Gestão Doria reformula Leve Leite e reduz programa em 53%

leite.jpg
 
Jornal GGN – A gestão do prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB) vai modificar o programa de entrega de leite para estudantes da rede municipal a partir do mês que vem. A partir dos 7 anos, os alunos não receberão mais o benefício, e, até os 6 anos de idade, somente as crianças mais pobre irão levar o produto para casa. 
 
Atualmente, o programa atende a todos os alunos da rede, dos zero aos 14 anos de cidade. No ano passado, 916,2 mil estudantes receberam o benefício. 

 
Com as alterações, o produto será entregue para 223,2 mil alunos de até 6 anos e para outras 208,4 mil crianças que não estão matriculadas na rede, mas em situação de pobreza. No total, 431,7 mil crianças vão receber o leite neste ano, uma redução de 53%. 
 
De acordo com a Folha de S. Paulo, as alterações foram motivadas pelo orçamento do município. Além disso, especialistas dizem que um programa universal de entrega de leite não faz sentido, já que não existem estudos de impactos nutricionais e de desempenho escolar.
 
A prefeitura pretende gastar, com as mudanças, R$ 150 milhões em 2017, valor 55% menor do que o previsto sem as alterações, de R$ 330 milhões. No ano passado, a gestão municipal destinou mais R$ 310 milhões para o programa. 
 
0gif-tarja-mensagens.jpg

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Leia também:  Bolsa Família, equidade e universalização – Unificação de programas não pode ser estratégia para extinção de direitos, por Tereza Campello e Sandra Brandão

Assine agora

9 comentários

  1. pinel sem mais remédio

    Matar antes que cresçam para evitar prisão no futuro!!!!!!!!!!!

    Marchadores da paulista padrão fifa, camiseta da seleção e pendão, vocês parecem cada vez mais com o patoskaf envergonhado e a esconder o rombo na traseira.

  2. Mas Haddad não prestava, não é…

    Quer dizer que crianças à partir dos sete anos não precisa mais de calcio? E por falta de “estudos de impactos nutricionais e de desempenho escolar”, retiram o leite delas.  São muito cinicos. E quem leva mais uma vez no lombo?

  3. Mas é de uma canalhice “exemplar”

    Durante anos lecionei nas escolas municipais. Esse programa Leve Leite, criado por Maluf, distribuía leite “de fora”- não me recordo mais- creio que vinha da Argentina em latas, pesava para as crianças e adolescentes o levarem pra casa, inclusive. Pude constatar em várias escolas municipais de várias regiões- comprovado por professores dessas escolas- que as mães usavam o leite, além de dissolvê-lo e dá-lo a seus filhos (muitas tinham 3, 4 na escola) de várias idades, também o utilizavam para aumentar o orçamento familiar, usavam-no para fazer bolos e doces e venderem – economia informal. Ou seja, faz falta.

    Quando Marta, PT, entrou, passou-se a comprar o leite de vacas brasileiras mesmo, mas JAMAIS pensou-se em eliminá-lo total ou parcialmente. A grita foi enorme, apenas por haver SUSPEITA de que isso pudesse acontecer, boataria etc.

    Quero ver agora a grita.  Famílias estarão organizadas junto a APM- Associações de Pais e Mestres e Conselhos de Escola , legitimamente constituídos para defenderem os alunos? A mídia divulgará?

    Porque Dória já diminuiu  o nº de crianças SERVIDAS PELAS PERUAS de forma gratuita para a ida às escolas. Há denúncias de que irmãos da mesma família, na mesma escola, foram separados: um pode ir, o outro não.

    Mas e a mobilização?

  4. Isso não é nada. O Doriana

    Isso não é nada. O Doriana Jr. é capaz de muito mais. Esse rapaz vai longe. Em menos de dois meses no cargo, já foi até Dubai. 

  5. Imagina se é o Haddad quem
    Imagina se é o Haddad quem tivesse feito isso? Falariam disso até o fim dos tempos, colocando-o como se fosse o demônio. Como é o tucano Dória, tudo bem.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome