Governo Bolsonaro desiste de sabatina na ONU sobre desenvolvimento sustentável

País enviará representante para o Fórum Político de Alto Nível de 2019, mas retirou participação sobre propostas e resultados do Brasil para meio ambiente e políticas sociais

Jair Bolsonaro e ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo. Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

Jornal GGN – O governo Bolsonaro decidiu não apresentar os Relatórios Nacionais Voluntários (RNV) no Fórum Político de Alto Nível sobre Desenvolvimento Sustentável (HLPF, na sigla em inglês), no âmbito dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, promovido pela Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU).

O evento acontecerá em julho, na cidade de Nova Iorque, e o Brasil seria um dos 47 países chamados para apresentar a revisão e propostas de suas políticas públicas no setores social e ambiental. As informações são do blog Jamil Chade, no UOL.

Segundo apuração daquele blog, o Itamaraty decidiu que o Brasil não entregará os relatórios e nem participará da sabatina sob o argumento de que não quer apresentar os resultados de governos anteriores relacionados às políticas sociais e para o meio ambiente.

“Na ONU, porém, esses resultados não são considerados como dados ou políticas de um governo, e sim de um estado. Além disso, a sabatina não avalia apenas o que foi feito. Mas também os programas que estão sendo estabelecidos para reduzir pobreza, doenças e situações de violações de direitos pelos próximos dez anos”, pontua Jamil Chade.

Nenhum país é obrigado a participar da Revisão Nacional Voluntária, mas a participação no evento se tornou sinônimo de compromisso global para alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável 2030.

Em 2017, o então governo Temer levou o Brasil para participar da sabatina e apresentou um relatório onde destacou que as políticas para os setores foram substituídas pelo objetivo de resolver a crise fiscal sofrida no país.

“Escolhemos a responsabilidade como nosso princípio e o diálogo como nosso método”, escreveu o Planalto na ocasião, considerando ainda que estava levando o Brasil para um caminho “correto” e que, comparativamente às outras nações, os brasileiros têm um caminho “longo” para atingir os objetivos da ONU.

Leia também:  Sujeito do poder, por Wilton Moreira

O Brasil seria submetido a uma nova sabatina dois anos depois, em 13 de julho deste ano. Entre os demais estados que estão agendados para apresentar resultados e propostas estão Turquia, Argélia, Filipinas e Chade, países onde diretos humanos vêm sendo questionados.

Ainda segundo informações do blog de Jamil Chade, o governo Bolsonaro explicou em nota que o Brasil irá comparecer no evento, apenas se retirou da sabatina. O Planalto argumentou também que, por se tratar de “voluntário”, decidiu esperar para apresentar os resultados na próxima chamada.

“O Brasil já apresentou seu primeiro RNV em julho de 2017 e havia indicado ao Secretariado das Nações Unidas sua intenção inicial de apresentar o segundo Relatório em julho de 2019. No entanto, durante a 8ª Reunião Extraordinária da Comissão Nacional dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (CNODS), realizada em 5 de abril passado, o Governo Federal anunciou a decisão de adiar a apresentação do referido Relatório”, escreveu em nota o Itamaraty completando que “o governo está reestruturando as políticas públicas”, “mantém seu compromisso” com a Agenda 2030 e “participará do debate geral e das demais atividades que ocorrerão no Fórum Político de Alto Nível de 2019”. Para ler a coluna de Jamil Chade na íntegra, clique aqui.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. CANSADO DE PASSAR VERGONHA, “Brasil não entregará os relatórios e nem participará da sabatina sob o argumento de que não quer apresentar os resultados de governos anteriores relacionados às políticas sociais e para o meio ambiente.”
    O GOVERNO TEMER ,por sua vez, escreveu no seu relatório ” que estava levando o Brasil para um caminho “correto””
    CHEGAMOS ENFIM, AO CAMINHO CORRETO: o brejo!

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome