MPT defende que há ilegalidades na contratação dos profissionais do Mais Médicos

O procurador do Ministério Público do Trabalho (MPT), Sebastião Caixeta, reiterou hoje (10), logo após ouvir depoimento da médica cubana Ramona Rodriguez, que há ilegalidades na contratação dos profissionais do Programa Mais Médicos, independentemente da nacionalidade deles. Ramona, que abandonou o programa,  apresentou ao procurador o contrato de trabalho assinado entre ela e o governo cubano.

Chamaram a atenção de Caixeta, relator do inquérito, cláusulas do contrato que exigem que os cubanos do programa não se relacionem afetivamente com pessoas de outras nacionalidades e que exigem dos cubanos confidencialidade sobre a atuação no programa. Durante o depoimento, que durou cerca de uma hora, Ramona também disse que há um assessor cubano na capital paraense, estado onde trabalhava, a quem os profissionais da ilha deveriam pedir autorização para sair do município.

O contrato também especifica os valores a serem recebidos pelos cubanos. U$ 400  seriam convertidos e pagos mensalmente aos médicos, e U$ 600 seriam depositados em uma conta em Cuba.  Destes U$ 600, a família teria acesso mensalmente a U$ 50, e o restante só poderia ser recebido ao fim do programa.

De acordo com o procurador, o MPT solicitou uma cópia do contrato feito entre Cuba e a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), órgão intermediador do contrato entre Brasil e Cuba, porém, o Ministério da Saúde alegou não ter acesso ao contrato e a Opas também não atendeu ao pedido alegando imunidade de jurisdição.

O inquérito, que foi aberto em agosto de 2013,  investiga as relações entre todos os médicos do programa, independentemente da nacionalidade, e o governo federal. De acordo com o relator, o projeto é necessário para o atendimento do direito fundamental da saúde, mas ele “está sendo implementado de maneira a sacrificar outros valores constitucionais”.

Leia também:  Abstinência sexual não resolverá problema da gravidez precoce, afirma pesquisadora

O procurador reafirmou que a medida provisória criadora do programa diz que os médicos farão um curso de especialização durante a atuação e, por isso, receberão a remuneração por meio de bolsa de estudos. “Todo contrato está estruturado no sentido de afastar uma relação trabalhista, agora, na prática, essa relação de emprego existe”

De acordo com Caixeta, o MPT vai pedir, ao fim do inquérito, a isonomia entre os profissionais cubanos e médicos de outras nacionalidades, assim como a regularizarização da relação existente entre todos os profissionais e o governo brasileiro.

Até o fim do mês o inquérito deverá ser concluído. Caixeta adiantou que apresentará um Termo de Ajuste de Conduta, para que o governo possa regularizar a situação dos médicos extrajudicialmente. Caso a proposta não seja aceita, o MPT vai tentar responsabilizar judicialmente a União.

O Ministério da Saúde diz que está seguro da legalidade do programa.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

3 comentários

  1. Com certeza a esquerda caviar

    Com certeza a esquerda caviar vai se calar.Como arregaça as calças até os joelhos e fica de 4 para a FIFA.Sim a esquerda caviar se cala diante da Copinha/2014. Se a Copinha fosse projeto de qualquer outro partido com certeza jogaria muita ppedra.Porque jogar pedra no telhado a esquerda caviar sabe muito bem.Mas auto-crítica … bem ….

      • Imbecilidades

        sem limites é o governo não repeitar os contratos de trabalho meu caro, e os petistas se calaram diante de fato grave simplesmente porque tal programa foi instituído pelo PT e Dilma visando unicamente ganhar votos para a reeleição.

        Esse programa é para tampar o sol com a peneira e não vai mudar a realidade do SUS.

        Sim a esquerda caviar vai se calar, como se cala diante de outros fatos tão graves com apoio do clã Sarney, apoio de Maluf para eleger Haddad, etc.

        Se calar diante dessa famigerda copinha do mundo, e por aí vai.

        Típico comportamento da esquerda caviar: se calar.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome