O que querem os eleitores do Bolsonaro?, por Rita Almeida

Arte CartaCampinas

O que querem os eleitores do Bolsonaro?, por Rita Almeida

Um dos grandes feitos de Freud foi entender que aquilo que se manifesta na singularidade de cada sujeito, também pode ser lido no campo da cultura. É nesse sentido que o inconsciente para a psicanálise, não é algo que está nas profundezas da nossa intimidade, o inconsciente está na superfície, pairando sobre nós.

Assim sendo, para compreender nosso caldo social às vésperas da eleição, decidi procurar entender como os possíveis eleitores do Bolsonaro pensam e como justificam o próprio voto. Que propostas ou características do candidato os seduziram? O que esperam do mesmo, caso eleito? Essas foram minhas perguntas básicas e, para respondê-las, me dispus a conversar com alguns de seus potenciais eleitores e os “stalkeei” no Facebook tentando apreender suas ideias. Na verdade, eleitoras; escolhi apenas mulheres.

Desse modo, analisados por minha lupa, as possíveis eleitoras de Bolsonaro que “escutei” são movidas, principalmente, por duas vertentes do discurso do candidato: Aquela relacionada à segurança pública: facilitação do porte de arma, redução da maioridade penal e maior rigidez com criminosos. E a que possui apelo moral: dizer não a “ideologia de gênero” (elas realmente acreditam no tal “kit gay”), ou a quaisquer outros modos de exposição da sociedade a temas relacionados à sexualidade.

Ora, podemos extrair desses temas, nada mais do que as duas questões que mais tememos, exatamente pela dificuldade de simbolizá-las, de explicá-las: a morte e o sexo. Morte e sexo são nossos maiores medos, diante deles somos todos desamparados; a psicanálise assim nos ensina. Desse modo, a motivação que leva essas eleitoras em direção à Bolsonaro é, basicamente, medo. Elas se sentem inseguras, desorientadas, fragilizadas e buscam alguém que vá socorrê-las. E, psicologicamente falando, numa sociedade patriarcal como a nossa, qual é primeiro recurso usado para lidar com o medo e a insegurança? O pai.

Freud dizia que a nostalgia do pai é como uma espécie de cicatriz resultante da fundação da cultura. Em algum momento mítico, foi necessário “matar o pai” para fundar uma sociedade de irmãos. No entanto, a cicatriz que ficou deste assassinato, sempre nos faz, inconscientemente, mergulhar na nostalgia de um pai que cuide de nós e nos proteja. E em última instância, que nos proteja do sexo e da morte. E vale destacar que, quanto mais adoecida e fragilizada uma sociedade está, mais esta busca por um pai se torna iminente. Diante do desamparo: o pai – nosso recurso mais simples e mais infantil.

Mas, obviamente, que no caso da sociedade brasileira atual, este pai poderia ser evocado de muitos modos. Lula, não por acaso, chamado de “pai dos pobres”, também encarna ou encarnou este pai, tal como Bolsonaro hoje o encarna, para uma determinada parte da população. No entanto, existe uma diferença abissal entre o pai que Lula encarna e o pai que Bolsonaro encarna, vejamos:

Lula é um pai castrado (tem um dedo amputado, nordestino, de origem humilde), desconstruído, emotivo, um pai que faz a política do dialogo e da negociação. Lula apesar de ser um pai popular, é de longe um pai totalitário ou autoritário, ao contrário. Maquiavel dizia que um líder precisa ser amado ou temido. E se não conseguir ser amado, que seja temido. Lula soube ser amado e isso faz dele, obviamente, um pai mais saudável. Lula é um pai menos macho, mais feminino. Lula é devir-mulher, para usar o termo Deleuzeano.

Bolsonaro, por sua vez, é um pai macho, autoritário, tradicional, que fala o que quer sem medo de ser odiado. Tem fetiche por armas e abomina qualquer atitude ou comportamento feminino. Não por acaso considera a mulher “uma fraquejada” e os homossexuais um erro ser corrigido. Ao contrário de Lula, Bolsonaro precisa exercer sua autoridade pelo medo, para isso, é capaz de ser agressivo com as mulheres e com seus filhos. Reprimir a sexualidade deles, obviamente, também é uma estratégia de poder. Para exercer poder sem amor é preciso incitar medo e controlar o corpo.

Faz algum tempo que nós perdemos o pai que amamos… Perdemos, num primeiro momento, com o fim do seu mandato, e perdemos, num segundo momento, com sua desconstrução simbólica até a prisão, que não conseguiu ser resgatada para disputar as eleições. Além disso, o fracasso político do segundo governo Dilma – contestado logo no dia seguinte do resultado das urnas – seguido do golpe parlamentar, jogou o Brasil num descrédito total em suas instituições, e a uma insegurança política que a sociedade sentiu, obviamente. “Bagunça”, “caos”, “libertinagem”, “confusão”, foram os substantivos mais usados pelas mulheres que justificaram comigo, o voto em Bolsonaro.

E foi assim que nossa política, sustentada nessa versão infantil da necessidade de um pai, e mergulhada no caos político, migrou de um pai amado, para um pai temido, de um pai castrado para um pai castrador. E no consultório de psicanálise, testemunhamos isso a todo tempo com nossos pacientes e suas queixas infantis: melhor um pai a quem eu preciso temer, do que pai nenhum.

Todavia, é obvio que sair da infância e da neurose coletiva é aprender a prescindir do pai para seguir adiante. Talvez Bolsonaro seja o último suspiro, a última tentativa de resgatar o pai forte e castrador da sociedade patriarcal. Na iminência da decadência do patriarcado, Bolsonaro é um último espasmo desesperado para resgatar o homem/chefe/ castrador, que mesmo que à custa da saúde mental e da integridade física de mulheres e filhos, promete botar “a casa em ordem”. Bolsonaro é quase uma caricatura de homem, parece ter chegado do passado em uma máquina do tempo.

Pensando assim, não é por acaso que a força das mulheres tem sido e será fundamental no enfrentamento a Bolsonaro, sobretudo, a todo retrocesso que ele representa. São as mulheres e os gays com sua castração à mostra que Bolsonaro teme, e com razão. Nós mostramos aquilo que ele não suporta deixar aparecer, daí sua postura sempre arrogante e agressiva, ou usando a autoridade de Deus como se o tivesse a tiracolo. É por isso que, mesmo rasgado e cortado no real do seu corpo, ainda no hospital, ele mostra os dedos em riste, a dizer que a castração não se deu, que ele continua fálico, poderoso e forte.

Talvez o feminismo nunca tenha sido tão urgente por aqui. Não o feminismo de regras e protocolos de comportamento, mas o feminismo de verdade, que é aquele que diz: “somos todos castrados” – homens e mulheres – portanto, ninguém será adorado ou respeitado simplesmente por erigir um falo, ainda que ele venha travestido de prepotência, promessa de leis mais rígidas ou porte de arma. Afinal, ninguém mais do que as mulheres e os gays sabem o que homems como Bolsonaro podem fazer tendo o poder nas mãos. Não pode haver medo suficiente que nos leve a sustentar um sujeito desses liderando nosso país. E quem sabe nosso voto, dessa vez, amadureça e avance para a escolha de alguém que nos represente, e não de alguém que cuide de nós?

Rita Almeida

#EleNão
#EleNunca

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

11 comentários

  1. Eu posso resumir o que o

    Eu posso resumir o que o eleitor de Bolsonaro quer em poucas palavras: O eleitor de Bolsonaro deseja voltar para o tempo do Brasil Império.

    Ele deseja que os “escravos voltem para o lugar deles” e estupidamente acredita que ele tenha o direito de ser um “lorde” ou um senhor de escravos, uma pessoa somente com privilégios e sem responsabilidades civis como se fosse algum tipo de “lorde” da idade média.

    Ele também deseja ter poder de vida e morte sobre os outros (como os lordes tinham sobre os vassalos), deseja “títulos de nobreza” (quantos juízes e desembargadores te ofendem se você não os tratar como “excelências” por mais asquerosos que eles sejam?) e deseja é claro tudo para si não importa as consequências para o restante da população.

    Eles não conseguem entender que a idade média já acabou.

  2. Ou simpatizam com a

    Ou simpatizam com a impotência do bolsonaro que precisa usar símbolos e encontram na atitude de pseudo-macho uma forma de participar em grupos desigualmente ‘masculinos’.

  3. Hoje os eleitores do Bolsonaro querem fazer barulho às 17 horas

    Hoje, dia 17 de setembro, às 17 horas, os eleitores do Bolsonaro vão buzinar seus carrões e vão bater suas panelas nas sacadas de seus condomínios, a fim de fazerem os incautos crer que eles são mais numerosos do que realmente são.

  4. 88 ANOS DE FASCISMO DE ESQUERDA. ESTADO ABSOLUTISTA

    Único país com expressão global com Voto Obrigatório. Revela muito bem porque 93% da População Brasileira recebe de salários menos que os 4.500 reais de Auxílio-Moradia do Poder Judiciário. Estado da Vitimização e do Fatalismo. O mesmo que em pleno 2018 , tem uma certa Elite (que não quer se enxergar como elite) clamando por tirar um Criminoso Condenado da cadeia para seu novo Caudilho. Em 1974, esta mesma elite esquerdopata que dizia viver em estado ditatorial pode votar em Orestes Quércia. O Senador mais votado e mais novo da República. Um tal que dizia que não tinha nem automóvel para se locomover. Usava a camionete do pai. Um dos Expoentes da Redemocracia. AntiCapitalista se dizia. Morreu sendo o maior proprietário de terras da região de Campinas. Dono de dezenas de Redes de Rádios e TV’s, o maior Produtor de Café do planeta. AntiCapitalista e Progressista. A partir daí 40 anos de farsante Redemocracia. ConstituiçãoEscárnioCaricaturaCidadã. Começou em 1979, com a Lei da Anistia, quando faltava Saúde, Segurança, Transporte Público, Democracia, Representatividade, Justiça, Ensino Público de qualidade, Infraestrutura, Saneamento Básico, Moradias, Fornecimento de Água Potável,…Em 2018 após 40 anos ‘redemocráticos, sendo 25 anos Progressistas, o país continua estacionado no mesmo lugar. Só a fantasia em encontrar um novo ‘fantasma’ para combater é que não mudou. Agora se chama Bolsonaro. O Brasil é de muito fácil explicação.       

  5. Vi um vídeo onde eleitores do

    Vi um vídeo onde eleitores do boçal dizem querer matar “viados”. Tenho pra mim que esse ódio aos homossexuais advém de algum problema sexual não resolvido.

  6. Bolsonaro é o candidato dos evangélicos.

    Também da parte de militares e parcelas de forças de segurança civis. Na visão dos evangélicos, ele será o Messias do juízo final, que mandará ao inferno os que se recusaram a converter-se. Pelo que o salvador brasileiro prega, homossexuais, comunistas, petralhas, negros, indígenas e pobres que precisam de bolsa família, além das mulheres feministas, que ousam desafiar a autoridade do patriarcado, o macho alfa, são seres inferiores, impecilho à casta dos homens de bem.

    • O Messias é Jesus

      Para os evangélicos, o Messias é Jesus. A não ser que eles achem que Bolsonaro é a segunda vinda de Jesus, Bolsonaro não pode ser o Messias.

      E se algum evangélico acha que Bolsonaro é Jesus, não está fazendo questão de proclamar isso. Que seria quase certamente tomado como uma blasfêmia das mais grosseiras pela imens maioria dos evangélicos.

  7. Vergonha alheia
     

    Os comentários são ainda mais  interessantes.

    De minha parte eu acho que se há negros que amam o bolsonaro há para ele a garantia de não ficará sem escravos que o carreguem nas costas.

    [video:https://youtu.be/RLuqCa7DZUI%5D

    [video:https://youtu.be/ALFMVBVGrqo%5D

    Desculpas amarelas quando a situação fica preta

    [video:https://youtu.be/lB4p1g5ENNk%5D

    A forcinha do youtube para proteger o bolsa

    BOLSONARO AGRIDE NEGRO EM PRAÇA PUBLICA – YouTube

    Momento exato em que Bolsonaro agride um homem por ser negro, com um tapa nas costas.https://www.youtube.com/watch?v=wcUD8prLQ8o  

    Por outro lado, se há negros que não amam o bolsonaro, ele não ficará sem a sua facada.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome