Recado do Nassif: a violência do Procurador Geral contra a Escola Superior do Ministério Público

A violência perpetrada pelo Procurador Geral da República Augusto Aras contra a Escola Superior do Ministério Público da União comprova a máxima: de onde nada se espera, nada vem.

A violência perpetrada pelo Procurador Geral da República Augusto Aras contra a Escola Superior do Ministério Público da União comprova a máxima: de onde nada se espera, nada vem.

Por sua formação e história, filho de pai que resistiu ao arbítrio na Bahia, esperava-se que Aras adotasse a estratégia da redução de danos. Ou seja, dentro das limitações de servir a um presidente fundamentalista, preservasse algumas peças básicas do Ministério Público, especialmente aquelas voltadas para direitos humanos.

Vã esperança!

Ontem, foram cancelados sumariamente os seguintes cursos, tidos por subversivos:

  • Formação de Formadores: a construção do projeto pedagógico.
  • O MPU e a diversidade sociocultural.
  • Reforma trabalhista: a atuação do MPT no Direito Material.
  • Competências gerenciais para o despertar da liderança
  • Descomplicando a proteção internacional dos direitos humanos
  • Feedback para a solução de conflitos.
  • Análise econômica do Direito e Meio Ambiente.
  • Violência de gênero e política de drogas na América Latina: a experiência colombiana.
  • Direito Internacional humanitário
  • Prevenção e combate à tortura.
  • Promoção e Proteção Nacional e Internacional dos Direitos Humanos.
  • Inclusão com acessibilidade no trabalho

Todos os conselheiros do MPU foram sumariamente demitidos, mesmo aqueles em pleno mandato. E a revisão acadêmica caberá a Guilherme Schelb, procurador fundamentalista, do nível de Ailton Benedito, indicado por Aras para a Secretaria de Direitos Humanos, e que considera direitos humanos uma invenção de esquerdopatas marxistas.

 

4 comentários

  1. Então, vale a pena permitir a existência de dessa “instituição”?
    Por mim já estava extinta.
    Íamos economizar alguns bilhões e muitos criminosos não contariam com a proteção destes asnos.

  2. Fecha o MP. Eu iria além e fecharia também as forças armadas. Aquilo não é um peso que o Brasil carrega, mas um tratos empurrando na direção oposta.

  3. Concordo plenamente, qual o motivo de manter um órgão tão maléfico aos interesses dos cidadãos como esse MPF. A extinção deste monstrengo deveria ser iimediata.

  4. Força Nassif, você já tem muita, do tipo sereno de longo prazo mas sempre é bom reforçar: obrigado pelos riscos que você enfrenta, e não em causa própria.
    Parabéns pela firmeza e pela coragem minimalista e serena.
    É a invasão dos piores comentaristas de boteco (daqueles botecos sem música, sem beleza, só grosseria e cerveja ruim, claro).
    Em todos os cantinhos, arrotando sua falta de argumentos, orgulhosos por terem varios iguais como autoridades.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome