Weintraub é reeleito como diretor-executivo do Banco Mundial

Até então, Weintraub, que assumiu em julho, ocupava mandato-tampão que termina neste sábado

Abraham Weintraub afirmou que os erros no Enem não prejudicaram ninguém. Foto: Cleia Viana/Câmara dos Deputados
do Poder 360

O Banco Mundial comunicou nessa 6ª feira (30.out.2020) que o ex-ministro da Educação Abraham Weintraub foi reeleito diretor-executivo da entidade. Weintraub ocupava 1 mandato-tampão que termina neste sábado (31.out).

“O Sr. Weintraub cumprirá mandato de 2 anos, com início em 1º de novembro de 2020”, afirmou a entidade.

O ex-ministro foi reeleito pelo grupo que representa Brasil, Colômbia, República Dominicana, Equador, Haiti, Panamá, Filipinas, Suriname e Trinidad e Tobago.

Weintraub foi aprovado para o mandato-tampão em julho, 1 mês depois de deixar o Ministério da Educação. O cargo estava vago desde o início de 2020, quando o antigo ocupante, Fábio Kanczuk, passou a integrar a diretoria do Banco Central.

A entrada do ex-ministro nos EUA foi agilizada pelo Itamaraty. O ingresso de brasileiros no país está restrito por decisão do presidente norte-americano, Donald Trump. A decisão foi anunciada em 24 de maio, logo depois de o Brasil se tornar o 2º país com mais casos da covid-19 no mundo.

Weintraub teria usado seu passaporte diplomático de ministro para conseguir entrar nos EUA, o que explicaria a demora para que sua exoneração fosse oficializada. Ele anunciou sua saída do Ministério da Educação em 18 de julho, mas o ato só foi publicado no DOU (Diário Oficial da União) 2 dias depois, em 20 de julho.

Quando atuava como ministro, Weintraub estava no centro de atritos entre o Poder Executivo com o Legislativo e o Judiciário. O economista afirmou em reunião interministerial gravada em 22 de abril que, por ele, colocava esses vagabundos na cadeia, a começar pelo STF (Supremo Tribunal Federal). Por isso, é alvo de inquérito aberto pelo Supremo.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Covas tem 60% das intenções votos em São Paulo, aponta RealTime Big Data

4 comentários

  1. Quantos indícios mais seriam necessários para evidenciar que são “cooptados” à serviço?
    Têm até plano de carreira…
    Tá tudo dominado.
    É não é por nós,
    Que sequer somos “gente do bem”

  2. Penso que o que é bom para o Banco Mundial, não é bom para o Brasil. Portanto, que ele faça bom proveito do weintraub e o mantenha longe de nós.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome