Novo marco do saneamento produzirá “choque tarifário”, diz Haddad

Político comenta as problemáticas em torna da aprovação do novo marco regulatório do saneamento básico

Fotos Públicas

Jornal GGN – O novo marco regulatório do saneamento básico, aprovado pelo Senado Federal na quarta-feira, 24 de junho, deve produzir um aumento na tarifa do serviço ao consumidor final. A lei praticamente ‘obriga’ a privatizar [o setor], especialmente as empresas estaduais de saneamento”, e sem subsídios do poder públicos, as empresas repassarão os custos dos investimentos à população. É o que avalia o ex-presidenciável Fernando Haddad em artigo na Folha de sexta (26).

Para impulsionar a privatização, a lei cria incentivos e regulamentações, “combinação de fatores como acesso a crédito, regulação federalizada e fim dos contratos de programa”. “É esse o aspecto que os que votaram a favor do projeto relutam em admitir, embora todos os inúmeros detalhes do novo marco imponham essa conclusão”, apontou o político.

A lei, que caminha para sanção presidencial, prevê metas de saneamento a serem cumpridas em até 12 anos. Para Haddad, a problemática em torno do projeto surge a partir da realidade dos consumidores atualmente. “O saneamento é um serviço público como outro (energia, telefonia, transporte), mas tem suas especificidades. O custo da captação de água, na margem, é cada vez maior, e a renda média dos novos usuários é cada vez menor”.

“Não parece grande a disposição de prefeitos e governadores de subsidiar com recursos do Tesouro a universalização do serviço. O governo federal tampouco prevê a criação de um fundo nacional de universalização nos moldes de outros serviços públicos”, escreveu. 

Sendo assim as tarifas sobre o saneamento devem aumentar. “A variável de ajuste para expandir os serviços será a tarifa, pressionada pela necessidade de ampliação dos investimentos, de um lado, e de eventual aumento do subsídio cruzado, de outro”, pontuou. 

“Minha aposta, hoje, é a de que, tudo dando certo, podemos até ter algum incremento do atendimento, mas à custa de um choque tarifário que será suportado prioritariamente pelas classes médias. A ver”, completou Haddad. 

GGN PREPARA DOSSIÊ SOBRE SERGIO MORO.
SAIBA COMO AJUDAR ESSE
PROJETO INDEPENDENTE AQUI

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Gilmar e Lewandowski reconhecem que Moro é parcial e interferiu na eleição

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome