Com ampla adesão popular, Papa Francisco enfrenta Igreja dividida


Fotos Públicas: Mazur/catholicnews.org.uk

Enviado por Adir Tavares

Reportagem especial mostra a guerra contra o Papa Francisco

A sua modéstia e humildade fizeram dele uma figura popular por todo o mundo. Mas, dentro da Igreja, as suas reformas têm enfurecido os conservadores e provocado uma revolta

Da RBA

A edição de hoje (24) do Público, um dos principais jornais portugueses, reproduziu reportagem especial do jornalista Andrew Brown, do inglês The Guardian.

Segundo a reportagem, a modéstia e humildade do argentino Jorge Mario Bergoglio fizeram dele uma figura popular por todo o mundo. Mas, dentro da Igreja, as suas reformas têm enfurecido os conservadores e provocado uma revolta.

O homem que há precisamente uma semana fez 81 anos e vive com apenas um pulmão, conforme a reportagem, é o primeiro Papa não europeu dos tempos modernos e tem neste momento em mãos uma Igreja dividida.

E que um dos seus mais ferozes críticos, o cardeal Burke, é o mesmo que serviu de inspiração a uma série de proeminentes figuras laicas de direita nos Estados Unidos, de Pat Buchanan a Steve Bannon ou Newt Gingrich.

Conforme Brown, o Papa Francisco é atualmente um dos homens mais odiados do mundo. E quem mais o odeia não são ateus, protestantes ou muçulmanos, mas alguns dos seus próprios seguidores. Fora da Igreja goza de grande popularidade, afirmando-se como uma figura de uma modéstia e uma humildade quase ostensivas.

Desde o momento em que o cardeal Jorge Bergoglio se tornou Papa em 2013, prossegue a reportagem, os seus gestos prenderam a atenção do mundo: o novo Papa guiou um Fiat, transportou as próprias malas e pagou a conta em hotéis; sobre os homossexuais, perguntou: “Quem sou eu para julgar?”, e lavou os pés de refugiadas muçulmanas.

Dentro da Igreja, porém, Francisco tem desencadeado uma reação feroz por parte dos mais conservadores, que temem que este novo espírito divida a Igreja ou até que a destrua. 

Confira a íntegra da reportagem clicando aqui.

 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

4 comentários

  1. A Igreja Católica também tem

    A Igreja Católica também tem seu MBL, pelo visto. Vão tentar o impeachment? Jesus no dia de seu aniversàrio deve estar extremamento contrariado com a humanidade, para quem ele sacrificou sua vida.

  2. O Papa Conciliador

    Concordo com o Juliano

    Penso também que a Igreja Católica, se fizer algo contra o Papa Francisco, vai ficar cada vez mais enfraquecida e irá acabando aos poucos. O numero de seguidores das igrejas neo-pentecostais está crescendo, e sem o Papa Francisco vai aumentar com mais rapidez, o que será uma lástima. Igrejas para os pastores são negócios. 

    Eu e muitas pessoas que conheço se voltaram de novo para o Catolicismo justo por causa do incrível Papa Francisco. Aquela Igreja arcaica, machista, inquisidora, distante dos fiéis estava com os dias contados. Se algo acontecer ao Papa Francisco o processo vai retornar. Uma grande lástima. Aí me despeço de vez do Catolicismo.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome