Os sinais de Minas

Os sinais de Minas:

Da Folha.com

Desempenho de Anastasia em pesquisas acende sinal amarelo no PSDB mineiro

DA REUTERS, EM BRASÍLIA

Os mineiros do PSDB fizeram chegar à cúpula nacional do partido sua preocupação com o desempenho nas pesquisas do candidato mineiro ao governo Antonio Anastasia, afilhado político do tucano Aécio Neves.

Dono do maior arco de aliança local, esperava-se que ele iniciaria o mês de agosto com 30% das intenções de voto, mas pesquisa recente do Ibope mostrou performance abaixo do ideal: 21%. A coligação adversária, na figura do senador Hélio Costa (PMDB), está em primeiro lugar na sondagem, com 39%.

Costa tem do PT o apoio e o vice Patrus Ananias, um nome forte no Estado. Uma das razões para a manutenção do peemedebista num alto patamar é a união das duas legendas por sua eleição.

NafNa fase da pré-campanha, quando o PT decidiu aderir à coligação, ninguém acreditava num real engajamento do partido e sua militância. Agora, o material de propaganda mostra Costa ao lado de Patrus em igual tamanho e destaque.

Já Anastasia, que era vice de Aécio no governo, ainda está num distante segundo lugar e deixa seu padrinho apreensivo. Para reverter o quadro, os tucanos de lá apostam na mesma fórmula do PT para fazer com que a presidenciável Dilma Rousseff cresça: a associação com um popular cabo eleitoral. No caso dela, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. No caso Anastasia, Aécio Neves.

“Quando começar o programa de TV, tudo o que Aécio fez no governo, combinado com a apresentação de Anastasia como o nome da continuidade, a gente acredita no crescimento dele ainda no mês de agosto”, disse o deputado Rodrigo de Castro (PSDB-MG), um dos coordenadores da campanha do presidenciável José Serra (PSDB) no Estado e político muito próximo a Aécio, que é candidato ao Senado.

Leia também:  Operação Lava-Jato e o uso do Estado contra os inimigos políticos

Alguns observadores do partido fora de Minas comentam que a recente pesquisa acendeu uma “luz amarela” e deve tirar os tucanos de uma espécie de zona de conforto. A cúpula mineira no Estado achava que a briga seria mais fácil, ponderam essas análises.

“Parece que Aécio, agora, acordou”, disse o cientista político David Fleisher, da UnB (Universidade de Brasília). “Ele se deu o luxo de tirar férias e passear na Europa por três semanas para fugir do assédio do Serra e outros tucanos. Se ele tivesse aplicado tanto esforço para colar no Anastasia, e fizesse como Lula fez com Dilma, provavelmente teria chegado a 30%.”

SEGUNDO TURNO

Minas sintetiza, em muitos aspectos, o cenário nacional. Além do fato de dois políticos populares tentarem emplacar candidatos desconhecidos à sucessão, a disputa no Estado é protagonizada pelo núcleo das mesmas forças que na corrida presidencial. De um lado, o PSDB. Do outro, PT e PMDB.

Ambos os governos sustentam altos percentuais de popularidade, o que torna forte a tese da continuidade. Assim como no embate nacional, a tendência é de segundo turno nos dois territórios.

Apesar do momento atual, alguns números são favoráveis ao governador. No questionário espontâneo –que nesta etapa já apontam votos mais consolidados– os dois concorrentes estão próximos (16% para Hélio e 13%para o tucano). Nesse corte, o número de indecisos chega a 60%.

Nas contas do Ibope sobre a lista estimulada, a soma dos números de Anastasia com candidatos restantes (3%) e o número de indecisos (25%) apontam uma definição só após 3 de outubro.

Leia também:  Corregedor do TSE diz que cota para negros pode gerar “efeito reverso”

“A nossa expectativa é ganhar no primeiro turno. O movimento de consolidação da imagem dele com Aécio está ocorrendo. De outubro pra cá, ele estava com 2%. Aécio não fez com Anastasia o que Lula fez com a Dilma; não houve transgressão de lei aqui e, em Minas, você não tem uma mídia de TV como tem o Lula todo o dia fazendo campanha para a candidata dele”, completou Rodrigo de Castro.

Para a cúpula do partido, Anastasia não pode perder em Minas, sob o risco de Aécio ter sua liderança questionada. Essa eventual derrota ganharia contornos ainda mais sérios se Serra não vencer o pleito federal.

“Se Serra perder, Aécio vira nossa única reserva para 2014. Nesse cenário, a derrota de Anastasia seria muito ruim para a oposição [nacional], pois enfraqueceria o próprio PSDB”, disse um integrante do partido.

Muitos acreditam que Aécio será cobrado também caso Serra seja vencido nas urnas, mas essa fatura não chegaria a inviabilizá-lo na sucessão de 2014. 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome