Talvez a vitória de Bolsonaro em 2018 tenha sido a melhor opção, por Daniel Gorte-Dalmoro

Uma vitória de Haddad no segundo turno, além da hostilidade do congresso, teria que lidar ainda com oposição serrada da mídia e constantes testes de autoridade por vários setores da sociedade

Foto: Agência Brasil

Apesar de todas as críticas à psicologia do ego de Erich Fromm, admiro sua apresentação da ideia de liberdade, em O coração do homem: foi um marco na forma como passei a refletir sobre problemas que surgem. Grosso modo, diz ele que o último passo na tomada de um ato pouco tem de livre: há uma série de engajamentos prévios que tornam a desistência do ato, o passo derradeiro, de um custo tão elevado a ponto de ser difícil ao sujeito mudar de rota, uma vez que seria negar tudo o que foi feito até então e que levou até àquele ponto – contudo, o mais comum é nos atermos a esse último instante e acreditar que ali se tomou toda a decisão, que ali ainda havia plena liberdade de fazer ou não.

Fromm me veio à mente com o tal “dia do fogo”, organizado e posto em prática por criminosos disfarçados de fazendeiros e ruralistas, apoiadores de Bolsonaro na Amazônia, com as reações grotescas do mandatário da nação, e com os alertas de “eu avisei” dos que mantiveram um mínimo de bom senso ano passado – o que exclui pretensos isentões do segundo turno.

O GGN prepara uma série inédita de vídeos sobre a interferência dos EUA na Lava Jato. Quer se aliar a nós? Acesse: www.catarse.me/LavaJatoLadoB

O que ficou evidente para mim neste mês de agosto foi que, diante do que tínhamos em setembro de 2018, a vitória de Bolsonaro pode ter sido a melhor alternativa – claro, isso vai depender de como as esquerdas e as forças progressistas estão se organizando e vão se organizar. O ponto principal é que o clima de ódio provocado pelo consórcio mídia-PSDB-judiciário-ministério público e o estado de anomia no qual o país foi atirado pelo farsesco impeachment de Dilma foram instrumentalizados pelo ex-capitão e seus sicários, de modo que ganharam demasiado poder. Poder para além das urnas – e é o poder do estado que tem nas mãos que pode fazer com que desidratem.

Leia também:  Bancada evangélica consegue prorrogar incentivos fiscais para igrejas até 2032

Uma vitória de Haddad no segundo turno, além da hostilidade do congresso, teria que lidar ainda com oposição serrada da mídia e constantes testes de autoridade por vários setores da sociedade, de organizadores do dia do fogo e milicianos a juízes e procuradores. Isso potencializado por crise econômica interna, boicote do empresariado, lawfare e crise comercial internacional. Dificilmente um candidato progressista – estou a incluir Ciro aqui, mesmo sendo de centro-direita – conseguiria encaminhar uma solução a todas essas crises: mais provável que o governo fosse uma tentativa de diminuir o caos estimulado por atores sociais importantes, com a mídia, o STF, Bolsonaro, sua família e suas milícias aumentando cada vez mais o tom do discurso e dos atos.

O “dia do fogo”, arrisco dizer, aconteceria sim ou sim, fosse Bolsonaro ou Haddad o presidente. Se com o carioca aconteceu com beneplácito do líder, com Haddad as chances eram de que acontecesse para afrontar o presidente – eventuais prisões que impedissem o que foi feito na Amazônia seriam automaticamente vendidos pela mídia como “venezuelização” e arroubos autoritários, custariam muito de um sofrido apoio interno que ele pudesse ter.

A #VazaJato não teria a mesma repercussão e seria mais facilmente apresentada como “tentativa dos políticos corruptos do PT de impedir os arautos dos cidadãos de bens combaterem a corrupção dos políticos (do PT)”. Qualquer sinalização de desmantelar a quadrilha que atua desde a República de Curitiba iria na mesma linha – e às favas o direito, a constituição, a humanidade. Seguiria o lawfare contra qualquer pessoa que pensasse diferente de Moro, Dallagnol e seus serviçais.

Esse clima de caos e desgoverno – ou de difícil governo – permitiria ao fascismo tupiniquim crescer sem oposição – talvez alguma amarra nos governos estaduais, uma vez que poderiam ser cobrados, mas governo estadual dificilmente tem o mesmo poder de ser teto de vidro que o federal. Bolsonaro pai poderia cometer seus festival de disparates sem nenhuma cobrança pela liturgia do cargo, já que não teria cargo oficial nenhum, nem nenhum confronto com a realidade, já que não possuiria poder efetivo nenhum. Seu poder seria paralelo, apoiado e estimulado por parte da mídia e do judiciário (sabemos agora, pela Lava Jato como um todo), no intuito de enfraquecer o PT e ainda crente de que conseguiriam domá-lo depois – uma espécie de Guaidó com mais respaldo. Isso permitiria um maior enraizamento das bravatas e do ideário fascista – com a complacência dos donos do poder -, e tenderia a dar uma enorme força e resiliência a esse espectro político em 2022.

Leia também:  Carlos Bolsonaro "é uma pessoa perturbada”, diz empresário na CPI da fake news

Claro, o fato de Bolsonaro queimar parte do capital político da extrema-direita não anula todo o espectro. A vitória precoce do atual presidente incorreu no mesmo problema da extrema-direita europeia, onde tem sido um retumbante fracasso quando assume o poder, ainda mais sem o devido respaldo popular. É prepotência e incompetência. O Brexit talvez seja o melhor exemplo: é o putsch da cervejaria de Munique que deu certo e os bêubos tiveram que assumir sem ter a mínima ideia do que fazer ou de como o estado se organiza e funciona, daí tentarem recrudescer o golpe. O grande ponto: não tiveram tempo de se enraizar para além dos predispostos a abraçar o “movimento”.

Não estou desculpando quem votou no capitão, ano passado, aceitando que era a melhor opção – não era. Estou aqui propondo que façamos nossas análises a partir de um pouco mais recuado, entender que o passo no abismo não foi dado na urna, em 2018, mas vem de antes, de uma série de fatores que foram negligenciados e/ou minimizados, que levaram ao ponto onde estamos. Seguir com essa de “eu avisei” é insistir no erro e achar que eleição é 45 dias de campanha mais a urna, e deixar a avenida aberta para o fascismo repaginado de um Doria Jr ou Luciano Huck tomar o imaginário popular e criar raízes na sociedade – além do que são mais vivos e tem total simpatia da mídia, poderiam atuar (como Doria Jr deveras atua) como tratores nas instituições democráticas sem serem confrontados ou incomodados.

Leia também:  Sob Bolsonaro, TV pública exibe série que reescreve a história do Brasil

Diálogo, mobilização e politização – se realmente queremos reverter o quadro político atual. Ou então vamos ficar esperando Godot, nos queixando aos astros e esterilmente gritando nas redes sociais “eu  avisei”.

 

31 de agosto de 2019

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. Bem melhor seria não ter viver este tempos cruéis.

    Principalmente pelos milhões de brasileiros que vivem na miséria ou abaixo dela, que vão de esperar mais alguns anos para superar suas dificuldades, e os pesares por aqueles que não conseguiram sobreviver as crueldades do liberalismo econômico praticado pelo atual governo.

    Assim com os anos de governo dos PT afastou os temores de que o PT representava um risco de quebra de contratos e calote da dívida pública, muito pelo contrário, além de pagar a dívida junto ao FMI, acumulou Reservas Cambiais de mais de US$ 350 bilhões.

    De qualquer maneira o atual governo vai demonstrar ao eleitorado as crueldades do liberalismo econômico, e reforçar o PT como principal alternativa de governo, com ou sem Lula.

  2. PS: Reconheço que o título que escolhi é bem infeliz, dá a impressão de que Bolsonaro era uma opção – nunca foi -, mais que isso: que em setembro de 2018 havia alguma opção (de curto prazo) frente o poder que o fascista havia adquirido. Mais razoável que o texto se chamasse algo como: “A vitória de Bolsonaro era a única escolha autorizada em 2018” (ainda não está bom)
    (também reconheço o erro grosseiro de português, é “oposição Cerrada”)

Comments are closed.