Quem são os fascistas brasileiros hoje?, por José Policarpo

Para os outrora Golden Boys aclamados pela mídia empresarial e pelos fascistas, a verdade enfim se revelou e o que ela mostra não é nada encantador

Foto: Gazeta do Povo

Por José Policarpo Junior *

A pergunta que intitula este pequeno texto nunca esteve tão fácil de ser respondida à luz das revelações recentemente publicadas por The Intercept. Segue-se a resposta: são fascistas todos aqueles, independentemente de serem autoridades ou cidadãos comuns, que se opõem à liberdade imediata de Lula e de Vaccari (também citado desfavoravelmente nos diálogos publicados). Os que, por incrível que possa parecer, ainda não tenham posição estabelecida a respeito da libertação imediata de Lula e Vaccari e da natureza da operação Lava-jato – organização criminosa que adota entre seus quadros a expressão inglesa “In Fux we trust” (IFWT) – ou são fascistas ou apoiadores do fascismo; não há alternativas além destas.

Todo ser humano – assim o atestam todos os códigos, declarações e tratados de direitos humanos do mundo que se pretende civilizado – tem o direito a ter um julgamento justo, realizado por um juiz imparcial, tendo por referência uma acusação clara e definida e com ampla defesa assegurada. Qualquer julgamento que não obedeça a tais princípios é considerado nulo em termos legais e civilizatórios. Quem defende o contrário disso, seja para que indivíduo for, está fora dos limites aceitáveis da convivência no mundo humano, tal como o fascista que quer modelá-lo segundo os parâmetros de seu próprio espelho.

Embora haja controvérsias conceituais a respeito da existência de regimes e movimentos fascistas além dos exemplares originais europeus do século XX, assumo aqui a posição defendida por alguns estudiosos que analisaram tal fenômeno político – entre eles, mas não somente, Umberto Eco e Hannah Arendt – os quais desenvolveram o entendimento de que o fascismo é sempre possibilidade e ameaça latentes aos sistemas democráticos em qualquer época e lugar. Entre outros aspectos, o fascismo se caracteriza por pretender e realizar, se para isso tiver força material, a destruição de toda pluralidade da política por meio da força que estiver disponível, quer seja do aparato estatal, de milícias, da violência física de grupos, da violência simbólica da propaganda, de modo a conseguir manipular e dirigir também as massas, pela propaganda e posteriormente pelo terror, para a aclamação de seus desígnios homogeneizadores e totalitários. Por decorrência, seja qual for a natureza dos adversários (judeus, comunistas, petistas, gays, ciganos, estrangeiros etc.), pela lógica fascista, devem ser aniquilados física ou politicamente, ou excluídos do mundo comum. Os meios utilizados para tal fim são secundários e definidos apenas por uma lógica utilitária adequada às condições vigentes.

A Lava-jato (IFWT) há muito tempo já havia revelado suas tendências fascistas, especialmente no tratamento do caso Lula. Já desde ali se podia – para quem fizesse uso da própria razão e fosse capaz de superar o estado de menoridade intelectual cultivado pela mídia empresarial com a Globo à frente – discernir tais pendores. Em outra ocasião (aqui), já antevendo o significado do apoio à condenação de Lula por parte de muitas pessoas “bem intencionadas” (de cuja boa intenção o inferno está repleto) que coonestavam a Lava-jato (IFWT), eu mesmo já havia indicado que aquele fato iria significar um divisor de águas entre democratas e apoiadores do estado de exceção no Brasil; as recentes revelações da promiscuidade criminosa entre procuradores e juiz revelada por The Intercept não mais permitem licença interpretativa sobre o que de fato significou a operação IFWT e, portanto, não mais permitem dúvida sobre o principal critério do que hoje no Brasil distingue fascistas de não fascistas.

Leia também:  Réu da Lava Jato pede à Justiça que Moro e Dallagnol entreguem celulares

Há saída honrosa para os fascistas e apoiadores do fascismo? Certamente que há, sob determinadas condições. Das pessoas públicas ou que se posicionaram publicamente em aclamação a Moro e outros integrantes da Lava-jato (IFWT) e/ou favoravelmente à condenação de Lula sem nenhuma prova objetiva, ou melhor, contra as provas concretas de sua inocência, espera-se reconhecimento público do seu erro, pedido público de desculpas ao povo brasileiro ou à audiência para a qual se dirigiram e, no que tiverem competência legal, adoção das medidas imediatas para a liberação das pessoas injustamente presas, dentre as quais figuram claramente Lula e Vaccari, mas não só estas. Das pessoas comuns que aclamaram a IFWT e/ou a condenação de Lula em pequenos grupos, ambientes profissionais, contextos privados ou relações interpessoais não públicas espera-se também o reconhecimento do seu erro e pedido de desculpas perante as pessoas que apontavam todas as características de estado de exceção agora comprovadas por The Intercept – este também é um caminho para muitas relações sociais  serem restabelecidas na base do que é considerado humano e civilizado. Ademais, embora isto seja atribuição de foro íntimo que de ninguém se pode exigir, seria desejável que tais pessoas, desde que fossem sinceras em sua pretensão, realizassem autoexame profundo das origens de seu ódio e tendências destrutivas a fim de alcançarem autoconsciência necessária a não praticar novamente atos semelhantes.

Embora tenha se tornado um lugar comum, creio haver poucas frases clássicas que expressam tão bem o que foi a operação IFWT no Brasil e até no exterior quanto a proferida por Abraham Lincoln: “Você pode enganar algumas pessoas o tempo todo ou todas as pessoas durante algum tempo, mas você não pode enganar todas as pessoas o tempo todo”. Para os outrora Golden Boys aclamados pela mídia empresarial e pelos fascistas, a verdade enfim se revelou e o que ela mostra não é nada encantador.

* Professor Titular da UFPE

2 comentários

  1. “são fascistas todos aqueles, independentemente de serem autoridades ou cidadãos comuns, que se opõem à liberdade imediata de Lula e de Vaccari (também citado desfavoravelmente nos diálogos publicados). Os que, por incrível que possa parecer, ainda não tenham posição estabelecida a respeito da libertação imediata de Lula e Vaccari e da natureza da operação Lava-jato – organização criminosa que adota entre seus quadros a expressão inglesa “In Fux we trust” (IFWT) – ou são fascistas ou apoiadores do fascismo; não há alternativas além destas.”

    Então metade da população brasileira é fascista?

    Esses radicalismos retórico são muito prejudiciais, não ajudam a convencer as pessoas do que é certo e dão a nítida impressão de estarem tentando intimidar as pessoas para que sigam a “linha justa” (“se você não acreditar no que eu estou mandando, você é um fascista”). É um pouco pior, na verdade, por que essa ameaça é totalmente vazia: o que o sujeito tem a perder por ser chamado de fascista?

    2
    1
  2. Luís Baptista,
    Comments are closed ? Socorro.
    Como foi que você conseguiu ler no post que a metade da população brasileira é fascista ? Se eu sou favorável à libertação de Lula e Vaccari, não sou fascista, e e caso eu seja contrário às tais libertações, sou fascista, isto é o contido no texto, e não ” metade é fascista”. parecido mas totalmente diferente.
    Afinal, quantos dos 210 milhões de brasileiros não têm opinião formada sobre o assunto, quantos daqueles têm ” horror à política”, conforme falam até mesmo com certo orgulho ? Quem vem praticando à exaustão o fascismo é o presidente palhaço eleito com mais de 50% dos votos válidos, que acaba de exonerar um general dos Correios porque “ele é sindicalista”, já que é contra a privatização daquela empresa, que cuspiu Joaquim Levy do BNDES porque ele não conseguiu encontrar os roubos do PT, que ainda ontem elogiava o nosso grande sergio moro, que luta para demitir o fiscal do Ibama que o multou por pescar em área proibida e por aí vai, muito embora tenha ao seu lado um general seríssimo como Heleno, que foi braço
    direito muito bem remunerado daquele paradigma de honestidade chamado CANuzman, yes…
    A propósito, quantos países deste planeta privatizaram o serviço de correios ?
    Defender o miliciano com mais de 50% dos votos é exemplo nítido e incontestável de fascismo.
    Um abraço

    1
    1

Comments are closed.