28 pacientes muito idosos morrem após emprego de vacina na base de mRNA na Noruega, por Rogério Maestri

Sugiro que relativizem os dados de mortes dos idosos norte-americanos e olhem com cuidado os Noruegueses, pois esses últimos foram um dos países europeus com menor número de mortos

28 pacientes muito idosos morrem após emprego de vacina na base de mRNA na Noruega

por Rogério Maestri

Esse artigo não é um artigo antiácida, mas sim contra modernismos  não devidamente testadas, ou seja, as vacinas baseadas na tecnologia e mRNA.  As vacinas na base de mRNA estão sendo produzidas pela Pfizer e Moderna (nenhuma delas empregadas no Brasil até agora) e sua tecnologia tem menos de 10 anos, além de nova a tecnologia de mRNA não foi testada em nenhuma outra vacina. As outras vacinas tradicionais que têm mais de uma centena de anos de utilização trabalham com a colocação de vírus morto, atenuado ou mesmo fragmentado, é introduzida no corpo e se esse tiver capacidade de gerar anticorpos específicos para a doença as pessoas ficam imunizadas. Já a tecnologia do mRNA “ensina” as células a produzir anticorpos. Se uma pessoa com mais de 80 anos ou mesmo menos pode ter reações alérgicas devido ao novo método de indução a imunidade que não são bem conhecidas. Quem quiser saber mais detalhes ou leiam com tradutor do google no Keine Zeitung ou na Bloomberg. Sugiro que relativizem os dados de mortes dos idosos norte-americanos e olhem com cuidado os Noruegueses, pois esses últimos foram um dos países europeus com menor número de mortos, diferentemente do que nos USA onde eles estão correndo contra o relógio e algumas centenas de velhos mortos nem está sendo verificada a origem das mortes.

Chamo atenção também, que de acordo com as recomendações da Pfizer (essas escritas em português – em dezembro de 2020) recomendava-se como prioritários na vacinação exatamente os com mais de 65 anos de idade, ou seja, exatamente os que mais estão sofrendo com essa vacinação. Note-se que as vacinas convencionais que não chegam nem perto dos 95% de eficiência na imunização talvez por elas serem menos agressivas se os velhinhos morrerem, morrerão da doença e não da vacina. como a agência reguladora da Noruega começa a deixar implícito, ou seja, vacinem as pessoas que cuidam dos velhinhos e deixe a natureza seguir.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora