A sacristia de Curitiba, por Rui Daher

Por Rui Daher

Erram os que acham que em Curitiba se instalou uma República. Começando por Platão, através de Sócrates, saber-se-á que não. Também, a partir de São Paulo, percorrendo cerca de 400 km pela Rodovia Régis Bittencourt, chega-se à cidade que foi conhecida por ser a capital do estado do Paraná.

Referência em desenvolvimentos urbanístico e arquitetônico, piloto de lançamento de produtos, sustentabilidade, índice desenvolvimento humano, museus e teatros como o de Oscar Niemeyer e do Jardim Botânico, difusora cultural reconhecida mundialmente, a rústica e boa gastronomia em Santa Felicidade.

Pois é, talvez obedientes ao seu escritor maior, Dalton Trevisan, em “O Vampiro de Curitiba” (Editora José Olympio, 1965), cerca de dois milhões de pessoas deixaram tudo isso se transformar numa sacristia de 320 km².

Sacristias, embora mais referenciadas como anexos de igrejas católicas onde se guardam objetos valiosos e paramentos, são comuns a todas instituições religiosas. Nelas, conta a pesquisa histórica, foram engendrados atos de guerra, usurpação, traição e perseguição. Também, desavergonhados atos de estupro em mulheres e crianças. Apropriação indébita de pobres esmoleres.

Tem outro lado? Sempre tem. Podem imaginá-lo conforme suas crenças, que aqui não vêm para aliviar o ódio da AK-47.

A Sacristia de Curitiba é como todas. No Brasil, aggiornata para, em nome de acabar com a corrupção, destruir a economia do País.

Considerando o noviciado de um capitalismo tardio, equivocado, mal pensado e conduzido, trata-se de pedofilia ou, em alguns casos, de infanticídio. Dentro dela, noite e dia, passeiam os fantasmas que coabitam a Federação de Corporações.

Leia também:  Coordenador da Lava Jato na PGR deixa o cargo

Disputa de grupelhos por cargos e remunerações; favores partidários; vaidades histriônicas; baixas mordomias; troféus de gesso; fantasias fascistas; prevaricação funcional; e mais não digo para não chegar às escatologia e pornografia.

Tudo isso sob o olhar bovino dos poderes Executivo e Judiciário dos últimos anos, aí incluídos Lula e Dilma com suas voluntaristas açoes republicanas. O Legislativo? Ora, esqueçam.

O negócio é o seguinte: há mais de ano, em minha coluna de agronegócios em CartaCapital, reproduzida sempre em meu blog, alerto de que o setor agropecuário enfrenta sérias ameaças. Num vai-não-vai até 2005, de lá em diante, na esteira da crise econômica mundial, se tornou expressão significativa de nossa economia e partícipe importante do comércio internacional.

Sim, nisso, podemos imitar os ufanistas do setor: deslanchamos. Enquanto a crise econômica mundial amargou a geleia produzida por Mrs. Sullivan, em Ohio, eles aliviaram para nós. Um senão, Donald Trump não é um folclore, mas um belicista, primeiro econômico, logo mais militar.

Lido com o Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) há mais de 40 anos. Fui dos excelentes Alysson Paulinelli a Kátia Abreu e passei pelos medíocres Íris, Stábile e Rossi. Não que percebesse propinas, embora ingênuo não fosse e notasse diferenças entre o obtido pelas multinacionais e grandes fabricantes nacionais frente aos fabricantes de orgânicos à base de resíduos de pescados, por exemplo. Mas tudo sempre pontual, o que não justificaria a destruição de um setor de ponta da economia.

Pensem: o ladrão que assaltou um condomínio para comprar drogas ilícitas e o fiscal agropecuário que recebeu uma propina para assinar uma autorização. Ambos merecem cadeia, certo? Mas serão suficientes para gerar uma operação escandalizada em folhas e telas cotidianas capaz de acabar com o narcotráfico e destruir um elo importante da cadeia do agronegócio?

Leia também:  Marcelo Zero: Gandhi decerto não gostou de ter o seu túmulo profanado por Bolsonaro

A qualidade do complexo de carnes é controlada aqui e pelas autoridades importadoras. Não há brincadeira, o espaço para sacanagem é estreito. Se especializou para se adaptar às especificidades de diversos consumidores.

Uma briguinha de sacristães disputando quem rezará a próxima missa ou será chamado a uma felicitação do arcebispo, vale acabar com a marca “carne do Brasil”?

E o brasileiro que não tem dinheiro para comprar a proteína, o que faz? Rói o osso como gostam de fazer seus cachorros que invejam os ricos condenados às rações agroquímicas?

– Ô mulher! Traz aí meu bife. As pelancas, deixa pra Filó.

– Vem você fritar? Quantas salineiras já tomou?

– Todas suficientes pra matar os bichos. Quem sabe os sacristães de Curitiba. Muié, avise a o milho e a soja pra se cuidarem.   

   Assine

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

20 comentários

  1. Power Point

    OPINIÃO DE O SANATÓRIO GERAL. Todo concorrente em negócios tem interesse em abocanhar a parte pertencente a outros concorrentes.Cabe a cada um prezar, com imenso cuidado, a imagem de seus produtos. Não só Estados Unidos, como Austrália, e também Argentina e Uruguai, adoraram o escândalo da carne brasileira, nas daí a ver a Polícia Federal trabalhando para os interesses dos Estados Unidos é demais! Só está faltando alguém – poderiam ser Luís Nassif, Florestan Fernandes, Miguel do Rosário, aparecerem na TV Globo com um Power Point explicando que a culpa das carnes estragadas e salsichas adulteradas é dos Estados Unidos. Sem provas, mas com convicções.

     

    • Meu senhor(a),

      a intenção do texto não foi de criminalizar os EUA, embora fatos históricos mil comprovem ações assim semelhantes quando há interesses norte-americanos envolvidos. No Brasil e no resto do planeta. Minha crítica é à exposição pela PF e mídia de uma operação que poderia muito bem ser mantida em sigilo até provas mais conclusivas. Hoje mesmo se noticia a precariedade das amostras analisadas. Qualquer dúvida peça proteção à embaixada dos EUA.

  2. Que se cuide

    a EMBRAER. Só tem a seu favor ser de São Paulo. Contra ela, ser a 3ra do mundo e concorrer com  Bombardier, Airbus e Boeing. Já já a PF achará alguma propina paga para vender seus aviões ou um brigadeiro que recebeu para contratar um projeto de aeronave…

    • A lava rato já se encarregou

      A lava rato já se encarregou disso.

      A Embraer teve de pagar uma multa milionária aos EUA e ainda está sendo administrada por um interventor norte americano.

      Viva a lava rato.

      • Ohallot, Alan e Jossimar,

        As top-models brasileiras que se cuidem. Poderão ser enxovalhadas na “Operação Bagaços Enfeitados”. Não temos direito a nenhuma excelência ou liderança. Abraços

    • Nem precisa achar propina

      Basta empregar um brigadeiro reformado que em mil novecentos e lá vai pedra assinou algum contrato ou editou alguma portaria que pode ter causado algum efeito positivo à fabricação nacional de aeronaves (ou seja, à Embraer). Já é motivo pra teoria do “domínio do fato” tirar suas manguinhas de fora.

  3. a….

    Caro sr. Rui, aí vejo duas coisas para nós chegarmos a situação tão imbecil : nossa  bipolaridade politica e ideológica. Um certo censo comum brasileiro. Em certa parte nosso anticapitalismo associado ao anti-agronegócio. Mas, o que eu acreditava ser contra a carne e agropecuária nacionais, me parece muito mais ato pensado contra as “Campeãs Brasileiras”. Não foi toda a cadeia atingida, apesar que indiretamente sim. Foram as marcas que investiram e foram elevadas com aporte do BNDES a outro patamar, de Multinacionais Brasileiras. Politica exemplar e imprescindível à nação brasileira retomados pelos governos do pt. Como toda politica e atividades econômicas, poderia ser sempre corrigido alguns rumos. Mas nunca destruídos.  Uma certa sabotagem à economia nacional para deixar livre os caminhos para uma nova privataria, com apoio e acertos com grupos e governos estrangeiros, me parace o projeto dos grupos que estão atualmente no Poder. 

    • Sem dúvida, Zé Sérgio

      Não sei se você percebeu a saraivada de críticas imbecis ao agronegócio, por conta do “papelão na salsicha”, sei lá mais o quê nas redes digitais. O mesmo nas cartas de leitores aos principais jornais impressos. Somos vocacionados à autodestruição. Abraços.

  4. Ninguém odeia a sua própria carne…

    Nota minha:  Igreja, só se for o  Corpo Místico de Cristo, que não é propriedade de ninguém, e não deve servir para subordinar ninguém, seja lá a quem for. O resto, é a descrita sacristia.

    Ninguém odeia a sua própria carne; pelo contrário, a nutre e dela cuida, como Cristo faz com a igreja,…( Ef. 5, 29)

    * 22-33: Paulo compara a relação entre Jesus Cristo e a Igreja com a visão do matrimônio na sociedade antiga, onde a mulher devia submeter-se inteiramente ao marido. De fato, Cristo é chefe e salvador da Igreja, e esta deve submeter-se a ele como seu Senhor. Numa concepção atual de relação marido-mulher, onde existe igualdade de direitos e deveres, Paulo certamente faria outro tipo de aplicação. ( ( Mas:  Eu  não chamo vocês de empregadospois o empregado não sabe o que seu patrão faz; eu chamo vocês de amigosporque eu comuniquei a vocês tudo o que ouvi de meu Pai. João 15,15)

     “ Maridosamem suas mulheres, como Cristo amou a Igreja e se entregou por ela;  assim, ele a purificou com o banho de água e a santificou pela Palavra,  para apresentar a si mesmo uma Igreja gloriosasem mancha nem ruga ou qualquer outro defeitomas santa e imaculada.  Portanto, os maridos devem amar suas mulheres como a seus próprios corposQuem ama sua mulherestá amando a si mesmo.  Ninguém odeia a sua própria carne; pelo contrário, a nutre e dela cuida, como Cristo faz com a igreja,  porque somos membros do corpo dele.  Por isso, o homem deixará seu pai e sua mãe e se unirá à sua mulher, e os dois serão uma só carne.  Esse mistério é grande: eu me refiro a Cristo e à Igreja.  Portantocada um de vocês ame a sua mulher como a si mesmo, e a mulher respeite o seu marido.” (Ef. 5, 25-33)

    ““Eu, porém, vos digo: todo aquele que rejeita sua mulher, a faz tornar-se adúltera, a não ser que se trate de matrimônio falso; e todo aquele que desposa uma mulher rejeitada comete um adultério” (Mt 5,32)

  5.  
    Vai que o juizeco de piso

     

    Vai que o juizeco de piso moro, é um grande filho da puta. Mas, o merda é apenas, mais um sub-produto de segunda. Ou seja, um mero pau-mandado. Ou, mamulengo. Boneco de pau, conduzido pelas habilidosas mãos de algúm operador de traquitanas, contratado pelo Sistema Globo de tramóias, golpes, e falcatruas diversas.

    A Rede Globo é o cancer que obstrui qualquer possibilidade do Brasil se desenvolver plenamente. Está alí o cancro, sob o nome fantazia de Globo. Não tem mais tratamento clínico que resolva. O bicho cresceu muito, terá que ser extirpado cirurgicamente. Quanto mais tempo de existência for permitido ao maligno tumor, mais reduzida se torna as chances de cura.

    Vamos lá gente! Vamos caçar as ferramentas: britadeiras, picaretas, enxadetes, púas, pedaços de pau. Até o diabo serve.

    Orlando

    • Orlando,

      coincidentemente, ontem, diante de notícia que não me lembro qual (tanto faz, todas são tendenciosas em benefício da família Marinho, fiz a mesma observação que você: está aí o câncer por trás de nossa desgraça. Abraço.

  6. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome