A burrice e estupidez do futuro já estão entre nós em “Idiocracia”, por Wilson Ferreira

O filme que originalmente era uma comédia e que se tornou um documentário. Assim é definido o filme “Idiocracia” (“Idiocracy”, 2006) do diretor e escritor Mike Judge

 

O filme que originalmente era uma comédia e que se tornou um documentário. Assim é definido o filme “Idiocracia” (“Idiocracy”, 2006) do diretor e escritor Mike Judge (“Beavis e Butthead” e “O Rei do Pedaço”): um casal acorda de uma longa hibernação criogênica de 500 anos para encontrar um mundo no qual a burrice, estupidez e preguiça (e suas consequências como o machismo e a intolerância) se tornam virtudes. O presidente dos EUA é um ex ator pornô e lutador de Telecatch e a água potável foi substituída por um isotônico produzido por uma gigantesca corporação, gerando uma catástrofe ambiental. E a política se confunde com entretenimento e vídeo-game. Um filme tão profético que o próprio estúdio 20th Century Fox resolveu boicotar o lançamento da sua própria produção, escondendo “Idiocracia” das grandes redes de exibição. “Idiocracia” é visionário: como uma sociedade inteira não percebeu que emburrecia enquanto as expectativas sobre o que é ser inteligente cada vez mais diminuíam com o avanço tecnológico e da indústria do entretenimento. 

“Um filme que era originalmente uma comédia, mas que se tornou um documentário”, senteciou a crítica especializada. O filme foi lançado em 2006, sem alarde ou cerimônia, em um punhado de redes de cinemas. Jamais um trailer promocional sobre o filme foi exibido anteriormente no cinema ou nos canais habituais de divulgação na Internet, como o IMDB.

No Brasil, foi lançado diretamente em DVD, sem qualquer esquema promocional.

Praticamente o estúdio 20th Century Fox descartou a produção por não saber como vende-lo ou defini-lo: é uma distopia sci-fi? Uma comédia de sátira social? O problema é que o argumento do filme se concentrava numa sociedade estúpida, muito mais próxima de se realizar do que poderíamos imaginar. Uma sátira “hipo-utópica”, isto é, uma projeção hiperbólica no futuro de eventos que já estão acontecendo no presente – sobre esse conceito clique aqui.

Estamos falando do filme Idiocracia (Idiocracy, 2006), do diretor e roteirista Mike Judge (Beavis and Butthead O Rei do Pedaço) – uma narrativa tão premonitória que, catorze anos depois, parece até um documentário.

Leia também:  OAS culpa Lula por assumir obra deficitária na Bolívia, mas embaixador desmonta delação

Depois de catorze anos do “não-lançamento” de Idiocracia o que vemos? Comediantes ou estrelas de reality shows de TV eleitos presidentes como na Ucrânia e EUA (ou o  governador eleito João “O Aprendiz” Doria Jr, no Brasil; ou também o apresentador Luciano Huck sendo cogitado a candidato à presidência em 2022); apresentadores do canal Fox News defendendo racistas como patriotas; uma série reality de sucesso chamada Os Kardashians na qual uma família nada faz de relevante além de mostrar cirurgias plásticas, quem ficou gordo ou magro ou quem casou ou se separou; ou ainda a maior rede de comunicação da história humana, a Internet, que deu direito à palavra aos idiotas de aldeia que outrora tinham vergonha de si mesmos.

Talvez exatamente por isso a 20th Century Fox se viu embaraçada com o resultado final que Mike Judge apresentou para os executivos do estúdio: o filme era muito profético, quase um documentário sobre um futuro próximo. Futuro que certamente os executivos da indústria do entretenimento idealizavam.

 Idiocracia começa descrevendo como o processo da evolução darwiniana caminhou para um sentido oposto na História. Até um certo ponto, a seleção natural sempre favoreceu os mais inteligentes e rápidos que se reproduziam em maior número que os demais. Um processo que favoreceu os traços mais nobres da humanidade, ao ponto que todo o gênero da ficção científica antevia sociedades civilizadas e inteligentes.

Mas o que aconteceu para a História premiar o embrutecimento e a involução? Como chegamos ao ano 2501 no qual a inteligência se extinguiu e a mentalidade limítrofe tornou-se o modelo desejável de existência?

O Filme

Idiocracia a companha Joe Bauers (Luke Wilson) ainda no tempo atual, um bibliotecário de uma instalação das Forças Armadas. Ele é um típico militar mediano e sem ambições: seu único sonho é se esconder numa função sem responsabilidades, à espera da aposentadoria.

Mas, para o seu desespero, um oficial chega com novas ordens que o tirarão da sua rotina para sempre – ele foi escolhido como cobaia de um experimento envolvendo uma hibernação criogênica que durará um ano. O objetivo é monitorar alterações físicas em indivíduos congelados.

Joe é a cobaia perfeita: sem esposa, filhos ou família. Assim como uma prostituta selecionada também para a experiência, Rita (Maya Rudolph).

Mas, enquanto as duas cobaias humanas estão congeladas, o oficial responsável se envolve com um escândalo sexual envolvendo o próprio cafetão de Rita. Resultado: o experimento é cancelado, a instalação é demolida e, pela lentidão burocrática, as câmaras criogênicas de Joe e Rita são esquecidas nas ruínas do laboratório. E lá ficam por séculos.

Enquanto isso, a narrativa descreve a lenta deterioração da sociedade em direção da ignorância e anti-intelectualismo. O resultado, é um mundo devastado por um crise ambiental que transformou as cidades em depósitos de lixo que sobe às alturas dos prédios, entretido por um cultura pop humilhante, corrupção corporativa implacável, ineficácia política (o presidente dos EUA é um ex ator pornô e lutador de Telecatch) regida por uma elite supostamente mais inteligente do planeta.

A língua inglesa foi reduzida a uma estranha combinação híbrida de expressões adolescentes, dialetos locais, gírias de gangs e vários grunhidos. O que impera é a misoginia e machismo, no qual as mulheres ou são prostitutas ou donas de casa estúpidas.

Leia também:  “Hércules” de Eurípedes: o desprezo pelos tiranos, por Carlos Russo Jr.

As câmaras criogênicas de Joe e Rita abrem acidentalmente depois que despencam de uma montanha de lixo. Joe acredita que vive uma alucinação pós-hibernação e vai a um hospital, para ali cair a ficha de que está 500 anos à frente num futuro bizarro: médicos e pacientes se nivelam na indigência mental, todos os equipamentos são precários e o hospital está quase em ruínas – a burrice foi tão normalizada que ninguém é capaz de consertar ou manter nada funcionando direito.

Enquanto Rita rapidamente se adaptou àquela cidade, como prostituta, Joe passa a ser procurado pela polícia: descobriram que ele é “inescaneável” – como não possui tatuagem com código de barras, não pode ser identificado.

Na prisão, Joe ganha uma “identidade” e é feito um teste de QI protocolar nele – para descobrirem que ele possui a maior inteligência do planeta.

Um “Einstein” em 2505…

Essa é a primeira ironia de Idiocracia: em seu tempo, Joe era um militar medíocre que não pensava em responsabilidades. Em 2505, chega a ser comparado a Einstein. Sua notoriedade chega à Casa Branca do presidente Camacho (Terry Crews) – o ex artista pornô. Ele nomeia Joe Secretário do Interior, para resolver um problema agrícola e ambiental terrível: os campos estão áridos, secos. As montanhas de lixo produziram um ambiente desértico, com tempestades de pó e poluição. Nada cresce e a crise alimentar é cada vez maior.

>>>>>Continue lendo no Cinegnose>>>>>>>

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora