De apelidos e tiradas

Enviado por: Gesil Amarante

Enciumado por perder para Lula a disputa por um lugar no segundo turno de 89, mas obrigado a apoiar o PT, Brizolla disse que ia fazer o “filhote da ditadura” engolir o “Sapo Barbudo”. Dias depois, num comício do Lula na Candelária (até o Prestes estava lá), havia alguém (eu vi!) com um boneco de sapo com barba

Enviado por: Cleber Teixeira

Lacerda nos tempos em que as sessões da Câmara eram transmitidos pelo rádio.

Um adversário pede aparte: “V. Exa. é um purgante”.

Lacerda de bate-pronto: “E V. Exa. o efeito”.

Enviado por: guerra

Tem uma antológica frase do saudoso Ulysses Guimarães: “Para os meus amigos tudo, para os meus inimigos a lei”

Enviado por: João Nilson Dias

Apenas para retificar a pérola do jogador Jardel. Ao invés de “jogo é jogo e vice versa” o correto, o que ele disse mesmo foi “CLÁSSICO É CLÁSSICO E VICE VERSA”.

Enviado por: Gustavo

“Os aloprados”, apelido cunhado por Lula corre o risco de entrar para a história do anedotário da política nacional.

Enviado por: Valmir Arantes

De Roberto Campos sobre Fernando Gasparian em seu livro Lanterna na Popa: “O Gasparian é um socialista de salão e um capitalista de balcão”

Enviado por: Deraldo Mancini

De apelidos:

Frederico Schmidt era o “Gordinho Sinistro” e não “Baixinho Sinistro” e Ibrahim Sued, “a ignorância mais bem paga do país” (S. Ponte Preta).

Enviado por: cornélius

Aqui no PR, pelo seu temperamento explosivo e nervoso(principalnmente no trato com a imprensa), Requião é chamado de: Maria Lôca e Gardenal.

Enviado por: Paulo Tarso do Nasci

Seguem duas do Governardor Milton Campos:

1ª) Em uma de suas viagens de avião, o governador começou a sentir-se incomdodado com o aperto de sua gravata. A aeromoça (tratamento da época) solícita, perguntou-lhe se ele sentia falta de ar, ao que respondeu: – não sinto falta de ar e sim de terra!

2ª) Estourou uma greve dos empregados nas oficinas da ferrovia mineira em Divinópolis, por atraso no pagamento de salários. Diante do clima tenso, o Secretário de Segurança consultou o governador se deveria mandar o trem com soldados. Ele determinou que mandasse o trem pagador!

Enviado por: Mario Siqueira

Dias antes do golpe de 1964, os ânimos andavam acirrados entre esquerda e direita. Em um desses debates ficaram frente a frente o jovem José Serra, 20 ou 21 anos, presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE) , que defendia as reformas de base propostas pelo governo João Goulart e a deputada por São Paulo, Conceição da Costa Neves (depois mudou o nome para Conceição Santamaria – nome de solteira), de extrema direita, anticomunista ferrenha, uma das organizadoras da “Marcha da Família” contra o comunismo e contra Goulart.

Conceição, na casa dos 50, era uma “perua” extremamente vaidosa, toda maquiada, cabelos armados, bem vestida. Para enfatizar a inexperiência de Serra e sua suposta ignorância sobre as coisas da política e do país, cada vez que se dirigia a ele, começava com um sonoro “Meu jovem estudante…” Lá pelas tantas, depois do centésimo “Meu jovem estudante”, Serra não aguentou: dirigiu-se à deputada com um “Minha não jovem senhora”… A mulher perdeu as estribeiras, deu socos na mesa, exigindo respeito aos gritos. Acabou o debate.

Enviado por: João Nilson Dias

Uma variação para o enunciado de Flores da Cunha que “no Rio Grande só tem macho” é a piada que surgiu onde se diz que “Sim, no Rio Grande tem muito macho. Tanto, que cada gaúcho possue um” (gaúchos, é apenas uma piadinha corrente aqui em Sampa).

Sobre apelido de políticos, sei que o deputado Alberto Goldman é chamado de A Múmia por alguns de seus desafetos.

Enviado por: João Fabio

Maluf, ao ser interrogado por Marília Gabriela a respeito de sua fama de ladrão, respondeu assim: “Olha Gabi, neste país todo político é chamado de córno (sic) ou de ladrão. Felizmente, fui chamado de ladrão…”

Enviado por: Luis Guedes

ACM apelidou de “Mordomo de Filme de Terror”, o presidente da Câmara, deputado Michel Temer (PMDB-SP) em 1999

Enviado por: Elifas Araujo

Também tenho uma do saudoso deputado Último de Carvalho, quando ouvia, aparteando seguidamente, um de seus pares ,que infelizmente não lembro o nome. Num aparte, que deve ter sido o último naquele discurso, o orador, nervoso, replicou: “Mas V. Exa. não sabe o que quer. Numa hora bate no prego, noutra hora bate na ferradura.” Qunado VC lhe respondeu: “Mas a culpa é de V.Exa., que não pára com o pé.”

Enviado por: Erick

Tem uma do Roberto Campos: O capitalismo é a reunião das más intenções com os bons resultados, e o comunismo é a reunião das boas intenções com os maus resultados.

Enviado por: Cristiano Torres

Um dos comentários já postados me lembrou a minha avó, que durante muitos anos (pra ser sincero, quase toda a minha vida) usou um guarda-chuva horroroso, cumprido e bem fino, que ela só chamava por um apelido, numa frase que marca a minha infância: “Ô Antônio (meu avô), pega o Marco Maciel lá no escritório, por favor, que está chovendo muito”.

Enviado por: José Nabuco

Na eleição presidencial de 89, em um dos debates da TV, Guilherme Afif Domingos pergunta a Mário Covas: “O senhor foi marxista na Constituinte e depois fez um discurso pregando o ‘choque de capitalismo’. Com qual das duas caras o senhor vai governar: a do marxista ou a do choque de capitalismo?” Covas fulminou: “Certamente tenho duas caras. Mas se tivesse várias, todas elas teriam vergonha. Nenhuma seria a cara de um omisso!”

Enviado por: Walter

Tem uma boa do Ulisses Guimarães. Perguntaram pra ele se o PSD era um partido de direita ou de esquerda. Resposta:”Olha,minha filha,entre a Bíblia e O Capital o PSD fica com o Diário Oficial”

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora