Vídeo: Redação do GGN entrevista Laura Capriglione, do Jornalistas Livres

Laura fala com otimismo sobre o futuro, sobretudo por acompanhar de perto a reorganização e reafirmação dos movimentos sociais nas ruas. "Tem uma nova utopia surgindo no Brasil"

Laura Capriglione, do Jornalistas Livres, é a convidada do 21º episódio do Cai Na Roda.

Reconhecida como uma das melhores repórteres e diretoras de redação do País, vencedora de prêmio Esso de Reportagem, Laura ajudou a fundar e hoje é uma das coordenadoras do coletivo Jornalistas Livres.

Ela contou à equipe do GGN como nasceu o projeto que mudou para sempre a forma como as pessoas se informam na internet, fez uma análise a respeito do status da imprensa comercial e abordou a responsabilidade, em especial, da Rede Globo, na desconstrução e criminalização de lideranças, partidos de esquerda e movimentos sociais, um ato que considerou preparatório para a avalanche de fake news que ocorreu na eleição presidencial de 2018.

Para Laura, a mídia alternativa tem uma importância capital nos dias de hoje e inegavelmente impacta milhares de leitores, mas ainda patina no desafio de encontrar um modelo de negócio autossustentável.

Laura comentou o poder das redes sociais e criticou as esquerdas por terem superdimensionado a atuação bolsonarismo em 2018. Ela chamou atenção para o papel das igrejas neopentecostais na construção permanente da narrativa ideológica que favorece a extrema-direita. Apesar da quadra histórica atual,

Laura fala com otimismo sobre o futuro, sobretudo por acompanhar de perto a reorganização e reafirmação dos movimentos sociais nas ruas. “Tem uma nova utopia surgindo no Brasil, a utopia da inclusão, a utopia do antirracismo. Acho que a gente está gestando a nossa volta.”

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Fora de Pauta

2 comentários

  1. Gosto muito dessa repórter e já cruzei duas vezes com ela atuando ao vivo, com a maior desenvoltura, em manifestações de esquerda. Ela parece gostar de ir para a rua, acompanhar de perto. Então, quando ela fala que está surgindo um novo momento, uma nova utopia, ela deve estar sentindo isso na realidade concreta, fico feliz.

  2. Quem cuida de rebanho e pastor, nao e? Entao eles estao fazendo bem o servico deles.

    O editor de achaque era o Russomano?

    A tecnologia moderna funciona faz a mesma coisa que o anzol, a faca e o espelhinho fizeram para permitir a colonizacao. Os pastores tomaram o lugar dos pajes que os catolicos expulsaram ou mataram. Invadiram ate o espaco dos sindicatos, deram apoio e organizaram a populacao e Dilma teve que ir la pedir a bencao a eles para ser eleita e derrubada por eles porque nao fez doacao, nem na maquininha, nem na maquinona.

    As redacoes estao desertas mas os portais de internet e os jornais impressos estao cheios. Quem produz tudo isso? As assessoria de imprensa onde trabalham mais de 80% (acho) dos jornalistas. Os jornalistas nao trabalham mais em jornal e o sindicato nao e mais dos jornalistas.

    Este teclado nao tem acento.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome