Exorcizando os fantasmas da terceirização

Luis Nassif

Ontem, no Repórter Brasil, mediei um debate entre dois técnicos competentes, André Rebelo, da FIESP (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), e Clemente Gantz, do DIEESE (Departamento Intersindical de Estudos Socio Econômicos), sobre terceirização.

A conclusão final de ambos os debatedores é que houve grandes avanços na votação do substitutivo, chegando-se a um texto bastante equilibrado.

 

https://www.youtube.com/watch?v=dzFJ7v4L0j8

15 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Marcos M Roland

- 2015-04-12 23:03:58

Há uma outra discussão importante

Creio que o maior perigo da terceirização está no setor público. No setor privado, é possível, sim, que a própria boa administração empresarial em face do mercado evite que a terceirização se dê também nas atividades-fim, com poucas exceções que não fariam muito impacto. Assim, nas empresas privadas, pouco mudaria em relação ao cenário atual, exceto pela regulamentação duma prática que já existe e uma melhor proteção dos direitos trabalhistas dos terceirizados, o que deve ser benéfico para trabalhadores e (bons) empresários. Estou dizendo: é possível, ter certeza acho que ninguém pode. Não creio, por exemplo, que o Bradesco venha a contratar um caixa terceirizado.

Já no setor público, tanto na Administração Direta como na Indireta, pode haver, há muita chance mesmo de haver, abusos na terceirização por motivações político-eleitoreiras, com sistemática burla ao instituto do concurso público e cooptação de empregados terceirizados para contribuições a partidos políticos, isto já pensando num possível fim do financiamento empresarial de campanhas.

Então, penso que essa discussão é importante também. Não tenho nada contra limitar a terceirização às atividades-fim, para todos os contratantes, seja do setor privado, seja do setor público. Mas creio que o fundamental mesmo é prevenir a "abertura da porteira" no setor público. Vou mais longe, por mim, no setor público, deveria haver também uma restrição de atividades-meio que poderiam ser terceirizadas. Por exemplo, o setor de pessoal deveria estar fora disso, e é uma atividade-meio. A propósito, um grande absurdo que está vigente, a que as pessoas já se acostumaram e não acham estranho, é a terceirização dos concursos públicos para essas nebulosas instituições de fins lucrativos (não declarados) como Cespe, Cesgranrio, etc, etc. Já pensaram se fosse terceirizada também a atividade de "recrutamento" de políticos, isto é, as eleições??

Frank

- 2015-04-12 13:41:38

Sou contra a PL 4330, mas a

Sou contra a PL 4330, mas a outra possibilidade de manter o rendimento do trabalhador sem perdas seria o governo arrecadar menos, ou seja diminuindo a arrecadação previdenciária, tributária e fiscal.O Levy já foi no congresso pedir pra não mexerem no FGTS...

Mailson

- 2015-04-12 09:21:46

A escolha foi ingênua

Em algumas matérias publicadas aqui nesse blog Nassif disse que em algumas situações a Dilma tinha sido ingênua.

Mas Nassif, mais ingenuidade do que essa mostrada por você na escolha dos dois convidados que aparecem neste vídeo, impossível. Ou a escolha não foi sua?

Chamar dois representantes das classes patronais para "discurtir" sobre o projeto de terceirização é brincadeira. Veja, eu não estou lhe agredindo, até porque você é tão honesto na sua profissão quanto a Dilma na qualidade de Presidenta da República. E eu tenho todo o respeito do mundo pelas pessoas honestas, muito embora muitas vezes elas se mostrem ingênuas. Simplesmente porque elas acreditam na boa fé das pessoas.

Foi o seu caso ao convidar esses dois caras para "discutir" o projeto de terceirização. Você chamou o Pelé e o Pepe da Fiesp e foi aquele show de bola. Da próxima vez convide o João Pedro Stédile como representante dos trabalhadores. Ai sim, nós teremos um debate pra valer.

Um abraço.

Beto

- 2015-04-12 07:08:29

O trabalhador pela clt qusta

O trabalhador pela clt qusta quase 200% do salario, com a terceirização alguem pode contratalos por alguns dias sem ter de paga o salario deles quando eles não tiverem  mais o que fazer!

Marcelo Castro

- 2015-04-12 01:33:02

debate técnico e pouco esclarecedor

Assisti ao debate do reporter Brasil , técnico demais e esclareceu quase nada ao espectador. Surpreendente a posição passiva do representante do Dieese que parecia temer as reações do patrão da Fiesp. Há uma obviedade a toda prova nesta questão da terceirização , a precarização das condições de trabalho. Se o salário do trabalhador não vai diminuir, a conta não fecha. Qual a vantagem da empresa contratante em pagar um funcionário mais uma terceirizada ? É óbvio, limpo e cristalino que quem vai pagar a conta é o trabalhador.

Mogisenio

- 2015-04-12 00:33:33

Todo mundo sabe que o poder

Todo mundo sabe que o poder executivo não consegue fiscalizar bem.

Todos nós sabemos que o poder judiciário é moroso. Logo, o empregado, o otário, terceirizado, moverá açao contra a empresa e ficará esperando a morosidade jurídica resolver o problema até que se esgote a possibiidade de receber dessa empresa. Só ai, responsabilizará a contratante. 

Os entrevistados enrolaram mas não enganarm seus leitores atentos Nassif.! 

Todos nós sabemos que esse PAPO FURADO de que o terceirizado não será subordinado da empresa contratante não cola mais. Ora, o empregado fará parte de um projeto e receberá ordens de quem, dentro da empresa que "locou " a sua força de trabalho? 

E isso sem falar do problema sindical brasileiro. Sindicatos que não defendem , efetivamente, os direitos dos trabalhadores e ainda, podem "criar" regras mediante convenção e acordo coletivo.

 

Em suma, essa terceirização é uma FRAUDE, UMA REFORMA trabalhistas camuflada. Só os otários empregados que vão, como de hábito, pagar a conta.

Por que não colocam a responsabiidade solidária? Por que? Qual é o problema se vão "fiscalizar" , como dizem? Qual será o valor dessa garantia? Vai cobrir tudo que TODOS OS trabalhadores tëm direito de receber, eventualmente? Em todos os 5 anos? Tudo tudo? Duvido. Duvido muito.

Cheira mal. Muito mal. 

Francamente, estamos vendo um enrolaçao dessa avançar sem debate claro. E os empregados vão pagar a conta.

Veja voces uma coisa:

A pjtizaçao NÃO PODE EXISTIR. é CONTRA A LEI. 

Só que existe. Muitos recebem assim , nessa fraude descarada. 

Imaginem voces com sera essa terceirizacao?

Espero que a presidente vete o projeto. É o mínimo que pode fazer. 

Ocorre que estão aproveitando da "fraqueza" política dela , no momento, e estao empurrando essa FRAUDE goela a baixo dos brasileiros otarios

 

Acácia Andrade

- 2015-04-12 00:10:54

Fundo caução?

Então quando uma empresa contrata uma terceirizada e esta terceirizada não cumpre direito as leis trabalhistas, o funcionário primeiro cobrará da empresa a qual foi contratado e depois não conseguindo terá que cobrar da empresa que contratou a terceirizada, só nesse processo, já visumbro o trabalhador penando.

E pelo que o representante das empresas responde é que terá um fundo caução que servirá para pagar este funcionário, dai eu vejo mais uma vez o trabalhador pagando o pato, pois de quem será tirado esse dinheiro pra se fazer este fundo? Quem mais uma vez pagará a conta? 

Adolfo Silva Rego

- 2015-04-11 23:58:28

Terceirzação

Bastante equilibrado? Poderia explicar melhor o significado disso? Seria uma tentativa de tornar a regulamentação indiscriminada aceitável? Afinal, o tema do texto nos direciona para esse caminho. Lamentável, Nassif!

Acácia Andrade

- 2015-04-11 23:41:48

Não entendi bem..

Se uma empresa contrata uma terceirizada e esta não cumpre os direitos trabalhistas, a empresa contratante terá que arcar com os custos e por isso vai ter que ter um fundo para esse tipo de ocorrencia. Pois bem,  eu pergunto de onde, vocês acham que virá então o dinheiro desse suposto fundo? quem, mais uma vez, irá pagar a conta? adivinhem!

 

RodrigoNin

- 2015-04-11 22:39:59

Distorção

"A conclusão final de ambos os debatedores é que houve grandes avanços na votação do substitutivo, chegando-se a um texto bastante equilibrado." não corresponde a verdade. Quem disse isso, e insistiu, foi o cara da FIESP. O do DIESE disse que houve avanços e que a regulamentação é importante para ambos os lados. Não é a mesma coisa. 

drews

- 2015-04-11 22:03:15

Uma empresa poderá contratar

Uma empresa poderá contratar outra empresa para executar sua atividade-fim. Qual o proposito da existência da primeira empresa, visto que a segunda executará o trabalho? 
Se o salário da categoria será garantido, se todos os benefícios serão garantidos e haverá mais uma empresa intermediária lucrando sobre o trabalho, o trabalhador terceirizado terá que custar mais caro para a empresa contratante do que um trabalhador que ela contratasse diretamente. Agora aparecem especialista com esse papo furado de que nada muda. A única forma da contratação terceirizada ser vantajosa é se o trabalhador tiver seur benefícios e proventos REDUZIDOS. É matamática elementar!

WanderleyKuruzu Rossi Jr.

- 2015-04-11 21:15:23

Especialista diz que terceirização põe fim a concursos públicos

Entrevista concedida nesta sexta, 10.

http://www.pt.org.br/terceirizacao-poe-fim-a-concursos-publicos-diz-especialista/

NALDO

- 2015-04-11 20:15:26

Que vá esses dois trabalhar

Que vá esses dois trabalhar em firma terceirizada,pra ver como é bom, é só ver os problemas dessas empresas terceirizadas de limpeza e segurança, meu cunhado está tentando receber o ultim salario dele de uma empresa (salario, nem são os direitos) e advinha se ele sequer descobre onde ir pra reclamar. Na pratica a teoria é outra, foi uma tunga gigantesca nos direitos do trabalhador, essa é averdade.

Jan

- 2015-04-11 20:04:01

Lamentável

 

Eu acho lamentável a posição do entrevistado do DIEESE.   A começar pelo simples fato de ser o patronato o grande propulsor da proposta. Oras, o ganho deles será debitado na conta dos trabalhadores. Como pode o DIEESE defender essa posição.

Um dos pontos não debatidos é  que o poder de negociação dos trabalhadores fica diminuído.  Numa mesma empresa haverá empregados de muitas terceirizadas e dificlmente poderá haver movimentos reinvidicatórios unificados entre todos os empregados. 

Quem conhece a realidade da "pejotização" sabe muito bem que se trata somente de uma forma de retirar direitos do trabalhador. 

Hcc

- 2015-04-11 19:30:32

Ë isso.

Parabens. Inforrmação e debate. Tudo que o pig não sabe mais fazer, não passa nem perto. Obrigado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador