A política do extermínio em 4 atos, por Fábio de Oliveira Ribeiro

Esses quatro atos nos ajudam a compreender como funciona o sistema de poder bolsonarista.

Sergio Lima - Poder360

A política do extermínio em 4 atos

por Fábio de Oliveira Ribeiro

Ato 1

Jair Bolsonaro diz que não dá bola para o fato do Brasil ficar sem vacina.

https://oglobo.globo.com/sociedade/vacina/nao-dou-bola-pra-isso-diz-bolsonaro-sobre-brasil-ficar-para-tras-em-vacinacao-1-24813081

Ato 2

O presidente da OAB diz que a demora do governo em vacinar a população pode acarretar um pedido de Impeachment de Bolsonaro.

https://twitter.com/felipeoabrj/status/1343571476344168448/photo/1

Ato 3

Um dia antes da matéria com a reação do presidente da OAB ser publicada, Jair Bolsonaro volta atrás e diz que tem pressa em adquirir uma vacina segura.

https://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2020/12/27/apos-dizer-que-nao-dava-bola-bolsonaro-diz-que-tem-pressa-para-vacinacao.htm

Ato 4

Uma comentarista sugere que a mudança de orientação pode estar relacionada à queda da popularidade do presidente. Todavia, ela afirma que “…se a expectativa da vacinação ainda no primeiro semestre se frustrar, essa frustração [dos eleitores do mito] poderá cair direto na conta do governo Bolsonaro.”

https://noticias.uol.com.br/colunas/thais-oyama/2020/12/28/pesquisa-mostra-que-se-vacinacao-nao-comecar-logo-conta-sera-de-bolsonaro.htm

Esses quatro atos nos ajudam a compreender como funciona o sistema de poder bolsonarista.

No primeiro ato, Bolsonaro expressou o que ele realmente pensa. E o que ele pensa já vinha se refletindo em suas ações para retardar e dificultar a compra de vacinas. Bolsonaro também fez tudo o que podia para manipular a parcela da opinião pública que controla espalhando mentiras sobre a doença e sobre os danos que as vacinas podem causar.

No segundo ato, nós vemos uma reação institucional legítima. Todavia, essa reação foi previamente neutralizada pelo terceiro ato. Ao desdizer o que havia dito antes da publicação da matéria com a fala do presidente da OAB, Bolsonaro tentou desautorizou o argumento do Impeachment. O presidente obviamente foi informado do conteúdo da publicação antes que a mesma fosse levada ao conhecimento do público. Isso prova de que a arapongagem da ABIN está funcionando?

Minimizando os efeitos da demora da presidência da república em adquirir vacinas (isso já é um fato consumado), uma comentarista dá ao presidente 6 meses para vacinar a população. Esse prazo é inaceitável. Todavia, se for aceito pelo respeitável público do mito ou por uma parcela do curral eleitoral da familícia, o tema do Impeachment com base na demora da vacinação da população tende a se dissipar.

Nos próximos dias, os pastores bolsonaristas provavelmente intensificarão a campanha contra a vacinação ou, no mínimo, por uma vacinação com uma vacina segura nos próximos seis meses. E a população poderá continuar a ser abatida pela pandemia.

O debate em torno da fala presidencial, do Impeachment pela demora da vacinação e do prazo para sua realização, bem como a previsível intensificação da campanha contra a ciência promovida pelos pastores bolsonaristas, criarão uma imensa cortina de fumaça. O fato principal será encoberto pela avalanche de informação, contrainformação e Fake News. Refiro-me obviamente ao aumento da letalidade do COVID-19 nas últimas semanas. Essa letalidade tende a aumentar mais nas próximas semanas em razão das festas de final de ano (uma delas realizada com autorização judicial).

Desde que tomou posse, Bolsonaro não governa. Ele deixa a cortina de fumaça governar. O resultado dessa governança elusiva, esquiva, furtiva, imprecisa e obscura é o aprofundamento do neoliberalismo, regime econômico cuja principal característica é maximizar os lucros inclusive e principalmente eliminando uma parcela indesejada da população.

Morra quem morrer… O sucesso do governo da cortina de fumaça é um fato. E a oposição ainda não conseguiu entender que está ajudando Bolsonaro cumprir sua missão de matar a maior quantidade de pessoas no menor espaço de tempo com grande possibilidade de ficar impune.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

2 comentários

  1. “…Bolsonaro cumprir sua missão de matar a maior quantidade de pessoas no menor espaço de tempo com grande possibilidade de ficar impune.”
    Não, este genocida não ficará impune. O problema é que precisarão esperar que sejam cumpridas as ações de lesa-pátria promovidas pelo grupo aboletado no planalto .
    Depois a famíglia vai pra cadeia!

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome