Xadrez dos ensaios do próximo jogo político, por Luis Nassif

Os novos atores políticos sairão dessa guerra contra o coronavirus.

Peça 1 – o bolsonarismo

O cientista político Leonardo Avrizter sintetizou bem como o coronavirus colocou em crise três pilares do pensamento olavista:

  1. Repulsa ao pensamento científico. A ciência assume o protagonismo nessa guerra.
  2. Repulsa ao Estado e às instituições. Máquina do Estado, Congresso, Supremo e Forças Armadas se tornam únicas garantias contra loucuras de Bolsonaro.
  3. Racha na direita, com o isolamento da ultradireita bolsonarista.

Bolsonaro está interditado, mas ainda é o Presidente. Durante o dia, manteve várias reuniões com lideranças do centrão, tentando recompor sua base de apoio. No pronunciamento previsto para esta noite se saberá melhor até onde irá seu recuo.

Há apenas uma certeza: vai durar pouco tempo. O único ponto previsível nessa crise é o padrão de desequilíbrio de Bolsonaro, tão inteligente e previsível quanto um touro ante um pano vermelho.

De qualquer modo, seu futuro depende de outros fatores, da progressão de seu nível de desequilíbrio e das condições para a montagem de um pacto de governabilidade.

O candidato natural a ocupar o espaço da ultradireita é o anódino Ministro da Justiça Sérgio Moro, incapaz de avançar em qualquer ideia além dos autos e das delações premiadas.

Peça 2 – os novos personagens

Os novos atores políticos sairão dessa guerra contra o coronavirus.

A vulnerabilidade exposta pela pandemia chamou a atenção para os riscos enormes de se persistir no irracionalismo e na polarização política. Por isso mesmo, todos os novos atores ensaiam uma corrida para o centro.

De imediato há dois grupos de candidatos: os agentes de saúde e os governadores.

Leia também:  Governo manda a polícia para tomar as chaves da Cinemateca

Do lado da Saúde, o candidato óbvio é o Ministro Luiz Fernando Mandetta, apesar de sua biografia política de baixíssimo nível – inclusive, antes do coronavirus, acatando maluquices bolsonaristas, como as de que os médicos cubanos iriam incentivar a guerrilha no país. Cresceu na pandemia pela cabeça organizada e pela capacidade de dialogar com todos os setores. Ou seja, por ter caminhado para o centro.

Não se pode perder de vista o crescimento político do presidente da Câmara Rodrigo Maia.

Entre os governadores há dois tipos de disputa, pela direita e pela esquerda, ambos convergindo para o centro.

Pela direita, o lance mais bem-sucedido até agora foi do governador paulista João Doria Jr., aproveitando o momento para tentar repaginar sua imagem original, extremamente agressiva e preconceituosa.

Agora, tem-se comportado como o comandante em chefe da guerra contra o coronavirus, inclusive manifestando preocupações – por enquanto, retóricas – com os mais vulneráveis, e cometendo gentilezas até com Lula.

É inegável que as próximas pesquisas de opinião mostrarão uma redução nos seus índices de rejeição. Aliás, os comentários de alguns colunistas, sobre a reação negativa que seu gesto teria provocado nos antigos quadros do PSDB, traz o impensável: Dória se tornando mais liberal que os filhos de José Serra e Geraldo Alckmin. Alguns analistas ainda não perceberam que a guerra fria acabou – só se mantem no front bolsonarista –  e já teve início uma política de détente.

Há movimentos também do governador do Rio de Janeiro Wilson Witzel em direção ao centro. Mas este se queimou definitivamente com sua política genocida de “acertar na cabecinha”. E a imagem dele ao lado de partidários arrebentando a placa com o nome de Marielle o perseguirá por toda sua vida política.

Do lado esquerdo, pontificam os governadores do Nordeste, com maior visibilidade para Flávio Dino, do Maranhão, e Rui Costa, da Bahia, com uma fantástica renovação dos hábitos políticos a partir das realizações do consórcio do Nordeste.

Leia também:  Vídeo: Movimento negro, candidatura coletiva e feminismo para os 99%, com Paula Nunes

Peça 3 – as novas bandeiras

O coringavirus radicalizará dois movimentos opostos: o irracionalismo vs o planejamento, especialmente quando sobrevier a depressão econômica prevista.

A ultradireita jogará com a superstição, agindo como vendedores de bíblias e de elixires mágicos.

O lado racional do país trabalhará com algumas ideias síntese essenciais:

A mudança no conceito de segurança nacional

Setores como energia, complexo econômico da saúde, propriedade de terras passarão a ser tratados como prioridade no conceito de segurança nacional.

Todos os passos de políticas públicas, daqui para frente, serão analisados sob a ótica da segurança nacional.

Os programas de C&T (ciência e tecnologia) ganharão novo impulso, mais focado nos setores estratégicos. O mesmo ocorrerá com a indústria de defesa e os institutos militares, com as Forças Armadas recuperando um pensamento estratégico totalmente abandonado nas últimas décadas.

As Forças Armadas que, nos últimos anos perderam qualquer veleidade estratégica, rendendo-se a um neoliberalismo de Globonews, irão rever seus procedimentos. Haverá novas prioridades para os institutos militares e a indústria de defesa.

Acaba, assim, a aventura inconsequente da tentativa de privatização da Eletrobras. E ficará exposta a irresponsabilidade do desmanche da Petrobras e da liquidação da indústria naval, perpetrado na gestão Pedro Parente.

A volta das políticas sociais

O SUS passa a ser visto com outros olhos e será reforçado. Mas a recuperação das políticas sociais dependerá dos resultados eleitorais e da eventual vitória de um candidato de centro-esquerda.

Há uma herança invencível brasileira, de incapacidade de entender que a redução da desigualdade é peça central para a construção de um país moderno.

Leia também:  Manchetes dos jornais da Europa

O conceito de consórcio e de parceria

Daqui a algum tempo, o conceito de consórcio estadual e municipal e de parcerias suprapartidárias e intersetoriais serão ideias centrais na reconstrução econômica do país.

As lições do consórcio do Nordeste é o que há de mais estimulante em reconstrução do pacto federativo.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

31 comentários

    • Eu tbm, não vejo futuro para o Brasil. Quando essa crise terminar voltaremos para o normal bolsonarista. O consórcio nordeste não resistirá as investidas do poder judiciário, quando aparecerem as primeiras inregularidades.

      15
      1
    • Otimismo? Que nos leve para o centro? Qual é o centro da política brasileira? O MDB? Uai, se Lula e Dilma com aquele pacto meia-boca de distribuição acanhada já foram escorraçados, onde é que fica o centro?
      Centro é uma ilusão, meus caros, só isso. É o nome que se dá para manter a direita no poder, ou apear a esquerda quando ela ganha eleição.
      O centro no Brasil só pende para um lado.

      20
  1. Hoje, no site do estadão, o CEO do Bradesco disse que novos ajustes terão que ser feitos após a pandemia e que existe uma boma fiscal sendo armada para após 2020, ou seja, a aliança grande burguesia/mídia jogará todo o seu peso no aprofundamento do programa econômico que desde 2015 tanto sofrimento causa ao povo trabalhador. Portanto, considero esse xadrez como uma expressão de desejo – que também é meu -, mas, infelizmente, a realidade será muito mais dura, inclusive com riscos graves de retrocessos. Independente do que será feito com o governo Bolsonaro.

    24
  2. Segundo declaração novinha de Mandetta “quem comanda esse time é Jair Bolsonaro”. Em outras palavras: vai dar m….. Portanto, o técnico é que será o culpado.

    13
    1
  3. O Nassif é incorrigível.
    Sonhador a mais não querer e o pior que faz questão de desconhecer que o cerne da questão depois do corona vírus irá se agudizar ainda mais dado que será a chance do capital se sobrepor a todos os demais agentes econômicos.
    É da natureza dele, Nassif (escorpião)!!!

    14
    1
  4. a Parte 3 me parece puro sonho, desejo.

    Continuará a pressão neoliberal neoescravocrata no Brasil. Pressão que aliás não foi suspensa durante a pandemia.. vide ações de Guedes, que não sofreram a devida crítica nem da Globo e nem De Stadao e Folha.

    Com o aumento da dívida pública esse ano, em 2021 em diante virão com sanha ainda maior de ajuste fiscal, destruindo de vez a ciência e os serviços públicos.

    O que pode barrar isso, como será, é só uma reorganização da classe trabalhadora.

    Não é uma pandemia que faz neoliberais deixarem de sê-lo, mas a obstrução das lutas sociais e da hegemonia delas na sociedade.

    21
  5. Nassif, esse cenário otimista que você desenha não está consolidado. Ele somente será implementado se as forças “nacional-desenvolvimentistas” conseguirem se impor frente aos interesses do capital internacional aliado com o mercado financeiro nacional e a Globo News e cia.

    Para dar uma ideia, veja a opinião de Ian Bremmer, presidente e fundador da Eurasia Group: “seu governo [de Bolsonaro] reunia condições para realizar as maiores reformas econômicas do mercado emergente nos últimos anos”.

    Vou repetir: “as maiores reformas econômicas do mercado emergente nos últimos anos”.

    O que ele quer dizer com isso?

    Privatizações, fim da previdência pública, fim das leis trabalhistas. Ou seja, vender barato o Brasil e reduzir o custo do trabalho, transformando seu povo numa massa de miseráveis que vão trabalhar a qualquer preço e quanto for preciso para não morrerem de fome.

    Depois, ele observa, numa linha de raciocínio parecida com a análise desse Xadrez: “Quando confrontado com o coronavírus, porém, sua ação foi desastrosa.”

    Em resumo, embora ele reconheça a insensatez do Presidente, ele não deixa de defender o que ainda está no seu horizonte, brilhando como um diamante: “as maiores reformas econômicas do mercado emergente nos últimos anos”!

    A ganância humana não tem limites e há uma aliança dominante entre a elite local e os interesses internacionais. E isso não será mudado pela boa vontade dessas forças dominantes.

    Para transformar o país é necessário um novo arranjo interno entre pequenos e médio empresários, agricultores, burocratas (civis e militares) e trabalhadores, que seja capaz de enfrentar a aliança hegemônica do grande capital nacional, fortemente dominado pelo setor financeiro e agroexportador, e o capital internacional.

    E a primeira etapa dessa mudança, como intuiu o velho Brizola, passa pelo enfrentamento das “cabeças pensantes” do Brasil, ou seja, os grandes meios de comunicação. Desde Chateaubriand, passando pelos Frias, Marinhos e Civita, e Edir Macedo, etc., são eles que defendem de forma indireta e muito eficiente essa aliança dominante e espúria.

    Enfim, somente rompendo com o oligopólio midiático será possível construir o ideário de uma aliança “nacional-desenvolvimentista”.

    19
    1
    • Excelente.
      Li a reportagem do tal Ian Bremmer e tive a mesma sensação.
      Querem chupar tudo dos pobres.
      Ontem acabaram com o PIS/PASEP.

  6. Nassif, de onde tirou que os militares vão mudar de posição, se foram eles que criaram as condições disso que está ai (ou esqueceu do tweet do Villas Boas ameaçando o STF se Lula fosse solto?)?

    Ao meu ver Jackes Wagner cometeu um grande erro não tendo sido ele o candidato (no lugar de Haddad, que apesar de ótimo quadro, não tinha tanta visibilidade quanto Wagner). RC pode governar bem, mas a queima de arquivo de Adriano ocorrida na Bahia é uma mácula difícil. Gostaria muito que fosse Dino a opção da esquerda, mas no “Movimento65” acho difícil. Lula diz que não mas desmascarado o viés de Moro, anulada a condenação do triplex, talvez fosse o único nome que unisse a esquerda com condições, mas voltaríamos ao problema de 2018, polarização com o anti-petismo. E também a idade do Lula.

    A direita parece melhor posicionada dessa vez, depois de 14 anos fora do poder já se recompôs.

    12
    1
    • Caro Bruno Cabral, Flávio Dino é filiado ao PARTIDO COMUNISTA DO BRASIL (PC do B). Movimento 65 não é um partido político, é uma providência tática para as eleições deste ano, tendo em a anti-democrática lei eleitoral (Proibição de coligações proporcionais e cláusula de barreira).

      • Eu sei que ele é do partido comunista, meu caro, o movimento 65 e a aposentadoria da bandeira vermelha e da foice e do martelo é un beta teste pra ver se deixa de assustar o povo que ainda acha que comunista come criancinha e vai tomar o pouco que a pessoa tem (embora quem faça isso sejam os bancos e o capitalismo)

        Meu ponto é, ele ganha estando num partido comunista?

  7. Creio que a adoção do neokeynesianismo por parte dos principais “analistas” econômicos de plantão é algo momentâneo, um “resfriadinho” que passará tão logo a Covid-19 for debelada. Daí em diante voltarão ao clássico receituário neoliberal.
    Mas me parece que a revisão do pacto federativo também entra nesse xadrez.
    Essa pandemia provou os perigos de termos um governo central forte entregue às mãos de um sujeito desprovido de qualquer capacidade de gerenciar um Estado complexo como o Brasil. Nesse ponto os governadores ao perceberem a inação do governo federal tomaram a dianteira no combate a Covid-19 suspendendo aulas, impondo o isolamento social, preparando hospitais de campanha etc. Porém, tudo isso à revelia de Brasília que surgiu apenas com o discurso de ajuda financeira e material e ainda tendo que aturar o presidente da República atuando no sentido contrário. Com certeza a classe política e sociedade, após essa percepção trará um amplo debate sobre o federalismo e nosso pacto federativo.
    Aí aparecem dois problemas principais:
    1) vivemos num país com enormes desigualdades regionais e apenas o governo central é capaz de aplicar políticas públicas a fim de reduzir essas desigualdades;
    2) correríamos o risco de ver ressurgir as oligarquias regionais; se hoje as diversas assembleias estaduais, com raríssimas exceções, são dominadas pelo fisiologismo com um diminuto bloco de oposição sufocado; se hoje a Justiça e o MP nos estados mostram conivência com os mandatários de plantão; se hoje praticamente inexiste imprensa regional independente e imparcial quando essa se abastece de favores políticos; não é difícil imaginar como ficariam todas essas instituições com um executivo estadual robustecido numa eventual repactuação federativa.
    Isso quer dizer não deveríamos debater um novo pacto federativo? Pois bem, para iniciar esse debate antes seria mais correto criarmos um grande fundo nacional de combate à desigualdade regional. Temos, ou tínhamos no FUNDEB um bom modelo ou para usarmos um outro modelo e ponto de partida – guardadas as devidas proporções – o Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional.
    Provavelmente para avançarmos no debate, teríamos que voltar o outro debate inconcluso, a Reforma do Judiciário e um MP que não se furte de atuar, mas com limites claros estabelecidos.
    Tudo isso só pra ficarmos no começo de conversa.

  8. O nome do cientista deve ser Leonardo Avritzer, certo? Nassif, seu otimismo continua firme, mas acho que os abutres vão lutar por mais concentração de renda, e a parte civilizada não terá força para o enfrentamento, especialmente nesta era de desemprego avassalador.

  9. O cenário pós covid-19?
    Menos humano, mais Inteligência Artificial.
    A “conquista” do fruto proibido abrâmico.
    A humanidade precisa de uma nova cosmovisão para vencer a civilização.

  10. Um belo texto de wishfull thinking. E só.

    “(…)A vulnerabilidade exposta pela pandemia chamou a atenção para os riscos enormes de se persistir no irracionalismo e na polarização política. Por isso mesmo, todos os novos atores ensaiam uma corrida para o centro.(…)”

    Ui, confundir irracionalismo e polarização política é de doer. Espero que tenha sido apenas um erro mesmo!

    Torcer por uma saída de centro é sempre uma opção política legítima. No entanto, essa torcida não pode sacrificar a coerência.

    Se trazido à luz daquilo que se convencionou como direita e esquerda, e seus extremos, o Brasil de Lula e Dilma nunca foi e nunca poderá ser considerado, nem palidamente, um país governado por um grupo político que pudesse angariar ou empurrar o cenário político para extremo ou polarização.

    Lembremos que foi em 2003 que Lula começou a agradar o mercado com Palocci, e com a reforma da previdência.
    Todas as concessões foram feitas, desde a mídia corporativa até as alianças ao chamado (e adorado por Nassif) “centro” político nacional.
    Lula e Dilma fizeram um governo ao gosto da banca e das elites, tentando pactuar com os pobres com um pouquinho de inclusão.

    Sim, eu sei, nesse país de extrema desigualdade, tentar trazer as vítimas da desigualdade para o “centro” pode ser um ato “revolucionário”.
    Mas não foi o caso. O pedacinho de bolo dividido nem fez cócegas no status quo.

    É bom lembrar ao Nassif que “centro” no Brasil sempre significou ou o pior da política nacional (no campo da apropriação do Estado pelas privatarias), ou a tendência a acordos “deixa-disso”, que alimentaram, dentre outras coisas, a nefasta Lei de Anistia.

    Foi a ideia de centro que matou as eleições diretas em 82, por exemplo, e impediu que esses gorilas apodrecessem nas prisões, como deveriam, ao invés de terem voltado a cena!!!

    Foi o centro (centrão) que anulou toda e qualquer eficácia de leis que avançassem nos direitos constitucionais sociais.

    O que Nassif chama de polarização foi a mais cruel e covarde perseguição política promovida pelo Judiciário, mídia e pelos interesses geopolíticos dos EUA, que jogou em um canto da política do país um grupo político que só reagiu e tentou demarcar um contorno para não desaparecer.

    Como podem existir dois pólos se há tanta desigualdade entre eles? Como chamar isso de extremos?

    Impossível.

    Ah sim, um extremamente forte e hegemônico (a direita) e outro extremamente acuado e destroçado (a esquerda).

    E segue Nassif na ideia fixa de “centro”.

    Qual governador está indo para o “centro”? Dória? Só porque respondeu com um aceno a uma declaração, essa sim, magnânima de Lula em sua direção?
    Como anda a agende política dele, e sua política de segurança?
    Será que só Witzel tem culpa nesse cartório, ou é uma questão de bairrismo nassifiano mesmo?

    O que se sabe dos outros governadores, como os do Nordeste, se a mídia os eclipsa?

    O que se sabe da chamada esquerda? Quem a vê na TV ou em outro lugar?

    Corrida para o centro? Com Braga Neto pilotando o Bozo?

    Mandetta, centro? O vampiro do SUS que agora pede transfusão de sangue para o semimorto sistema?

    Que centro? Maia, o Botafogo, que o próprio Nassif desvendou a articulação para faturar uns caraminguás com o golpe das debêntures e o “orçamento de guerra”?

    O único centro que a direita enxerga é o próprio umbigo Nassif.
    Para encerrar, eu pergunto:

    Em que fase da História da Humanidade, uma crise, uma pandemia, uma guerra foi resolvida pelo “centro”?

    A História se moveu pelos “centros”?

    Quando? Em 2017?
    Em Cuba em 1959?
    Na China?
    No New Deal?

    Nassif, a História é sempre a sucessão de rupturas pró-estamento e anti-estamento, meu caro. O centro é água empoçada.

    13
  11. Os bosonaristas tem as mídia de comunicação direta com o público são as redes sociais fortes aliados como as igrejas cristãs que mesmo fechada trabalhar com o público manipulado e ido sido a codinua nesse caminho assim resistido as outras mídias não aiterativa

  12. Nassif, e o mais recente escândalo de corrupção dos tucanos paulistas com a Ecovias?? Não tô vendo ninguém falar nada!!! Os caras confessaram que pagaram propina durante 18 anos nos governos tucanos. Se comprometeram perante a Justiça em devolver mais de meio bilhão de dinheiro roubado.

  13. Nassif, percebo você otimista. E espero com fervor que essas novas posturas sobre as quais escreve aconteçam de fato, transformando esse momento doloroso em uma aperfeiçoamento da nossa política, do Estado e de nós mesmos.
    Seu artigo é uma esperança. Torçamos para que se viabilize.
    Grande abraço

  14. Concordo com os outros comentaristas que dizem que você está sendo otimista demais, Nassif. Bolsonaro irá continuar no poder enquanto houver algo para destruir no Brasil, com o apoio incondicional dos militares e da patética e suicida “elite” brasileira.

    Dessa situação vocês só conseguem sair se começarem a pendurar golpistas pelo pescoço.

  15. Nassif, uma coisa te digo com absoluta certeza: se os militares continuarem no comando deste país, ABSOLUTAMENTE NADA do que você escreveu ou pensa que acontecerá vai se tonar realidade no futuro.
    Estas pessoas já mostraram TODA sua incompetência ao longo de nossa história, sendo para mim os principais responsáveis por toda a miséria que assola este país em todos os ângulos de análise possível.
    Portanto, se estas pessoas permanecerem lá, inclusive este maia, mandetta, dótia, witzel etc etc etc não haverá futuro para o nosso país.
    Estes só estão se aproveitando da situação, faz parte do caráter nocivo deles.
    Assim que a tempestade passar voltarão para onde sempre estiveram.
    Afirmo isto em relação a todos que neste momento estão um pouco mais palatáveis.

  16. Escrevi o comentário anterior antes de ler toda o post.
    Ao acabar a leitura tive uma certeza: Nassif, você está sonhando ou delirando.
    AS pessoas hoje no poder não têm a inteligência que você acha que tem.
    Seria ótimo ver acontecer o que você escreveu, seja feito por governo de direita ou esquerda.
    Mas não acredito que vá acontecer.
    E o nosso tempo para colocar isto em prática pode estar acabando.

  17. Só pra dar uma dica do que nos aguarda:
    A Petrobras acaba de ampliar seu PDV e lançar um novo com duração até 2023.
    A idéia é enxugar o máximo pra deixá-la bem apetitosa visando a privatização.
    Essa é a realidade que está em andamento, bem diferente desse mundo de oz sonhado pelo Nassif.

  18. Ao que vejo, o texto que tem por base o entendimento exposto de Luiz Avrizter, vê tudo caminhando para uma acomodação da política, através do famoso pacto (o pato não se discute é o povo, em particular o povo trabalhador, ou sem trabalho, que estão agora meio a meio). Tudo menos a participação dos partidos de oposição, não têm mesmo nada a ver com a questão, não é mesmo? Houvesse possibilidade, mesmo nesse caos institucional, comandado pelos golpistas de 2016, para os pactuantes referidos, o ideal seria o Mandetta, ou não seria? Calma, está ainda sendo preparado para a próxima troca de guarda que ainda sonham em realizar em 2022. Até lá, se tudo não explodir, seguram o Bozo, se este não renunciar, que diz que não praticará esse ato, mas se for o caso, aumentarão a eficiência do desgoverno com o general Hamilton Mourão. Para que esse projeto, na verdade de conciliação da direita, acomodando e reduzindo o protagonismo da extrema-direita vingue, melhor usar antolhos e desconhecer o despreparo dos projetos econômicos da direita para resolver a crise em que se meteram, levando o Brasil e seu povo, não ajuda, basta ver os indicadores econômicos de 2019, anteriores ao impacto do coronavírus no pais, este que desejam seja o culpado por suas incompetências:mais de 50 milhões de pessoas desempregadas e subempregadas, as ruas das cidades em todas as latitudes apinhadas de camelôs e “empreendedores individuais” sem nenhuma garantia; à noite, transformadas as calçadas em albergues à céu aberto, com os sem teto procurando abrigo embaixo de marquises; nos sinais, adultos e crianças vendendo bugigangas e fazendo performances circenses para obter algum dinheiro;cortado o Bolsa Família de milhões de pobres na indigência, com renda insuficiente para sobreviver. Agora, todos em casa na quarentena, com dificuldades para ganhar a vida. Não, esse pacto capenga não acomodará a economia, nem muito menos contando com pessoas sem capacitação para tentar uma solução do problema, que somente olham para o mercado, preocupando-se mais, em resolver os problemas do capital. Não são mesmo os atores capazes de nos levar a uma acomodação, a um porto seguro, já mostraram à saciedade. É bom não sonhar. O coronavírus piorou o que já estava muito ruim, tornando muito mais onerosa e difícil a solução. Os que estão por aí no comando da política e da economia, com os resultados que nesses quase quatro anos apresentaram, não terão a mínima condição de resolver o problema, porque, por mais que desejem o contrário, o mercado financeiro perdeu o protagonismo. Tivessem grandeza, fossem estadistas, não seria um pacto onde continuassem dando as cartas que estaria sendo procurado…

  19. Nassif, acompanho aqui, desde sempre – 2005 e, nesses anos todos, o vi sempre otimista, espero que assim se dê, e que eu sobreviva, para ver esse avanço civilizacional brasileiro.

  20. “Daqui a algum tempo, o conceito de consórcio estadual e municipal e de parcerias suprapartidárias e intersetoriais serão ideias centrais na reconstrução econômica do país.”
    Espero muito por este momento, acho que a dicotomia, direita/esquerda, social/privada, etc… acabará depois da pandemia, mas acho que vai demorar um pouco, pois é difícil haver ruptura brusca numa sociedade “do cada um por si” como está posto na maioria do mundo. O tempo mostrará que a saída para todos será a busca de fatores convergentes como busca de uma sociedade mais igualitária e harmoniosa com o planeta TERRA.

  21. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome