o John Bolton.
    Vamos ver se teremos uma mudança de rumos na política externa de Trump visando a reeleição em 2020.

  2. “Sorry, Bolton. Eu nasci escorpiao como todo o governo dos EUA. Nao estou aqui pra te TREINAR!”

    Depois Trump sorriu docemente e foi dormir…

    Zi end…”

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome