Weintraub espera volta às aulas ainda este mês

Ministro da Educação de Bolsonaro completou dizendo que a medida "depende dos governadores e prefeitos"

Abraham Weintraub afirmou que os erros no Enem não prejudicaram ninguém. Foto: Cleia Viana/Câmara dos Deputados

Jornal GGN – O número de casos confirmados do novo coronavírus no Brasil sobem todos os dias, mas o ministro da Educação de Bolsonaro, Abraham Weintraub, disse pelo Twitter que espera a retomada das aulas ainda em Abril, porém a medida depende dos governadores e prefeitos. 

“Espero que ainda esse mês [aconteça a volta às aulas]. Depende dos governadores e prefeitos”, escreveu Weintraub, em resposta a uma seguidora. 

Desde a última semana, as aulas em escolas e universidades públicas e privadas estão suspensas em diversos estados, como medida de contenção contra a transmissão do Covid-19. 

O chefe de Weintraub, Jair Bolsonaro, vem tratando a pandemia como uma simples “gripezinha”, que já infectou 6.836 pessoas e deixou 240 no país, de acordo com os últimos dados do Ministério da Saúde. 

No dia 24 de março, durante pronunciamento para todo Brasil, Bolsonaro criticou a suspensão das aulas, defendendo o isolamento “vertical”, situação em que somente os idosos e doentes deixariam de sair às ruas, ignorando que crianças e jovens assintomáticos podem ser os principais possíveis transmissores do vírus. 

Até então, Weintraub vinha defendendo a paralisação das aulas.

Menos dias, mais trabalho

Bolsonaro assinou hoje, 1 de abril, a medida provisória que suspende a obrigatoriedade de escolas e universidades cumprirem a quantidade mínima de dias letivos em 2020, informou o G1. 

Entretanto, a carga horária mínima ainda é obrigatória. Neste cenário, as instituições de ensino vão ter que cumprir a carga horária em uma quantidade menor de dias. A MP não explica como isso deve acontecer na prática. 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Novo protocolo da cloroquina dificulta processos de pesquisas sobre a droga

2 comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome